Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O liberalismo possível

por E, em 03.01.07
Se um marciano liberal aterrasse na blogosfera portuguesa, e lesse alguns dos textos que se têm escrito sobre o naufrágio da Nazaré, sentiria uma enorme vontade de voltar para trás. Ou então de se tornar "de esquerda". É que a direita dos blogs que mais tem escrito sobre o assunto, diz que a culpa é do Estado e do governo. Os tais "Estado" e "governo" que nuns dias devem ser reduzidos ao mínimo dos mínimos, mas noutros, pela circunstância de serem PS, já são culpados por tudo e mais alguma coisa. Incluindo pela morte de pescadores que, numa atitude tão - do it yourself - liberal, dispensaram o uso do obrigatório colete salva-vidas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.01.2007 às 10:03

Já aterrou um marciano na blogosfera protuguesa há uns tempos. Está no Blasfémias e chama-se Pedro Arroja.

E não é ele que está com vontade de voltar atrás ... são os outros.
Sem imagem de perfil

De nuno_nasoni a 03.01.2007 às 12:23

O Estado deveria ser pequeno mas, onde existe, tem de funcionar. E entre as suas atribuições estarão os meios de busca e salvamento, particularmente no mar. Independentemente do facto de os pescadores não terem os coletes salva-vidas colocados, a inoperência do Estado em organizar uma operação de salvamento a um navio encalhado a 50 m da praia (isto é, em menos de 3 horas), só pode ser fonte de consternação.
Sem imagem de perfil

De navy a 03.01.2007 às 12:42

Todos os países de marinheiros sofrem com os naufrágios. Nos EUA há centenas por ano, e muitos acabam em mortes. Mas lá, ao contrário de cá, não é costume culpar-se o governo.
Sem imagem de perfil

De RAF a 03.01.2007 às 17:57

Obviamente os pescadores deveriam usar colete, mas uma hora e meia sem que acorram ao local meios de salvamento parece-me motivo suficiente de crítica, a menos que se considere que a segurança não é monopólio do Estado.
Um marciano liberal era capaz de se questionar porque razão os cidadãos portugueses não se recusam, pura e simplesmente, em pagar impostos.

Rodrigo Adão da Fonseca

Comentar post