Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O 31 da Armada convida: Luís Carmelo

por Sofia Bragança Buchholz, em 16.05.08

Do Miniscente para vós:

 

Houve um tempo em que blogar se traduzia por um frenético delírio. Como as guitarras eléctricas a meados dos sixties. Som pelo som, imagem pela imagem. Fluxo pelo fluxo. Assim aconteceu ao sabor da redenção instantânea, da edição própria e ainda das névoas baixas que, nas cidades portuárias, sugerem as maiores proximidades. E paixões. Todos nos conhecíamos – por vezes, horroriza-me este átono “nos” –, como se o neo-botequim veneziano aproximasse a pele, as canduras, os olhares e a espuma líquida do ser. As polémicas sabiam a pouco. E grande parte do afã tornava-se num esforço menor, tal era a intensidade que a descoberta do novo meio ia suscitando. A mais bela ilusão das auroras boreais, pois então. E foi assim que, de um momento para o outro, o “link” se tornou na síndroma da novíssima coerência. Ou na deusa voadora que tramaria a inocência de qualquer misantropo mais desprevenido. Correctíssimo: pecava todo aquele que não decidisse “linkar” (houve mesmo quem generosamente propusesse o verbo “lincar”). Os mandamentos imploravam resposta, não diria urgente, mas, no mínimo, soprada e moldada no agora-aqui. Com fulgor irrequieto, resoluto e imediato. Todas estas transpirações foram feitas de pura paixão, de procura de tom e de alguma – mínima – adequação. Sim, houve a necessidade de encaixar as linguagens herdadas a um meio para o qual não haviam sido afinal inventadas. Foi essa, também, a grande paixão. Pela rede pessoalizada. Pelo oceano da expressão radicalmente autónoma: essa matéria que fez disparar o corpo para além do corpo e que transformou a vertigem numa estalactite sem gruta, nem direcção. Estalactite omnipresente. E tão fértil. E agora? Agora, sem meta nem corredor que se possam medir, a blogosfera aportou. Ancorou. E a palavra já circula a bordo do cais e, ao mesmo tempo, no éter intempestivo e no vácuo. A palavra e as imagens a que as neuro-aparições chamaram blogue. É verdade, a blogosfera está cansada da paixão e só já quer que a deixem em paz. Que a deixem os princípios, as polémicas esvaziadas, as metalinguagens das tartarugas, os ‘sitemeters’ e as compulsões adolescentes. A blogosfera só já quer que lhe dêem conforto (reparem como foi incorporada pelos media formatados: jornais, sites e portais de televisões, etc.). Hoje, ser blogue passou a ser ‘ser gente’. E não mais ‘ser visionário à beira de um quebra-gelos ilimitado’. Hoje a blogosfera cansou-se de ser uma coisa extraordinária, ímpar e incomum. Hoje a blogosfera pede que a alimentem com a mansidão dos ninhos primaveris. A blogosfera está cansada e é por isso, muito provavelmente, que, só hoje, três blogues me convidaram para enviar um texto – digo… um post. Sem parágrafos. Cá vai ele. Com prazer, já agora. Do Miniscente para todos vós. Abraço,

 

Luís Carmelo.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De LPedroMachado a 16.05.2008 às 09:33

Olá.

Não tem a ver com isto, mas como hoje vão discutir o Acordo Ortográfico no Parlamento, deixo-vos um texto que publiquei há pouco explicando as razões por que sou contra a legislação da ortografia. Este é o motivo mais importante para mim para rejeitar o Acordo. Sobre os outros motivos, escreverei depois. Passem por lá e comentem. Abraços.

http://departeincerta.blogspot.com/2008/05/legislar-ortografia.html
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.05.2008 às 10:00

Apelo a todos para uma grande onda de solidariedade com Luís Carmelo que está a ser vítima de um plágio vergonhoso e descarado.
Acaba de entrar no mercado português um livro chamado "A Fenda", título decalcado de uma obra de Carmelo já com vários anos e inclusivamente adaptada ao cinema.

É preciso tomarmos todos consciência do modo como frequentemente são ignominosamente violados os direitos de autor no nosso país. Como é possível uma autora qualquer, de repente, escrever um livro de qualidade discutível e dar-lhe o título de uma obra já existente?
Imagem de perfil

De Francisco Mendes da Silva a 16.05.2008 às 12:21

Muito bem.

Comentar post