Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




João Pereira Coutinho no Expresso

por Francisco Mendes da Silva, em 19.05.08

«PARAÍSO

IRLANDA

Aconteceu em 2005: chamados às urnas, franceses e holandeses estragavam a festa aos burocratas de Bruxelas. Seria possível recusar o tratado constitucional e a grandiosa visão de uma Europa (praticamente) federal? Foi possível. Mas os burocratas não aprenderam a lição. Pelo contrário: num gesto que raia o pornográfico, a "intelligentsia" europeia resolveu trasladar o cadáver para novo caixão, desta vez sob o título de Tratado de Lisboa. O gesto permitia contornar as urnas e deixar aos parlamentos a palavra definitiva, e previsível, sobre o assunto.
Fatalmente, os burocratas esqueceram-se da Irlanda, que por razões constitucionais tem de referendar qualquer grande tratado. E a Irlanda prepara-se para o fazer em Junho: o "sim" leva ligeiríssima vantagem, é certo. Mas o "não" tem subido e o número de indecisos, que pode decidir o jogo, é tão elevado como as duas equipas em confronto.

Não admira que o presidente da Comissão Europeia, de passagem pela pátria, tenha confessado, com impressionante candura, não haver plano B caso os irlandeses imitem os franceses e os holandeses. Curiosamente, não parece ter ocorrido ao dr. Durão Barroso que o Tratado de Lisboa já é o plano B e que o "não" irlandês, a existir, devia desaconselhar um plano C.

Infelizmente, é improvável que Bruxelas aprenda agora o que não aprendeu há três anos. E a imprensa especializada, de que a "Economist" é o melhor exemplo, já vai preparando os espíritos para um eventual descalabro: se os irlandeses responderem "não", os irlandeses voltam a ser questionados - uma espécie de tortura democrática que, como se viu no Tratado de Nice, em 2001, só acaba quando o suspeito colaborar com o torturador.

Seja como for, saber que a Irlanda pode ser a última barreira da decência contra a indecência da União Europeia, eis um facto que só faz crescer a minha admiração por aquele belo e abençoado país. Depois de Burke, Oscar Wilde, Joyce e Tullamore Dew, um "não" ao Tratado de Lisboa e eu começo a pensar seriamente em trocar Lisboa por Dublin.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Dorean Paxorales a 19.05.2008 às 19:00

Essa que "o tratado de Lisboa já é o plano B" é decalcadinha da Economist de 10V08...

Comentar post