Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




We will always have 1999

por Francisco Mendes da Silva, em 05.01.07

Tão feliz que o Bloco de Esquerda já foi. O "Portugal moderno" do "pelotão da frente", do entusiasmo pós-Expo 98, da construção do Euro 2004. Facilidades financeiras, ilusões económicas, espaço mental e mediático para os voluntarismos fracturantes e as bandeiras dispersas dos "estilos de vida alternativos".

Agora, a coisa está mais difícil. Os portugueses olham para os bolsos e já só pedem o regresso do estilo de vida normalzinho. Já só acreditam nas velhas ideias, sejam as do trabalho e do rigor, seja a da luta de classes. Daí uma maioria absoluta. Daí a reanimação do PC. Daí o desaparecimento mediático do Bloco, cuja "marcha pelo emprego", perdida algures em 2006, foi uma tentativa deprimente e frustrada (e, provavelmente, derradeira) dessa trupe burguesa entrar no mundo operário sem ajuda de qualquer relação privilegiada com os sindicatos.

E daí, também, essa ansiedade do regresso aos tempos da originalidade e atenção que levou à recente proposta de introdução do ensino multilingue no ensino público.     

A ideia é tão ridícula que quase se rejeita a si própria. No entanto, num esforço louvável, o Rui Pena Pires trata do assunto.   

Autoria e outros dados (tags, etc)