Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pequenas coisas deste pequeno mundo

por Vítor Cunha, em 06.01.07
Anda por aí uma pequena polémica sobre a garantia (ou não) do «anonimato» de possíveis senhoras que - caso a Lei mude por força de um referendo que ainda não se fez e de que, portanto, se desconhece o resultado -, pretendam abortar em instituição pública. Uma de três: os donos da discussão ou querem fazer de nós parvos, ou são parvos, ou não são bem intencionados.

O aborto, naquele eventual caso, passará a ser um acto médico como qualquer outro. Os actos médicos, por definição, são matéria reservada. As fichas clínicas dos doentes não são matéria pública e os médicos têm dever profissional de sigilo.

Não faz sentido que este procedimento clínico não seja registado, até por razões de saúde das senhoras (ou meninas) abortistas e da relevância que o acto tem nos histórico clínico.
Não se percebe, pois, o sentido de «anonimato» neste contexto. Significará ausência de registo? Mas é possível praticar actos clínicos legais sem alguma espécie de registo? Como se controla do ponto de vista fiscal ou administrativo? «Tá» tudo doido?

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Maria a 06.01.2007 às 23:23

Penso que isso é bastante claro. Não entendo a polémica à volta disso. Tanto barulho, sem razão, só pode ter algum motivo oculto. Ser para baralhar as pessoas menos esclarecidas?
Sem imagem de perfil

De cristina a 07.01.2007 às 12:14

será inocente? cogitando...
Sem imagem de perfil

De alezx a 07.01.2007 às 12:25

Pergunta: "«Tá» tudo doido".
Resposta: «Tá»
Abraço

Comentar post