Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Na quarta-feira passada, o Eng. José Sócrates tirou da cartola um coelho apressado mas vistoso, daqueles que crescem em poucos dias por via intravenosa de hormonas: os «carros eléctricos». Portugal está, supostamente, salvo: vêm aí os carros eléctricos, com o patrocínio e o beneplácito da Reanult-Nissan (há sempre umas marcas eleitas pelo regime, que o servem quando recrutadas para tal).

Desgraçadamente, esta pífia solução de e para basbaques não esteve isenta da gaffe da ordem. As pressas e o show-off deram nisto: o Sr. Primeiro afirmou que "se um carro eléctrico já existisse actualmente, apenas pagaria 30 por cento do imposto automóvel, já que este imposto tem em 70 por cento uma componente ambiental” (sic), seguida da não menos extraordinária ”o Governo está disponível para criar um quadro fiscal ainda mais atraente" (sic).

Como bem lembrou a Quercus, hoje, a componente ambiental representa 60 por cento e não 70 por cento do cálculo do imposto e, actualmente, um veículo eléctrico está isento dos impostos. Um veículo eléctrico está isento tanto de Imposto sobre Veículos como de Imposto Único de Circulação. O primeiro-ministro enganou-se em toda a linha (até no percentual).

Perante isto, fonte oficial do gabinete do primeiro-ministro fez questão de revisitar o clássico «a emenda é pior que o soneto», desafiando o imperscrutável: afinal, o que o primeiro-ministro quis valorizar, e que só pessoas moralmente deformadas não souberam reparar, indo ao ponto de se fixar em minudências que só baralham o essencial, foi o facto de Portugal ter uma taxa de imposto automóvel "das mais favoráveis da Europa para promover veículos amigos do ambiente", ou seja, "quando se referiu aos 30 por cento de pagamento sobre a cilindrada do imposto automóvel [o primeiro-ministro] estava a referir-se ao caso de se aplicar o regime geral. Mesmo nesse caso, no regime geral, pagaria apenas 30 por cento".

Isto não roça o insulto. Isto é um opróbrio. Para além de Portugal ter uma taxa de imposto automóvel obscena – sobre a qual incide ilicitamente o IVA – a gaffe do Eng. Sócrates é insofismável. O que só confirma a minha tese: é mais verosímil ver o Carlos Abreu Amorim a abraçar o Paulo Portas do que esperar que este governo reconheça um erro e evite, en passant, insultar a inteligência alheia.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Imagem de perfil

De caodeguarda a 12.07.2008 às 08:44

qual gaffe? vimos foi uma tentativa de passar a taxar mais um tipo de veículos à boa maneira xuxialista...
Imagem de perfil

De caodeguarda a 12.07.2008 às 08:44

qual gaffe? vimos foi uma tentativa de passar a taxar mais um tipo de veículos à boa maneira xuxialista...
Sem imagem de perfil

De O Militante a 12.07.2008 às 17:50

Curiosamente, nenhum dos senhores deputados do PSD sob a nova direcção, foi capaz de, em tempo útil, levantar de levantar, de imediato, a questão, confrontando-o com a aldrabice.
A razão é simples, mesmo sendo Rangel um reputado jurista, não fazia a mínima ideia de que o imposto não existe.
Mas, claro, chama-se a isto, grande preparação para o cargo.
Sem imagem de perfil

De Nem que seja lá na junta, alguma coisa s a 14.07.2008 às 20:11

Se não fosse o Sr. Engenheiro…
Sem imagem de perfil

De JPG a 12.07.2008 às 18:04

Foi o blog Blasfémias quem primeiro (http://blogsearch.google.com/blogsearch?hl=en&ie=UTF-8&scoring=d&filter=0&q=el%C3%A9ctricos+isento+impostos&sa=N&start=60) avançou com a “gaffe” do PM.
Imagem de perfil

De blogdaping a 14.07.2008 às 14:05

Estou-me a lembrar do PSL, quando cocorreu à Câmara de Lisboa ( e ganhou !) uma das promessas, era:

Se for eleito, resolvo o Parque Mayer em 8 meses....
Eheheheheheheh............!!

Comentar post