Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Notícias da Guerra

por Henrique Burnay, em 17.01.07

Um ataque à bomba no Iraque, sim. Mas nem tudo é apenas o que parece.


““A situação que se vive no Iraque é difícil, dolorosa, é uma luta contra os terroristas. Mas, apesar das dificuldades, a situação não é, de maneira nenhuma, tão má quanto se vê nos media internacionais. O Iraque não é apenas os ataques aos civis.” Mais. “Fizemos duas eleições e uma Constituição que é única naquela parte do mundo.” Mais ainda. “O Iraque é vítima dos males que afectam o mundo, não é a sua causa.” E mais. “As dores da transição desvanecem-se face à tirania do tempo de Saddam. Por vezes estas dificuldades actuais são usadas para contestar a moralidade da decisão de remover a ditadura. Não o devemos fazer. A democratização do Iraque é uma obra monumental.”
E agora? “Precisamos de uma coligação contra o terrorismo que funcione. O futuro do Iraque é vital, não só para os iraquianos mas para todo o mundo. Espero que as dificuldades actuais não sejam usadas para partir. Pelo contrário. Roma não se fez num dia. Estamos a construir uma democracia no meio de uma batalha contra extremistas e terroristas internacionais. Uma sociedade democrática e pluralista no Iraque é difícil, mas é possível.” Quanto aos militares: “a maioria dos iraquianos reconhece a contribuição dos polícias e militares. E todos reconhecemos que é necessário que sejam os iraquianos a liderar. Temos problemas, há violações dos Direitos Humanos, isto é um trabalho em curso”.
E a seguir? “Uma retirada antecipada criaria um vácuo e abriria caminho a ainda maiores complicações”. A União Europeia? “Devia investir muito mais no sucesso da transição no Iraque.”

E continua…

Barham Salih, o vice primeiro-ministro Iraquiano, na Atlântico que está nas bancas. Cortesia Couve de Bruxelas/PPM

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De ... a 17.01.2007 às 13:57

Vossa exelência porventura já se terá esquqecido das declarações do ex secretário geral da ONU....

E o Iraque não é o único país nese lugar do mundo que tem uma constituição, democracia, bla, bla, bla...lembro que ainda á pouco tempo o senhor presidente do Irão realizou eleições (creio que locais) e perdeu-as, logo acusem-no de tudo menos de não ser democrata e não aceitar as derrotas. Não é só o iraque que tem democracia!

Comentar post