Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




É um exclusivo blogosférico do 31 da Armada. Depois da polémica da "dança com terroristas", o eurodeputado do Partido Socialista, Paulo Casaca, responde no 31 da Armada às acusações e explica a verdadeira natureza dos "Mujahedines do Povo".

 

 

 

Os irredutíveis gauleses do Iraque
 
Pessoa amiga iraquiana - continuando a fazer parte daquela que é agora a pequena minoria que sempre acolheu bem os EUA como esperança de os ver trazer a liberdade, a democracia e o desenvolvimento - confidenciou-me há dias, quando nos encontrámos no Iraque, o verdadeiro arsenal que as forças norte-americanas lhe tinham oferecido para sua defesa pessoal, do qual deixou quase tudo ao cuidado dos irmãos e guardou para si apenas uma pistola ligeira de defesa.
E o exemplo vale por uma verdade que todos conhecem: no Iraque, não há ninguém que não ande armado, pelas melhores ou pelas piores das razões, infelizmente, mais as segundas que as primeiras, com a abundância de terroristas, milícias, gangsters ou a chamada insurreição.
Todos? Não, realmente nem todos, para além do Curdistão, onde existe alguma normalidade, há um campo - "Medina Ashraf" - como lhe chamam hoje os iraquianos, localizado no meio do deserto, onde não entram armas e as únicas que existem estão à sua volta nas mãos das forças americanas.
Apelidados de terroristas, criminosamente bombardeados pelas forças aliadas sem nunca darem um tiro, desarmados e passados a pente fino por seis ou sete agências de investigação americanas - incluindo a CIA e o FBI - que certificaram que não existe um único que seja terrorista, os chamados Mujahedines do Povo, ou OMPI no seu acrónimo português, conseguiram montar uma espécie de aldeia de irredutíveis gauleses em que tudo se passa ao contrário da lei que vigora no resto do país.
Na Mesquita local, sunitas iraquianos rezam lado a lado com xiitas iranianos ou iraquianos, nas salas de reunião, árabes, curdos e turcomanos, cristãos e muçulmanos, membros de infindáveis partidos, clérigos de todas as religiões e tendências discutem livremente, faz-se a cultura da tolerância e do diálogo.
Infelizmente, as nossas diplomacias ocidentais não fazem muitas vezes ideia de qual é a realidade do Iraque, nunca se perderam nos meandros das estradas não sinalizadas, não tiveram encontros directos com as facções armadas, não sabem o que sentem, pelo que passam e o que querem os iraquianos.
Em conferência que realizei sobre o tema no Congresso dos EUA, fiz uma sugestão: quem não quiser acreditar em mim ou fazer o que faço para saber quem é quem no Iraque, peça aos militares americanos para falarem livremente das suas experiências, e escute-os.
Tenho a certeza que eles dirão que a força mais consistentemente contrária ao terrorismo, é a única que o Ocidente, à margem do direito, resolveu denominar de terrorista.
O Tribunal do Luxemburgo já repôs a legalidade na Europa, resta agora aos EUA seguirem o exemplo.
Ponta Delgada, 2007-01-21
(Paulo Casaca)

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De spaceman a 22.01.2007 às 16:13

Eu não sou de intrigas mas...

"Para desconversar já temos os campinos info-incluídos do 31 da Armada.", Vasco M. Barreto nos comentários aqui: http://ablasfemia.blogspot.com/2007/01/boas-notcias.html

Imagem de perfil

De josé simões a 22.01.2007 às 18:33

comigo ninguém dançou...
Sem imagem de perfil

De Ass. Amizade Portugal-Irão a 05.09.2008 às 01:39

Exército iraquiano subjuga campo de treino de terroristas

Passados cinco anos o exército iraquiano consegui finalmente obter o controlo de um campo controlado pela organização terrorista anti-iraniana Mujahedines do Povo, indicou-nos um oficial do exército iraquiano.

O Major General Mohammed al-Askari, porta-voz do Ministério da Defesa iraquiano, revelou à cadeia televisiva iraquiana al-Forat TV que um batalhão de militares iraquianos cercou o Campo Ashraf, da Organização Mujahedines do Povo (MKO) desde quarta-feira à noite, de acordo com a agência noticiosa Fars News.

Esta acção ocorreu após o governo iraquiano ter pressionado, à dois meses, as forças dos EUA presentes no Iraque a abandonarem o apoio que têm fornecido à organização e a passarem o controlo do campo para o exército iraquiano.

De acordo com os relatos obtidos, permanecem cerca de 3.400 terroristas do MKO no Campo Ashraf, localizado na província de Diyala, a 60 quilómetros da capital iraquiana, Bagdade.

Anteriormente, o governo e o parlamento iraquianos anunciaram estar a procurar encontrar uma solução rápida e definitiva que lhes permitisse remover os restantes elementos do MKO do Iraque e encerrar o Campo Ashraf.

As autoridades iraquianas afirmam que o grupo está a desempenhar um papel significante na onda de violência e insegurança que assola o país.

Juntamente com, pelo menos, outros seis campos existentes em solo iraquiano o Campo Ashraf foi oferecido ao MKO como sede e centro de treinos pelo anterior ditador iraquiano, Saddam Hussein.

Foi a partir desta base que o MKO lançou operações contra o Irão no decorrer da guerra Irão-Iraque e, posteriormente, auxiliou Saddam na supressão violenta dos curdos iraquianos durante a insurreição de 1991.

O MKO está listado por muitos países, inclusive Estados membros da União Europeia, como sendo uma organização terrorista. O grupo tem assumido a autoria de centenas de ataques terroristas no interior do Irão.

http://solidariedadecomoirao.blogspot.com/

Associação de Amizade Portugal-Irão

Comentar post