Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A ditadura judicial

por Francisco Proença de Carvalho, em 28.01.09

Ao contrário de muitos, penso que mais perigoso do que o poder político interferir no poder judicial, são os órgãos judiciais fazerem política. A razão é simples: os políticos nós elegemos, censuramos nas urnas, podemos criticar abertamente. Um político corrupto, desonesto ou incompetente, mais tarde ou mais cedo, acaba, pelo menos, julgado pelo povo. Relativamente aos agentes judiciais nada disso acontece… Em Portugal, sob o pretexto da total independência, temos um sistema judicial profundamente anti-democrático. Somos obrigados a partir do princípio que todos os políticos são uns malandros e, em contraposição, todos os senhores procuradores e juízes são uns santos. Mas se não forem? Quem os julga? Quem os fiscaliza? Obviamente, nem todos os políticos são uns malandros e, infelizmente, nem todos os agentes da justiça são uns santos…

Nunca entendi aquelas pessoas que dizem: “confio na Justiça!”. Confiam em quem? Na balança? Eu não confio na Justiça… Confio em algumas pessoas, mas desconfio profundamente de outras, que mais do que fazer Justiça, adoram protagonizar grandes enredos políticos, mas sem se submeterem ao jogo democrático…
Numa verdadeira Democracia, é inaceitável que exista um poder tão importante como o judicial, que esteja totalmente à margem da fiscalização popular.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Corrupto a 28.01.2009 às 12:26

Hélas, um Proença de Carvalho no 31, é familiar do Daniel, um dos maiores corruptos de Portugal???

Como estas pessoas passam sem a justiça passar por elas, e ainda ter a cara de pau de, pronunciar-se sobre justiça, é um mistério maior dos que o do senhor.

Comentar post