Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




passou-se

por Rui Castro, em 05.02.09

"Violação do segredo de justiça houve alguma, embora a maior parte seja especulação e mentira. Não querendo eu queimar as mãos, quase o faria com a afirmação de que não foi o Ministério Público que passou a informação" (Cândida Almeida)

Admito que as questões sejam insidiosas, deturpadoras da verdade e, eventualmente, provenientes de poderes ocultos, mas ainda assim não resisto fazê-las:

(i) como é pode haver fugas de informação se estamos a falar de especulação e mentiras?

(ii) não foi a procuradora quem mais violou o segredo de justiça, presume-se que com informações não especulativas e verdadeiras, quando concedeu 4 ou 5 entrevistas na semana passada, revelando factos do processo?

(iii) se não foi o ministério público - cuidado para não ficar com as mãos arder -, e uma vez que em inquérito só o MP, os funcionários da secção respectiva, o Juiz de Instrução e a PJ (se forem pedidas diligências, o que não parece ter sido o caso) é que podem ter acesso aos processos, podemos presumir que a procuradora está a imputar a violação do segredo a um qualquer funcionário judicial?

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Luis Melo a 05.02.2009 às 11:26

É assim que se vê a inxistência da separação de poderes. Está mais que evidente, o controlo do governo sobre a justiça. Quem perde com isso? a democracia. Estamos a tornar-nos, perigosamente, numa ditadura.
Sem imagem de perfil

De ijeronimo a 05.02.2009 às 11:35

O seu post é bocadinho desonesto, já que as conclusões são falaciosas :
i) ela fala de ALGUMA fuga de informação e que a MAIOR parte é especulação. Não se pode concluir daqui que ela afirma que toda a fuga de informação é especulação e mentira;
ii) qual foi o facto revelado na entrevista que está em segredo de justiça ?
iii) se afirma que têm acesso ao processo "só o MP, os funcionários da secção respectiva, o Juiz de Instrução e a PJ", como pode tira a conclusão que só os funcionários judicias é que são suspeitos ? E os polícias, não ?
Imagem de perfil

De Rui Castro a 05.02.2009 às 11:40

Leia com atenção o que eu escrevi. Obrigado.
Sem imagem de perfil

De blogdaping a 05.02.2009 às 11:38

Neste país nem é preciso.... PGR !

Toda a gente sabe tudo, sobre tudo e arrota postas de bacalhau frito !!
Sem imagem de perfil

De zbiriguidófilo a 05.02.2009 às 11:42

A começar pelo blogdaping que prova a sua teoria com a sua própria existência.
Sem imagem de perfil

De blogdaping a 05.02.2009 às 14:33

Pois..., rala-te !!
Sem imagem de perfil

De zbiriguidófilo a 05.02.2009 às 14:52

Nada de ralações. Apenas uma simples constatação.
Sem imagem de perfil

De blogdaping a 05.02.2009 às 15:04

Pois constatou muito mal....com galicismo à mistura !!
Depois dizem que é o CR7 !
Sem imagem de perfil

De zbiriguidófilo a 05.02.2009 às 18:06

Deveria saber que os estrangeirismos acabam por se lexicalizar. Mas o seu problema é outro. Vd. meu primeiro comentário.
Sem imagem de perfil

De Vasco Gama a 05.02.2009 às 12:06

Efectivamente o seu comentário tem um erro de lógica, mas se fala por falar, está bem. Se as declarações são "Violação do segredo de justiça houve alguma, embora a maior parte seja especulação e mentira" então a maior parte do que foi dito é "especulação e mentira" e só alguma parte é "Violação do segredo de justiça". Parece claro mas para você não.
Imagem de perfil

De Carlos Nunes Lopes a 05.02.2009 às 13:29

Cândida Almeida disse que não violou o segredo de justiça porque as matérias eram do domínio público (trazidas pelos jornais).
Quer isto dizer que, doravante, e só por causa de Sócrates e do Freeport , cada vez que um aspecto da investigação for revelado por um jornal, o segredo de justiça deixa de existir para todo o processo?
É isto que Cândida Almeida defende? E a regra é valida para todos os suspeitos ou só para os mediáticos?

Comentar post