Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vídeo Louçã

por Paulo Pinto Mascarenhas, em 30.01.07
TV Bloco

Diverti-me imenso com o genial vídeo dos Gato Fedorento a propósito do Assim Não do Prof. Marcelo. Espero aliás poder ver já na próxima semana o mesmo tipo de sátira ao vídeo - ou vídeos - do Dr. Francisco Louçã. Não só pela graça que terá certamente mas também como uma demonstração do pluralismo democrático dos melhores humoristas portugueses. O material é bom e demonstraria a todos que os Gato Fedorento não transportam militâncias para o programa de televisão na RTP. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Filipe Castro a 30.01.2007 às 20:24

Onde é que está escrito que os humoristas tem que ser independentes??
Sem imagem de perfil

De indigente a 31.01.2007 às 20:50

hahahah, não li os comentarios, apenas o post... pluralismo democrático? na comédia? entao mas o acto da comédia tem que ser democrático? um artista tem que ser imparcial?

tipo fazer um sketch sobre asiaticos, tem que se fazer um sobre europeus, africanos, australianos, esquimós,etc?

a inteligencia dá para mais do que isto... digo eu
Sem imagem de perfil

De Filipa a 12.02.2007 às 18:19

Ha pessoas que...mesmo que queiram muuuiitooo, nao conseguem perceber, e nao querem entender, o sentido do humor! Gozou-se com o marcelo rebelo de souza pois este tem muito mais graca, tem muito mais para caracterizar.... nao sera por preferencias politicas!
Eu sou do SCP, e sei apreçiar os scketchs com paulo bento! porque nao fazer com o treinador do benfica??? porque nao tem tanta graca!!!!
Acho que ja foi tudo dito com o indigente,francisco, NRA,....
O que RAP fez com scketsh de marcelo nao foi ajudar o movimento sim ao aborto, foi so Humor, foi so trabalho...e REALIDADE! Pura REALIDADE!
e claro que ha direito ah critica!mas ah que saber criticar!!
uma coisa eh criticar, com cabeça, tronco e membros, outra eh criticar da maneira rude, como voces e sem saber ouvir as respostas! eh que voces simplesmente nem dao ao trabalho de querer perceber!Ficam na vossa, e na vossa ficam!
RAP se chegou onde chegou nao foi em vao! RAP eh um grande senhor e faz um excelente trabalho!ele e toda a equipa de GF que participa em todos os scketshs.... desde texto,ideias... por falar nisso...porque atacar so RAP???
Sem imagem de perfil

De Nuno a 30.01.2007 às 20:56

Querias, não querias?
Se calhar estavas à espera que ele fizesse um "soquéte" sobre o Benfica. E aí é que há material.
Sem imagem de perfil

De Julio Pais a 30.01.2007 às 21:37

Sim, ja tou farto de gozarem com o FCP. Cambada de Mafiosos do SLB sao sempre postos de lado dos programas dos Gato Fedorento. Morte ao SLB e ao Chico Louca, viva Salazar, FCP e o Marcelo Rebelo de Sousa!!!
Sem imagem de perfil

De naotevi a 09.04.2007 às 19:51

não te conheço, mas se conhecesse, podes crer que fingia que não.. é preciso ser muito burro e ignorante para dar vivas ao salazar. massa cinzente é coisa que não abunda por esses lados.
Sem imagem de perfil

De Francisco a 30.01.2007 às 21:50

Tal como o RAP disse na Grande Entrevista, na RTP, os humoristas não são jornalistas, o seu critério para o humor não tem que ser isento. Se lhe apetecer fazer humor com o F. C. do Porto ou o Sporting, não é obrigado a por ninguém a fazer humor com o Benfica...
Imagem de perfil

De Henrique Burnay a 30.01.2007 às 23:00

Claro que não há nenhum dever de isenção no humor, seria um contra-senso. Há é um dever de não usar um espaço de humor para promoção de uma causa política. Ou o risco de, fazendo-o, excluir. É, ao mesmo tempo, uma questão de bom senso ou de exclusão de possibilidades.
Pior, de resto, é o "Aborto quem és tu?", no contra-informação. Humo rnão é campanha política. ah, os americanos e tal... pois, é outra televisão. E é privada. Detalhe, terrível detalhe.
Sem imagem de perfil

De Nuno Ramos de Almeida a 31.01.2007 às 01:28

Caro HB,
Registo um leve laivo censório. Vamos por partes, eu sou sportinguista devia pedir que RAP depois de ter destruído com tranquilidade Paulo Bento, desse cabo do espertíssimo Fernando Santos?
Deve RAP e confrades distribuir o humor percentualmente de acordo com a representação parlamentar ou deve fazer humor e ponto.
O meu camarada PPM já tentou uma vez nacionalizar RAP afirmando que ele era de todo o país de não tinha o direito de ir a um almoço de apoio ao Bloco. Eu apenas peço a um humorista, a um escritor , a um realizador que as suas obras sejam inteligentes. Leio Vargas Llosa e Celine com prazer, e não me passa pela cabeça subscrever as suas opiniões políticas.
Sem imagem de perfil

De O Catraio a 15.02.2007 às 11:18

Acho bárbaro que um humorista não possa usar o que lhe vai na cabeça por ter de se auto-censurar com imparcialidades. O Santana Lopes demonstrou ser capaz de pedir isso aos humoristas após o João Baião ter gozado com ele mas o Santana era ligeiramente idiota.

O problema de certas pessoas é perceber que os humoristas, tal como o Prof. Marcelo, não devem a imparcialidade a ninguém. Assim entraríamos num mundo onde todos pensamos o mesmo. Eu não me senti afectado pelas preferências políticas do RAP nem considerei o que ele fez como campanha política. Eu tenho espírito crítico e nunca faria o que o RAP faz. Da mesma forma que o Prof. Marcelo pode pensar o que quiser sobre os gelados de baunilha que eu não gosto deles. Ninguém é imparcial. Nem mesmo os jornalistas.
Imagem de perfil

De Paulo Pinto Mascarenhas a 30.01.2007 às 23:01

Vários anónimos, eu não pedi isenção, mas humor e pluralismo democrático.Calculo que me diga agora que os humoristas não tenham de ter humor ou de ser democráticos...
Imagem de perfil

De Paulo Pinto Mascarenhas a 30.01.2007 às 23:03

Aliás, calculo que me dirão agora que os humoristas não têm de ter humor ou de ser democráticos...
Sem imagem de perfil

De Pedro Almeida a 09.02.2007 às 08:28

Caro PPM

Porque não pediu também ao Prof. Marcelo que no programa seguinte apresentasse argumentos a favor do sim, ou que criasse uma página denominada "assimsim.org"?

Porque o Prof. Marcelo utilizou também, tanto quanto sei, exactamente o mesmo meio que o RAP para divulgar a sua posição. Com a agravante de ter sido muito mais explicito a defender o "não" do que os GF a defender o "Sim".

Enfim...
Cumprimentos
Sem imagem de perfil

De és uma palerma PPM a 16.02.2007 às 11:41

PPM és um palerma e só procuras promover-te através do RAP.
Não mereces o tempo que perdi para ler o teu comentário.
PALERRRMAAAA!!!!
Sem imagem de perfil

De caramelo a 30.01.2007 às 23:39

"pluralismo democrático" no humor? hahahahaha, essa é de escangalhar a rir! Ó PPM, você é muito melhor que o RAP! Essa é a melhor paródia ao politicamente correcto que eu já vi!
Imagem de perfil

De Paulo Pinto Mascarenhas a 31.01.2007 às 03:20

escangalha-te a rir, caramelo, estás à vontade.
Imagem de perfil

De Paulo Pinto Mascarenhas a 31.01.2007 às 03:22

E é claro, Nuno, que o HB tem razão. A RTP é pública e estamos a caminho de um referendo. Não há aqui censura nenhuma, mas todos temos o direito à crítica - ou será que são só vocês e o RAP?
Sem imagem de perfil

De Marina a 04.08.2008 às 15:17

Nesse caso, a crítica devia ser assumida como tal, e não como um pedido à moda do "Peça que a gente passa"...
Imagem de perfil

De Henrique Burnay a 31.01.2007 às 07:44

Caro Nuno,
Quase que te dou razão. A última coisa que quero é um humorista condicionado, politicamente correcto, uma piadinha à esquerda, outra à direita. Ai ai que isto não se pode dizer.
Pode-se tudo. E as suas consequências. O facto – até ao momento – é que o Gato Fedorento apanhou muito bem o Marcelo. Mas não fez, por exemplo, com o episódio do vídeo do Louçã que, concordarás, tem muito por onde se pegar (quem é que filmou aquilo?). Eu vejo isto e registo. Reparo. E tiro as minhas conclusões. Também tenho essa liberdade. Eu achei que o RAP e cia aproveitaram o espaço que têm para fazer campanha pelo sim, coisa que sou livre de concluir.
Sobram dois detalhes. Primeira, se eu tiver razão, a coisa agrava-se por ser numa televisão pública (a coisa é aproveitar o espaço para fazer campanha, não o facto de se fazer humor com o assunto. A diferença é grande.). Segundo, fico a achar que têm pouca capacidade de fazer humor sobre aquilo em que se envolvem (ou envolve, não desconfio qual seja a posição dos restantes), o que diminui a qualidade do humor.
Portanto, quase que te dou razão, mas não dou. São livres de o fazer. E eu de concluir o que me parecer razoável.
Um bom sinal de maturidade democrática é ver as figuras que dependem da aceitação pública assumirem posições controversas. É prova de que o medo (do insucesso, da reprovação ou simplesmente de lhe serem fechadas portas profissionais) não tolhe a capacidade de intervenção pública. É óptimo quando assim acontece. Mas o aproveitamento de um espaço de humor para fazer, “discretamente” campanha por uma causa é outra coisa.
O humor britânico ou americano, por exemplo, está cheio de ataques cerrados a um lado, e às vezes até aos dois lados. Mas nem sempre. Na América de hoje os ataques ao Bush são constantes, So what? Mas eu posso ver e não gostar. ( E por acaso gosto de alguns.)
Para fechar. Eu acho que aquilo teve graça, mas foi um gesto de intervenção política, (não era só o mimetismo, ou a ironia, havia crítica expressa). E, portanto, não gostei. Aquilo não foi humor, foi intervenção política com graça. Não me passa pela cabeça tirar mais nenhuma conclusão. Mas esta posso tirar.
Última coisa. Veja-se o tal “aborto, quem és tu?”, no Contra-informação. Aquilo não era humor (não tinha mais graça que as letras do Quim Barreiros), mas era intervenção politica. Era só o que faltava eu não poder dizê-lo.
Desculpe-se o comentário longo, mas isto do humor é coisa séria.

Concluo: humor (arte), sobre o que se quiser. Intervenção política, no lugar da intervenção política. A fronteira é tramada, mas existe.
Sem imagem de perfil

De Nuno Ramos de Almeida a 31.01.2007 às 14:32

Caro Henrique,

Não consigo concordar consigo. Acho que humor não tem distribuição eleitoral, nem regional. Nem o bom, nem o mau.
Não me passa pela cabeça exigir aos programas popularuchos que fazem humor sobre os "alentejanos" que o distribuam pelo todo nacional.
Tenho a certeza que o Gato Fedorento vai fazer humor, conseguido ou não, com muitas coisas. Acho que a peça do RAP sobre o Marcelo é genial. Não me parece que viole o estatuto de serviço público, pelo menos mais do que as crónicas de Marcelo que passam na mesma RTP. Não penso que devam "castrar" o professor Marcelo nem o RAP durante o período eleitoral.
Coincide coincido contigo, na ideia que a arte não deve ser amodaçável , acho é que não retiras, dai, as devidas conclusões.
Sobre a criatura que, nesta caixa, assina "Paulo Pinto Mascarenhas", quero dizer uma coisa: Extraterrestre o que fizeste do PPM ? Fazes o favor de o devolver inteiro aos seus amigos. Temos saudades da sua capacidade de análise. Vai-te embora Marciano eleitoralista!
Imagem de perfil

De Paulo Pinto Mascarenhas a 31.01.2007 às 19:22

Sou eu mesmo, Nuno, antes de ser abducted, tão eleitoralista como tu, ou talvez menos, meu caro. Já agora, não quero censurar ninguém e também achei genial o retrato do Marcelo. Por isso mesmo é que pedia um retrato do Louçã. Mas isso tu já não gostarias tanto.

Abraço (com um sorriso),
Imagem de perfil

De Harpad a 19.02.2007 às 01:26

Meu caro amigo, a comédia não tem que ser imparcial. O seu pedido é absurdo e faz de si mais um fanático. Junte-se ao Pacheco Pereira e construam a democracia da Perfeita Liberdade Desde Que Todos Pensem Como Eu.

Harpad
Sem imagem de perfil

De anónimo a 31.01.2007 às 08:33

Não se estão esquecer que antes do Gato passou o Marcelo. Nesse caso a Tv pública já não é criticavel?

Comentar post


Pág. 1/4