Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vídeo Louçã

por Paulo Pinto Mascarenhas, em 30.01.07
TV Bloco

Diverti-me imenso com o genial vídeo dos Gato Fedorento a propósito do Assim Não do Prof. Marcelo. Espero aliás poder ver já na próxima semana o mesmo tipo de sátira ao vídeo - ou vídeos - do Dr. Francisco Louçã. Não só pela graça que terá certamente mas também como uma demonstração do pluralismo democrático dos melhores humoristas portugueses. O material é bom e demonstraria a todos que os Gato Fedorento não transportam militâncias para o programa de televisão na RTP. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Bocas a 31.01.2007 às 10:12

Eu gostava muito do RAF e do trabalho deles. Mas chega. É o FCP, é o Marcelo, é nem sequer conseguir responder com tomates à Odete.... enfim. Espero que se enterrem mais cedo do que o Herman. Da minha parte nem mais um tostão, nem sequer, pior ainda, uma imitação pública de um sketch.
Sem imagem de perfil

De jsgklçfjs a 31.01.2007 às 10:25

Que post tão ressabiado PPM. Parece que lhe tocou fundo. As ideias ditas de forma tão simples tornam-se quase irrefutáveis.
Sem imagem de perfil

De Carlos Matos a 31.01.2007 às 10:49

"Há é um dever de não usar um espaço de humor para promoção de uma causa política."
Há? Porquê? Quem é que o estipula? Porque é que o Marcelo não tem o dever de não usar um espaço sério para promoção de uma causa política e eles têm o dever de não usar um espaço de humor para promoção de uma causa política? Alguém pode explicar porque é que o espaço de humor não tem os mesmos direitos dos outros? Era favor.
Sem imagem de perfil

De Carlos Matos a 31.01.2007 às 11:02

Posso aplicar o post do PPM a mais coisas?

Diverti-me imenso com o genial vídeo dos Gato Fedorento a propósito do Hitler. Espero aliás poder ver já na próxima semana o mesmo tipo de sátira ao Churchill. Não só pela graça que terá certamente mas também como uma demonstração do pluralismo democrático dos melhores humoristas portugueses. O material é bom e demonstraria a todos que os Gato Fedorento não transportam militâncias para o programa de televisão na RTP. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque.

Diverti-me imenso com o genial vídeo dos Gato Fedorento a propósito da corrupção. Espero aliás poder ver já na próxima semana o mesmo tipo de sátira aos polícias. Não só pela graça que terá certamente mas também como uma demonstração do pluralismo democrático dos melhores humoristas portugueses. O material é bom e demonstraria a todos que os Gato Fedorento não transportam militâncias para o programa de televisão na RTP. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque.

Diverti-me imenso com o genial vídeo do Jay Leno a propósito do O.J. Simpson. Espero aliás poder ver já na próxima semana o mesmo tipo de sátira à ex-mulher dele e ao namorado. Não só pela graça que terá certamente mas também como uma demonstração do pluralismo democrático do melhor humorista americano. O material é bom e demonstraria a todos que o Jay Leno não transporta militâncias para o programa de televisão na NBC. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque.

Diverti-me imenso com as geniais opiniões do prof. Marcelo a favor do Não ao aborto. Espero aliás poder ver já na próxima semana o mesmo tipo de opiniões a favor do Sim. Não só pelo interesse que terá certamente mas também como uma demonstração do pluralismo democrático dos melhor comentador português. O material é bom e demonstraria a todos que o prof. Marcelo não transporta militâncias para o programa de televisão na RTP. Trabalho é trabalho, conhaque é conhaque.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2007 às 11:13

aquele sketch fez mesmo mossa, hem?
Sem imagem de perfil

De António Peres a 31.01.2007 às 12:12

Concordo como Carlos Matos.

E mais: agora, gozar com uma coisa é fazer campanha? Os gatos limitaram-se a apontar a estupidez da posição do Marcelo - que, momentos antes, tinha sido exposta, na mesma RTP, que eu saiba sem que se espere que, para a semana, o prof. exponha a opiniao contrária.

Nao disseram vota sim. Limitaram-se a dizer que aquele "nao" é estupido.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.01.2007 às 23:56

"Porque é que o Marcelo não tem o dever de não usar um espaço sério para promoção de uma causa política e eles têm o dever de não usar um espaço de humor para promoção de uma causa política?"

Excelente pergunta. Não é por acaso que não teve resposta.
Imagem de perfil

De Henrique Burnay a 01.02.2007 às 02:18

Não acho a pergunta assim tão boa, mas de facto não é por acaso que não teve resposta. Aquela coisa de não deixarem usar a internet nos aviões é ligeiramente castradora. Censória, quase.
Não me parece que seja muito difícil distinguir um programa de humor de um programa de análise política. São diferentes. Mas se for difícil perceber que não é por haver um programa de comentário político que o “outro também pode dizer o que pensa”, eu tento explicar mais devagar: as meninas da metereologia também são capazes de ter as suas opiniões sobre a política e o Mundo, mas ninguém acharia razoável que as dessem entre uma previsão de chuviscos e um anúncio de trovoada. Portanto, essa coisa de se um pode o outro também, falha na definição. Mas acerta no que revela. E, agora sim, retomo a conversa com o Nuno Ramos de Almeida. O único problema daquilo é que tento tido graça, não era apenas humor, era intervenção política. Ora, eu não pedi nem me parece razoável pedir, que o humor seja equilibrado, bem distribuídos para os diferentes lados, um dia sobre o Sporting no outro sobre o Benfica, de maneira que não me defendo de uma acusação que não me pode ser feita. Adiante. O que disse, e com isto encerro, é que aquilo foi intervenção política (aliás, se não tivesse conteúdo político e fosse apenas humor o BE não tinha importado o vídeo, como é óbvio). O resultado – e este detalhe é relevante, Nuno, - é que eu, vulgar espectador da RTP e regra geral fã do Gato Fedorento, não gostei. E se não gostar muitas vezes, deixo de ver. Ou não. Tal como tu, não acho que as opiniões politicas de um artista sejam a coisa mais relevante. Se fossem estava tramado. Ou passava a amar a Cuba de Fidel, ou execrava os livros do Saramago. Nem uma coisa nem outra. Bem pelo contrário.
E agora a segunda parte. Eu – mas eu não sou artista – acho que num canal público há critérios que se devem seguir com particular cuidado: um deles é não usar esse espaço para fazer campanha política em período eleitoral (não distinguir isto de gozar com Stalin é um pouco bruto), se esse espaço não for de intervenção política (chamem-lhe o que quiserem, e lembro-me de umas virgens no tempo do ministro não-sei-quantos - não me lembro mesmo do nome do homem - de Santana que se queixou de Marcelo, mas tanto Marcelo como Vitorino estão ali na qualidade de partes interessadas) Mas, dizia, não usar esse espaço para intervenção política em tempo eleitoral é, digamos, mais avisado. Goza-se com tudo e mais alguma coisa, mas intervenção política, acho que é de evitar. Não vá alguém perguntar, mas eu pago-lhe para fazer humor ou tempos de antena?
Resumo, e da minha parte termino: Teria dado um excelente tempo de antena, deu um mau momento de um programa de humor. Eu, que tenho todos os direitos de um espectador, não gostei.
Imagina que agora resolviam desatar a vender sabonetes lux, fazendo excelentes graçolas sobre o plamolive. Eu também não gostava.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.02.2007 às 12:31

é isso, Henrique. não se pode comparar um programa de humor com um de análise política, mas com o da meteorologia, sim. um satirista político (é disso que se trata, ali) pode não ter opiniões? é possível fazer sátira política como quem informa sobre a chuva? é possível fazer sátira política sem fazer uma "intervenção política"? é possível criticar o marcelo sem criticar o marcelo? as meninas da meteorologia fazem sátira política?
outra coisa: não é por se repetir várias vezes uma mentira que ela passa a ser verdade. 1º: criticar uma opinião não é fazer campanha política; 2º o programa passou no domingo à noite. a campanha começou na terça à meia noite.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.02.2007 às 12:35

outra coisa, henrique: o site do bloco também faz link para uma peça da rádio renascença sobre o marques mendes. se calhar é intervenção política da renascença, não? se fosse apenas notícias, o bloco não tinha importado, como é óbvio.
Sem imagem de perfil

De João Quadros a 01.02.2007 às 02:56

Ui! Pelos vistos não foi gratuito. Mexeu na ferida. São os melhores.
É ridículo imaginar que um humorista tem de ser democrático. Antes pelo contrário. E ele sabe. Imagino o que seria um Dias Que É Uma Espécie de Magazine, nas mãos do humorista PPM.
Sem imagem de perfil

De JNF a 01.02.2007 às 11:44

Eu acho que o PPM tem toda a razão, afinal trata-se da televisão pública e o mínimo que se lhe exige é esse "pluralismo democrático" ou lá o que é isso. Os Gatos fedorentos que façam um video sobre a Lídia Jorge a deitar gafanhotos pronto. E já agora, em nome do tal do pluralismo democrático, proponha-se que na RTP fique agendado para os serões de sábado o Francisco Louçã, para não ser só o Marcelo ao domingo, e claro, a bem do tal do "democratismo plurático" ou lá como se chama.

Santa paciência para estes dislates todos

Comentar post