Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Live at the European Parliament

por Henrique Burnay, em 28.11.06
Afinal o poder não é afrodisíaco. Numa manhã de Novembro (hoje) Joaquín Cortés - o bailarino - veio ao Parlamento Europeu falar dos ciganos, dos seus direitos, das suas preocupações. Interessante, certamente. Mas o mais interessante foi ver as meninas - algumas já senhoras - muito excitadas ao verem passar o rapaz pelo corredor. Noutra circunstância isto seria banal, mas no corredor por onde passam ministros, reis, presidentes e criminosos de delito comum também, é rara - para não dizer inédita - tanta excitação.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Brigada Bigornas a 28.11.2006 às 18:02

Mitos Comunistas



(grandes aldrabices)

Uma Camponesa no Cais do Sodré

Recordar as grandes arruaças rurais de 1954 é lembrar a desordeira Catarina Eufémia. Foi um ano fértil para quem não queria trabalhar, mas sim viver à custa dos esforçados patrões. E quem andava nestas andanças não se importava de sacrificar a família ao espectro da fome. Por detrás deles estavam os sequazes comunistas, que não olhavam a meios para atingirem os seus fins. Se os seus patronos Lenine e Estaline tinham deixado morrer à fome milhões de pessoas, não eram agora meia dúzia de alentejanos piolhosos que fariam a diferença. Conseguiram enganar algumas dezenas de camponeses analfabetos e enviaram-nos para a rua agitar bandeiras vermelhas. Quando a turbamulta começou a ameaçar a vida da gente honrada, o pacato Dr. Oliveira Salazar foi em seu socorro impôr a legalidade democrática. Os cabecilhas, que de camponeses só tinham o cheiro, e ganhavam chorudos ordenados enviados da União Soviética, foram rapidamente identificados e detidos.

Uma camponesa esperta tentou dar o golpe do baú. Como a família se preparava para a expulsar de casa, depois de ter descoberto a sua vida nocturna no Cais do Sodré, deu um passo em frente. O plano começara uns meses antes, ao conseguir engravidar de um cliente que era da GNR.

Quando o oficial sobe da novidade e da chantagem da camponesa, obrigou-a a abortar. Então ela fugiu para o Alentejo. Fez o destino com que algum tempo depois ficassem frente a frente numa das arruaças promovidas pelo PCP: a camponesa da noite e o seu cliente militar!

Após o 25 de Abril o PCP obrigou a família a vender-lhe a campa de Catarina Eufémia, para aí cimentar mais uma das mentiras da esquerda !

Comentar post