Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




COMUNICADO

por 31, em 10.08.09

Daqui posto de comando do Movimento do 31 da Armada:

Durante a madrugada de ontem, e apesar da forte vigilância policial, elementos do 31 da Armada (Darth Vaders) subiram heroicamente até à varanda do Paços do Concelho e hastearam a bandeira azul e branca.

 

Há 99 anos atrás, no dia 5 de Outubro, um punhado de homens, contra a vontade da maioria dos Portugueses, tinha feito a mesmíssima coisa proclamando assim a república. O resto do país ficou a saber por telegrama.

 

Hoje, aproveitando as férias de verão e numa inédita acção de guerrilha ideológica, foi restaurada a legitimidade Monárquica. Podem permanecer calmos nas vossas casas: foi restaurada a Monarquia. E o país fica a saber pela internet. A acção foi devidamente filmada e o video será disponibilizado ao final da tarde.  

É o contributo do 31 para as comemorações do centenário da república.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Luís Bonifácio a 11.08.2009 às 09:31


Você não tem vergonha?

Nem sequer deve saber quem foi Guerra Junqueiro
Sem imagem de perfil

De Luis Dias a 11.08.2009 às 19:04

Por falar em Guerra Junqueiro:


 


A a(c)tual bandeira nacional é uma derivação da bandeira do partido republicano português, foi votada na assembleia da republica e o tal Senhor atrás referido, republicano de ideologia propo(^)s que a bandeira azul e branca, cores que representaram o país durante oito séculos se preservasse, substituindo a coroa, símbolo da monarquia, por estrelas, a essa altura símbolo do então império português. Uma vez mais e como nos tem provado neste último século com uma série de exemplos a republica, ou melhor os republicanos, a prepotência implacável não deixa espaço ao bom censo, restringindo este para figuras individuais como o transmontano atrás referido.


Republicano ou monárquico tanto faz, Necessitamos urgentemente de novos governantes com valores e que amem Portugal, ou melhor os Portugueses e os coloquem acima de qualquer aspiração individual ou de um subgrupo de Portugueses ou não Portugueses.


Nota: já não sei qual é o português corre(c)to. É um fa(c)to.



 

Comentar post