Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nota Baixa ao projecto lei do PS

por Manuel Castelo-Branco, em 28.02.07

Num referendo (sobre o Aborto) não vinculativo, perante a vitória do sim (mas onde uma % suficiente para eleger um governo - 40% - votaram não), e onde parte da abstenção se deveu a indecisão sobre a posição a adoptar, esperava-se do PS uma atitude mais responsável e democrática na elaboração do projecto-lei sobre o Aborto. Com referido projecto acordado com a esquerda esqueceram-se as convicções de uma larga maioria da população, e projecta-se uma lei desequilibrada e divisionista. Optou-se por impor a posição de um grupo mais “militante” que não reflectirá a posição da maioria (incluindo os que votaram sim e não). Optou-se por privilegiar a maioria parlamentar face a realidade do País. Assim sendo, cria-se um perigoso precedente, uma nova maioria eleita na Assembleia da Republica terá toda a legitimidade para alterar a lei do aborto, tornando-a mais restritiva e consensual.

 

PS Num exercício de total falta de intenção, o jornal “Publico”, na sua rubrica “Sobe e Desce” dá nota alta à solução do acordo à esquerda com o ostracismo ao PSD e CDS.

Conseguir o pleno à esquerda é nitidamente mais fácil, menos corajoso, mais superficial e menos democrático. Por isso merece nota máxima do “Publico. Estamos esclarecidos!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Dylan T. a 28.02.2007 às 18:03

Se a percentagem de votantes no NÃO elegeria um governo, então a percentagem de votantes no SIM elegeria um governo e meio.
Logo, para o Manuel Castelo-Branco, temos um sistema político de dois governos e meio.

Um abraço democrático e estatístico.

Dylan T.
Imagem de perfil

De Manuel Castelo-Branco a 28.02.2007 às 19:12

Meu caro:
40% dos votos foi o suficiente para António Guterres e Durão Barroso serem PM . Assim sendo, não é uma % desprezível. Estarei engando??????

Comentar post