Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O outro polvo

por Francisco Proença de Carvalho, em 12.02.10

Visto que hoje é dia de polvo na praça, deixem-me falar de outro tipo desta espécie tentacular: o polvo jornalístico. Promovido pelos pseudo defensores/mártires da liberdade de informação/expressão, este é o polvo que resolveu o problema “Santana Lopes”, que está a resolver o problema “José Sócrates” e que resolverá o próximo problema, seja de que partido for. É que, ao contrário do que muitos pensam, isto não é uma questão de partidos ou carácteres. Este polvo não quer saber disso. Apenas está interessado em instituir uma nova ideia de Estado de Direito assente na seguinte trave mestra: todos devemos ser responsabilizados pelos actos que praticamos, excepto eles próprios. Porque quem os tenta responsabilizar está a promover a institucionalização da censura.

Vejo várias demonstrações de rejúbilo pelos acontecimentos recentes, nomeadamente no espaço político de que me sinto mais próximo. Mas, não tenhamos dúvidas: o que acontece hoje ao 1.º Ministro, já aconteceu, noutra medida, a Santana Lopes e acontecerá ao próximo. Portanto, quando vejo os protagonistas políticos a irem atrás desta euforia, só me resta esperar pelo que lhes vai acontecer também a eles. Com mais capacidade do que qualquer outro, este polvo resolve de forma implacável todos os problemas que vão surgindo. E o principal problema é a governabilidade. Não interessa a ninguém! A governabilidade não dá capas chocantes, não vende jornais, não promove estrelas/mártires da liberdade de informação…
Enfrentar este polvo jornalístico revela-se também uma impossibilidade. Hoje ficámos a saber que, pelos vistos, já nem os Tribunais podem ambicionar executar as suas decisões perante esta rede tentacular.
Resumindo: é este polvo que, em parceria com uma face oculta do meio judicial português, nos passou a dizer o que está ou não provado, quem é culpado/inocente, quem pode ou não governar, o que é o interesse público, enfim, a diferença entre o bem e o mal. Quando assim é, o voto passa a ter uma importância muito relativa…

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De NFM a 12.02.2010 às 10:01

Caro Francisco,
Creio que todos entendemos aquilo que está a dizer. É verdade que o quarto poder cada vez prevalece mais sobre os outros três e interfere muitas vezes na execução dos mesmos. Tem-se tornado tão importante que este governo, pelo que se aventa, quis crer (ou crê ainda) que a governabilidade, ou uma melhor governabilidade passará pela manipulação de alguns órgãos de comunicação social. E ao provar-se isto, não será uma ingerência do poder executivo na comunicação social, e em última instância, no nosso direito fundamental de liberdade de imprensa e de expressão?

Por último, ainda que respeitando uma ordem emanada por um legítimo organismo judicial português, como as providências cautelares que visavam a suspensão das notícias que hoje saíram a público no Sol, não é verdade também que a validade das mesmas não é inequívoca, mesmo para os defensores de alguns dos alegados implicados?
Sem imagem de perfil

De da a 12.02.2010 às 10:05

excelente. parabéns pela coragem de remar contra a maré. não é para todos.
Sem imagem de perfil

De lurdes a 12.02.2010 às 14:11

tem razão, não é para todos... só para o filho do advogado do sócrates.... a vidinha custa a ganhar...
Sem imagem de perfil

De pedro a 12.02.2010 às 10:45

concordo inteiramente como seu artigo
a imprensa está fora da lei
Sem imagem de perfil

De lucklucky a 12.02.2010 às 10:46

O que está em questão é se o que está nas escutas deveriam ser suficientes para um Julgamento ou não.
Não é se é Culpado.


Governabilidade!? Não notou que nos últimos 15 anos tivemos excelente Governabilidade? Trouxe-nos 100% de Dívida e 9,3% de defice.


Quanto ao exemplo Santana tem piada, só foi corrido porque uma boa parte do PSD deixou e quiz que ele fosse corrido.
Não se demite Primeiros Ministros por serem incompetentes para mais quando muitos outros estiveram ao seu nível ou pior como o actual.


"já nem os Tribunais podem ambicionar executar as suas decisões perante esta rede tentacular."


Não goze, tudo isto apareceu por causa de um conflito na Justiça. Um Juiz decidiu que era um caso de Polícia, o topo da Justiça disse que não. O que vei a lume coloca em causa o topo.Ou foram os media que fabricaram as escutas?


"Quando assim é, o voto passa a ter uma importância muito relativa…"


Pois é mas por diferentes razões...
As últimas eleições foram uma fraude, quando o defice passa de 5,9% para 9,3% misteriosamente após as eleições. O inutil do Presidente nada fez quanto a essa fraude*. Agora parece que há mais razões para se considerar as últimas eleições uma Fraude.


Os jornalistas que são uma das maiores causas do nosso atraso, têm como a maioria dos Portugueses um medo patológico dos números e nem fazem um esforço para os entender e respeitar, são eles que puseram Sócrates e no pedestal, assim como tudo o que vem do lado esquerdo, se Sócrates fosse de direita já há muito tinha sido corrido. 


Por uma vez estão a fazer o seu trabalho.


**Nem o PSD faz alguma coisa para que se não volte a repetir com apresentação oficial de contas antes de cada eleição.
Sem imagem de perfil

De manuel cortes a 12.02.2010 às 11:04

Assim seria se o polvo da maçonaria não estivesse a dar cabo deste pais, na justiça, para encobrir o encobrível.
De resto, é a sua análise - que parece ser muito corajosa de contra corrente etc, etc - é de mero advogado do palhaço dos palhaços. Da minha parte e sendo advogado com bastantes anos de experiência não acredito na justiça - nesta que nos é imposta, por seres sibilinos ou reptilinos - o que seria da justiça em Portugal sem os medias (que obviamente tem as suas agendas, daí que nada melhor do que várias imprensas livres).
Sem imagem de perfil

De shm a 12.02.2010 às 23:53


"Quis" escreve-se com "s" e não com "z" (primeira frase do terceiro parágrafo).
Sem imagem de perfil

De shm a 12.02.2010 às 23:56

P.S. - A correcção é relativa ao comentário do Sr Lucklucky.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.02.2010 às 11:18

Penso que Francisco Proença de Carvalho se pode pronunciar acerca do choco (o choco da tinta) com toda a legitimidade, tal como o filho de José Miguel Júdice tem o direito de se pronunciar sobre a moreia ou  sobrinhos de Vieira de Almeida sobre a lampreia.  Agora,  é muito difícil lê-los e acreditar na sua distância e imparcialidade ou  atribuir-lhes o estatuto de parte desinteressada. Agora, o máximo que se pode dizer, sem sombra de ironia, é com todo o respeito e consideração do mundo, é que "só lhe fica bem". 

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 12.02.2010 às 11:25

Subescrevo o Francisco a 100%
Sem imagem de perfil

De Nuno Manuel Costa a 12.02.2010 às 11:29

Francisco, parabéns pelo sua lucidez!

Dá gosto ler pessoas com opiniões honestas e que não olham para a realidade com sectarismo político!

Abraço.
Nuno.
Sem imagem de perfil

De Joana Mil-homens a 12.02.2010 às 11:42

Um grande "Like", Francisco!
Sem imagem de perfil

De Joaquim Amado Lopes a 12.02.2010 às 12:07

Perguntas para o Francisco:
1. A sua memória é tão curta ou tão hipocritamente selectiva que acredita mesmo que o polvo que resolveu o problema Santana Lopes é o mesmo que está a resolver o problema José Sócrates?

2. Acha mesmo que o papel da comunicação social não é precisamente expôr o que está a ser exposto por parte de José Sócrates e dos seus tentáculos?

3. Acha mesmo que a comunicação social se deve abster de interpretar, contextualizar e mesmo questionar as decisões dos Tribunais quando estas são tão incompreensíveis como as que foram tomadas neste caso?

4. A propósito de polvos, o seu problema é com todos os polvos ou apenas com aqueles que mexem com a sua gamela?
Sem imagem de perfil

De miguel maia a 12.02.2010 às 12:31

Não partilho de muitas das opiniões que são defendidas neste espaço mas, neste caso, não senão que dizer que, mais que concordar, apoio cada palavra.

Comentar post


Pág. 1/3