Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Torto por linhas directas

por João Vacas, em 16.03.07

O Paulo escamoteia o essencial.

Distingue Portas de oposição interna. Ora, como toda a gente já percebeu, Portas sempre foi e é a oposição interna. Não há outra.

O debate das directas é um subterfúgio para impedir que se discuta o resto. Os reais motivos que presidiram a esta campanha contínua contra Ribeiro e Castro desde que ganhou o congresso em Abril de 2005. E quais são as ideias geniais e redentoras que Paulo Portas descobriu nestes últimos dois anos que lhe escaparam nos anteriores sete.

O que está em causa é bem mais fundo. É uma tentativa de golpe. Pura e simples. Absolutamente ridícula em quem passou anos de dedo em riste a pregar a d-i-s-c-i-p-l-i-n-a, o respeito pelos órgãos do partido e que criticou a dissolução da Assembleia da República a meio do mandato. Temos, assim, o paradoxo de lidar com um institucionalista-golpista. Um bombeiro-pirómano. Versão Portas reloaded.

O país já deu por isso. Já viu este filme. E troça desta nova encarnação pontuada pelo mesmo estilo de todas as outras. A comunicação social, descontada a pena benfazeja da Dra. Constança Cunha e Sá, é unânime nessa apreciação.

Ganhe quem ganhar, todos perdem. A começar pelo CDS.

Há quem lhe chame “política pura”. Eu chamo-lhe uma miséria.

Autoria e outros dados (tags, etc)