Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Relativizar o relativismo

por Francisco Mendes da Silva, em 31.08.10

Um artigo do João Pereira Coutinho no Correio da Manhã acelerou a pulsação em vários recantos da blogosfera. Sem querer ser presunçoso, suspeito que terei sido um propagador decisivo das más vibrações (parece-me que foi a indignação de Fernanda Câncio e da Ana Matos Pires contra a minha transcrição do dito artigo que iniciou o contágio). Seja como for, fui repreendido (com Fernanda Câncio a insistir na indelicadeza de se referir colectivamente ao 31 da Armada, atribuindo a todos os elemento do blog os posts de cada um deles - enfim).

 

Que fiz eu? Uma transcrição e um link? Uma transcrição ou link nem sempre são um crachá na lapela de quem os faz. No caso do post infame, limitei-me a dar conta de uma opinião alheia que me pareceu interessante. Admito que os visados se possam sentir ofendidos e injustiçados (porventura, mais pelo estilo), mas também julgo que existe um fundo de verdade no pressuposto central do artigo: o fim das penas da estirpe da de morte por lapidação, no Irão, poderá depender, em última análise, de opções políticas de forças externas com cuja necessidade muitos dos que se mobilizam em manifestações por Sakineh Ashtiani não se querem confrontar. Não acho que o conteúdo ou o estilo do texto estejam fora dos limites do que é aceitável numa sociedade livre. Por que razão me haveria de censurar na citação?

 

Em princípio, eu não escreveria aquela opinião - pelo menos nos exactos termos em que o João a escreveu. Encontro mérito na manifestação de Sábado e, de resto, se dissesse o oposto, estaria a contrariar algo que ainda este ano disse na presença de alguns membros do Jugular. No dia em que Christopher Hitchens esteve na Casa Fernando Pessoa, fiz-me à A1 para me acotovelar por entre os fiéis. Felizmente, quando era já mais a multidão em pé que a sentada, uma simpática assistente indicou-me uma cadeira vazia na segunda fila. Dizia "Acompanhante de Fernanda Câncio" - o que muito me honrou e de todo me demoveu de aceitar a oferta. Depois da inspiradora prelecção do convidado, lá fiz umas perguntas, para ajudar ao debate. Uma vez que se falara do teocentrismo de alguns países e do fraco currículo dos mesmos em relação aos direitos humanos - desde logo, aos direitos das mulheres -, perguntei se não é uma ironia trágica que, no Ocidente, aqueles que supostamente deveriam ser os primeiros a denunciar a barbárie sejam, tantas vezes, os primeiros a justificá-la, em nome do respeito pelas identidades culturais. Referi, como seria natural, o caso eloquente de Germaine Greer. Hitchens respondeu que sim, que o relativismo multiculturalista tem uma força tal que consegue que, em seu nome, até a mais empedernida das feministas dê folga aos seus princípios. Nenhum membro da assistência secundou Hitchens e uma senhora particularmente exaltada atirou-se às suas credenciais para lhe criticar os apetites intervencionistas. Hitchens não se ficou e, de um momento para o outro, tínhamos ali o outro Hitchens - o falcão neo-con - de que os presentes não estavam à espera, a debitar opiniões que não se afastavam muito do âmago da do João Pereira Coutinho.

 

E isto para dizer o quê? Que acho um tanto apatetada a reacção ao artigo do João Pereira Coutinho, mas que fico contente por saber que as nossas feministas se dispõem a relativizar o relativismo para defesa dos princípios do lado de cá.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De jafaltapouco a 31.08.2010 às 04:24

Já tinhamos um primeiro ministro mau, charlataneiro e cabotino, tinhamos um presidente que mais parece uma árvore de natal seca e agora temos um alexandre relvas aprendiz de feitiçeiro que de tão idiota na  unviversidade de verão mais parecia um louco à solta, resta o quê? ( que tristeza de prestação a deste A. Relvas) Resta por esta gente toda na rua o mais rápidamente possivel  e nunca mais deixá-los tocar no poder, esperemos que o Passos Coelho tenha bom senso e que se demarque de toda esta gentinha.
Sem imagem de perfil

De Corrector a 31.08.2010 às 10:46

Não é A. Relvas. É Miguel Relvas. Vai aprender a ler.
Imagem de perfil

De Carlos do Carmo Carapinha a 31.08.2010 às 10:16

Hilariante é isto: há (quase) sempre alguém que invariavelmente coloca um comentário sem a mínima relação com o tema do post.
Sem imagem de perfil

De PALAVROSSAVRVS REX a 31.08.2010 às 12:57

Mas isso até é divertido, Carlos.
Sem imagem de perfil

De Lourenço Cordeiro a 31.08.2010 às 11:27

O Hitchens vai fazer muita falta. Esperemos que se safe.
Imagem de perfil

De Ana Matos Pires a 31.08.2010 às 12:22

Estou sem tempo mas é só pra dizer que mto me espanta só agora teres chegado à conclusão com que finalizas o post, andas pouco atento, Francisco. Ah, e como em todos os "ismos" ele há vários e diferentes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.08.2010 às 12:52

"Acompanhante de Fernanda Câncio" isto é uma piada certo???? lol
Sem imagem de perfil

De PALAVROSSAVRVS REX a 31.08.2010 às 12:59

Eles citam-se, likam-se, comentam-se, amam-se, pá. Os outros paspalhos andam de cá para lá e de lá para cá.
Sem imagem de perfil

De PALAVROSSAVRVS REX a 31.08.2010 às 13:04

Vocês discutem, discutem, mas deitam-se todos para o mesmo lado. Atiram os foguetes, apanham as canas, insultam-se e rebolam bem emaranhados nos colchões do amor.
Sem imagem de perfil

De B a 31.08.2010 às 15:03

Não sei qual é a sua dúvida, caro Francisco. Basta olhar para os comentários ao "relato" da dona f. e perceber que era preciso um "bode respiratório" para não ter aglutinado todas as elites que dona f. queria ver no seu acto político de extrema importãncia para a sociedade portuguesa em geral, e para a sua ideologia de lençol em particular.
Sem imagem de perfil

De Ricardo a 31.08.2010 às 18:35

"Uma transcrição ou link nem sempre são um crachá na lapela de quem os faz."

Uma transcrição ou um link sem qualquer outro comentário são sempre um cracha na lapela.  Ninguém faz nenhuma destas coisas quando discorda do conteúdo.

Fica-lhe bem o arrependimento.   Mas fica-lhe mal a falta de coragem para o assumir.  Todos erramos.
Sem imagem de perfil

De terrivel a 31.08.2010 às 19:10

"poderá depender, em última análise, de opções políticas de forças externas com cuja necessidade muitos dos que se mobilizam em manifestações por Sakineh Ashtiani não se querem confrontar"

Podera ou...nao. Grandiosa tautologia. E enorme falacia justificativa.
Sem imagem de perfil

De MC a 02.09.2010 às 02:06

Resumindo e concluindo temos aqui uma sequência de "filmes", qual deles o mais ridículo:

1º) Começou com "A Festa de Fernanda" (A Festa de Babette), que foi a tal propalada manifestação

2º)Às tanatas a dona Fernanda resolveu fazer uma lista (a ver se tirava algum proveito para o PS da dita manifestação) e então surgiu "A Lista de Fernanda" (A Lista de Schindler)

3º) Como alguns não acharam lá muita graça à brincadeira da lista, então começou "O Crepúsculo de Fernanda" (O Crepúsculo dos Deuses)

4º) Por fim, apiedados da triste sorte da dona Fernanda, duramente zurzida por essa blogsfera, é agora a vez do "O Resgate da Jornalista Fernanda" (O Resgate do Soldado Ryan)

Aguarda-se as cenas dos próximos episódios mas desconfio que vai ser algo do género "Adivinha quem vem jantar?" ou "Pato com Laranja" ou "Casa de Doidas".
Ai, que isto da blogosfera é melhor do que ir ao cinema...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 05.02.2011 às 09:02

A Dra Ana Matos Pires já foi muito incorrecta com um doente bipolar....
Não se deve misturar valores e crenças com a profissão

Comentar post