Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Dacosta é foleiro

por Carlos do Carmo Carapinha, em 03.04.07
Aneurin Bevan, galês trabalhista, suposto pai do decrépito NHS, disse um dia sobre Chamberlain, que o pior defeito que podia apontar à democracia era o facto desta ter tolerado a presença daquele por mais de quatro anos. Au contraire. A melhor qualidade da democracia é precisamente essa: a de tolerar para, provada a iniquidade, logo a seguir mudar. Sem sangue, repressão, mortes. Sim, é um facto: a democracia dá tempo de antena a Santanas que são Lopes, Valentins que são majores, a Fernandos que são Rosas e outros que dão Costas. O Dacosta, por exemplo, disse na têvê, em pleno concurso televisivo transfigurado de análise sociológica em aula de História, que a vitória de Salazar se devia, mais coisa menos coisa, à falência do actual «modelo», ao incumprimento de Abril, à miséria paroquial, ao defraudar de expectativas que esta democracia de «baixa intensidade» desencadeou. Foi, em suma, e na soma, uma votação de protesto e de revolta. O Fernando Dacosta é bom rapaz, um pouco tímido até, mas de balelas desta natureza e «amanhãs que cantam» já deveríamos estar cheios. Deveríamos mas não estamos. Nos dias que se seguiram ao show, toda a minha gente fez eco das palavras do «escritor» e «intelectual». Um forasteiro (Tony Carreira, por exemplo) que ouvisse o «intelectual» naquela noite e os opinions-makers de vão-de-escada nos dias seguintes (todos nós), poderia pensar horrores sobre o país. Só uma criança, um adolescente bexigoso ou um jovem adulto aparvalhado – nascidos já na confluência da «Europa», dos Fóruns Almada e da asséptica Amukina – poderá desdenhar da democracia. Ah! mas há defeitos! Ah! mas não se cumpriu tanta coisa! Pois é, amiguinhos: habituem-se à ideia de que a Democracia não é um fim. E habituem-se à ideia de que o papá Salazar não vai voltar para serenar ânimos, limpar-nos o rabinho com água de malva e planear as nossas cândidas existências, não vá a gente constipar-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De pequeno burguês a 03.04.2007 às 13:59

Pois é, caro CCC
Por aí se prova que só há um grupelho que sente mais saudades de Salazar que os próprios salazaristas, e esse grupelho é uma certa "esquerdinha", aquela esquerdinha que teve o seu momento de glória quando vivia na clandestinidade ou na pseudo-clandestinidade, no regaço do PCP a lutar contra a "longa noite fascista". Isso é que eram tempos, pá! Éramos todos intelectuais e não sei quê... O povão tinha-nos em boa conta, até nos pagavam os bagaços nos boeiros da Lisboa estado-novista...

Agora, para esta gentuça, isto já não tem piada nenhuma... Democracia, liberdade de expressão, parlamentarismo, multi-partidarismo, et alii, isso é coisa de caretas...

O Dacosta deve pensar muitas vezes: "as saudades que eu tenho dos tempos em que uma ditadura nos perseguia por defendermos outra ditadura!"
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.04.2007 às 23:17

Carapinha,
tu és branco ou preto?
Sem imagem de perfil

De Carlos do Carmo Carapinha a 04.04.2007 às 10:41

Pronto, tinha que ser, era inevitável: as bocas foleiras começaram a chegar.

Meu caro Anónimo: sou branco com apelido de preto. É lixado, não é?

Agora é a minha vez. Anónimo, amigo, para além de cobarde, és nazi, racista, xenófobo, simplesmente cretino ou meramente pacóvio?

Um abraço,

CCC
Sem imagem de perfil

De tábua rasa a 04.04.2007 às 15:30

Quando não consegue compreender o passado no seu contexto e nas suas limitações não pode ter a veleidade de o comparar com o presente neste contexto e com as facilidades que existem.

Comentar post