Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Licença para ser Primeiro-ministro

por Laura Abreu Cravo, em 10.04.07
No decurso de toda a polémica que tem envolvido a (alegada) —ou falta de — licenciatura de José Sócrates li e ouvi várias pessoas que declaravam que não era relevante que um primeiro ministro fosse licenciado. Naturalmente, algumas delas pretendiam apenas frisar que o ponto essencial desta polémica é, não o facto de José Sócrates ser licenciado ou não, mas sim (i) o facto de poderem ter sido concedidas condições especiais na obtenção de um diploma, com eventual recurso ao aligeiramento do plano curricular e frequência das aulas e (ii) o facto de ter, eventualmente, mentido aos país. Concordo que estes são, sem margem para discussão, os pontos essenciais, porque, com bem lembra o Henrique, aqui em baixo, estes são factos reveladores não apenas da verdade da formação académica do Primeiro Ministro mas, essencialmente, do seu carácter.
De tudo isto não pode, contudo, retirar-se a irrelevância da formação superior de um Primeiro-ministro. Sei bem que a história tem à nossa disposição um número bastante de exemplos de não literatos competentíssimos, mas também sei que na ausência do critério perfeito tem de se ter um critério que seja, ao menos, adequado. Vamos longe dos dias em que a qualidade de um chefe de governo se reconhecia pela sua destreza num campo de batalha, e para o que hoje releva, à falta de disponibilidade para os diversos sistemas que operem por tentativa/erro, o curriculum académico parece-me a forma mais eficaz para distinguir o trigo do joio. Dir-me-ão que há muitos atrasados mentais com um curso superior? Concedo. Mas, na falta de critérios infalíveis, o facto de alguém que aspira a primeiro-ministro ter uma licenciatura, diz-nos, ao menos, que esse alguém teve, ao longo do seu percurso escolar e académico, de reunir determinadas qualidades (se o sistema de ensino tiver funcionado como é suposto) e que teve, ao menos, de ler, escrever, pensar e aprender a exprimir-se e movimentar-se sob determinados requisitos mínimos de exigência.
Uma licenciatura pode não dizer muito coisa sobre a competência de alguém para ser Primeiro-ministro, mas, por alguma razão preferimos sempre um médico credenciado a deixar que o curandeiro de chás, mezinhas e búzios (ainda que seja seguido por uma multidão de paralíticos que juram ter-se levantado para caminhar pela sua mão) brinque aos médicos com os nossos filhos ou entes próximos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De nils a 10.04.2007 às 17:35

Uma treta... O que diz na primeira parte é verdade. Tudo o resto é uma treta pegada que até parece o próprio PM a falar. Eu andei na faculdade, sei bem o que se faz por lá, estimada.
E quantos são o que o são sem nunca o terem sido. Habilitações forjadas em faculdades no estrangeiro é um exemplo. Concede que há bestas às quais se puseram boas cangalhas nos estabelecimentos de ensino? Concede bem.
Não concede que uma pessoa sem formação académica dê um bom Primeiro? Concede mal e denuncia o preconceito que faz este país terra de de dr, eng., arqtos, sôr professores, sôr priores, generais, etc... Coronéis!
Lembro bem que muita gente fez questão de subtrair o título ao Manuel Alegre nas presidenciais... Contra o Senhor Professor! Demonstra que, por causa de pessoas como a Senhora, um zé botas qualquer não chega a primeiro-ministro... Ninguém votava nele! Mal...
E essa é outra falha desta história.
Sem imagem de perfil

De Nuno Abrantes a 10.04.2007 às 19:06

Pois, mas o homem tem pelo menos um bacherel em engenharia e uma pós-graduação em gestão. Espremendo bem este texto, nada mais sobra senão a má fé e o rancor da autora.
Que se investigue se o homem mentiu ou obteve benefícios nas equivalências por ser ministro e que seja demitido imediatamente se isso se verificar. Agora o texto da Laura não deixa de ser uma saloice pegada por causa disso…
Imagem de perfil

De Laura Abreu Cravo a 10.04.2007 às 19:57

Caro Nuno Abrantes, se a iliteracia aguda lhe permitir, ainda assim, ler o meu texto, perceberá que não questionei a licenciatura do primeiro ministro. O que eu disse é que achava que um primeiro ministro deve ser alguém que tenha um curso superior. Foi um juízo abstracto . Que decorreu de uma situação concreta, essa sim relativa a José Sócrates.
Sem imagem de perfil

De eufrazio filipe a 10.04.2007 às 22:30

A questão não passa pelos titulos académicos mas pelo exercício das políticas - o Aleixo disse em verso o que muita criatura gostaria dizer à porta das faculdades.
Sem imagem de perfil

De Pedro Sá a 11.04.2007 às 09:25

Isso tudo estaria muito certo se existisse uma licenciatura em governação.

Felizmente não é o caso.
Sem imagem de perfil

De Nuno Abrantes a 11.04.2007 às 11:32

Cara Laura Abreu Cravo,

A minha ileteracia aguda não é para aqui chamada, e aproveito para me retratar de ter chamado a sua saloice à baila.
Mas, mimos à parte, por favor não vire o bico ao prego. O seu texto sugere claramente que o Primeiro-ministro não tem um curso superior. Eu apenas lhe chamei a atenção para o facto de isso não ser verdade. Mesmo que o homem não seja licenciado – o que parece ser mentira – tem um bacherel em engenharia, o que, pelo menos a última vez que vi, era considerado um curso superior.
Sem imagem de perfil

De torpedo gratis a 19.10.2009 às 19:33

Envie esta noticia via SMS Gratis:
<a href="http://www.oi-torpedo.com/" title="oi torpedos gratis"><strong>oi torpedo</strong></a> | <a href="http://www.claro-torpedo.com/" title="claro torpedos gratis"><strong>claro torpedos</strong></a>

Comentar post