Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Um homem que tem problemas

por Henrique Burnay, em 07.12.06


Gosto de Rui Rio. O presidente da Câmara Municipal do Porto tem a invulgar característica na política portuguesa de não ser redondo. Tem opiniões, responde às perguntas, diz o que sabe que não é considerado correcto, responde pelo que diz pensar. Rui Rio tem arestas, é amável e criticável, está de um lado ou de outro nas discussões, mas essa é uma virtude rara, sobretudo ali para os lados do centralão laranja, onde se diz tudo e o seu oposto.
Discordando de alguma direita, não são as declarações sobre a cultura e os subsídios que me agradam. Pelo contrário. Tudo aquilo me parece vagamente demagógico e populista (os teatros vazios contra as agremiações de bairro que salvam meninos da droga é de uma honestidade intelectual duvidosa). Tal como me desagrada a conversa do “como é lindo o jornalismo que a minha câmara faz”, quando fala da revista da CMPorto e das regras sobre as “entrevistas” que lá se publicam. Mas é por ser criticável, por não estar sempre a procurar o acordo, o consenso, o meio-termo razoável, que gosto de Rio.
Em 2001, quando foi eleito pela primeira vez, o Francisco José Viegas fez-lhe uma entrevista na Grande Reportagem com o premonitório título: “Este homem vai ter problemas” – ou coisa que o valha. Lembro de então ter dito que era por isso que gostava dele. Cinco anos depois, mantenho-o. Entrevistado por Judite de Sousa, Rui Rio responde coisas com as quais se pode concordar ou discordar, mas diz coisas. E sorri com satisfação. E disso também gosto.  

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De paula a 08.12.2006 às 15:10

Perdão, disse razoável? Meio-termo razoável?
Imagem de perfil

De Henrique Burnay a 08.12.2006 às 17:05

Disse que não o procura.
Sem imagem de perfil

De Deus a 10.12.2006 às 23:35

Pois fala, o Rui fala muito. Mas também o Alberto João fala. E a Fátima Felgueiras, e o Valentim Loureiro. Todos eles falam, todos eles dizem falsidades caucionadas pelos opinion makers da nação. Mas também o cão do meu vizinho ladra muito. Será que quem fala mais ganha? Ou quem fala mais na televisão tem o melhor raciocínio?

Comentar post