Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Hoje Pinochet, amanha Fidel

por Manuel Castelo-Branco, em 10.12.06

 

Acabei de ler sobre a morte esperada de Pinochet . Li também o post  do Henrique Burnay com o qual concordo plenamente. Nada justifica o assassinato e a a tortura de pelo menos 5000 pessoas: nem a luta contra o comunismo nem tão pouco a modernização de uma economia.  

Mesmo que a ditadura de Pinochet tenha sido a substituição de outra mas de sinal diferente, mesmo que Pinochet tenha sido o único ditador, que me recordo, a fazer a transição para a democracia pela sua propria vontade ainda em vida.

Concordo que Pinochet não deixa saudades, como não deixam todas as ditaduras da América Latina, de Fidel em Cuba,  Videla na Argentina,  Ortega na Nicarágua ou Stroessner no Paraguai.

Espero que, quando dentro de algumas semanas, quando Fidel Castro finalmente vier a morrer, haja para com ele a mesma justiça negativa, que agora e bem, é feita a Pinochet.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Deus a 10.12.2006 às 23:41

Parto do principio que houve um défice informativo na origem do primeiro parágrafo. Em 11 de Setembro de 1973, a coberto do apoio da CIA, o General Pinochet liderou um golpe de estado que derrubou o governo democraticamente eleito de Salvador Allende. Ditadura de sinal contrário?
Sem imagem de perfil

De João Pedro a 11.12.2006 às 01:42

"mesmo que Pinochet tenha sido o único ditador, que me recordo, a fazer a transição para a democracia pela sua propria vontade ainda em vida."

Olhe que não: houve outros exemplos, também no continente americano. A resposta está no parágrafo de baixo. Sim, e o tipo acaba de ser reeleito. Não é o pior da lista (na minha opinião, o mais nefasto talvez fosse o Videla).
A propósito, Stroessner morreu igualmente há pouco tempo. O ano não está a ser fácil para ditadores sul-americanos.
Imagem de perfil

De Manuel Castelo-Branco a 11.12.2006 às 09:40

Resposta a Deus:
Deus: Allende foi democraticamente eleito, mas como sabes, estava a transformar o País num satélite soviético , nacionalizações, expropriações limitação da liberdade de imprensa e liberdade de expressão. Não é apenas a eleição que transforma um regime em democrático, mas a sua pratica governativa.
João Pedro:
Ainda bem que existiram mais regimes ditatoriais fazer a transição para a democracia de uma forma suave. Eu não conheço mais nenhum, mas se existiram, fico contente. É pena que essa pratica seja a excepção e não a regra.
Sem imagem de perfil

De caramelo a 11.12.2006 às 10:20

“Nada justifica o assassinato e a a tortura de pelo menos 5000 pessoas: nem a luta contra o comunismo nem tão pouco a modernização de uma economia. “
Quer o amigo dizer que nem o facto de se ser comunista justifica que se seja torturado e assassinado? Manuel, essa sua frase é, enfim, como direi…
Imagem de perfil

De Manuel Castelo-Branco a 11.12.2006 às 12:18

Meu caro, sem querer ofender, deixe me que lhe diga. O seu comentário é assim um bocadinho ........ bacoco talvez!!!
Sem imagem de perfil

De caramelo a 11.12.2006 às 12:34

Não ofende nada, Manuel ;)
Sem imagem de perfil

De libertas a 13.12.2006 às 02:22

No referendo de 05 de Outubro de 1988, 44% dos chilenos votaram pelo prolongamento do governo de Pinochet.
Nas presidenciais de 2000, Lavín, apoiante do SÍ em em 1988, membro da UDI, partido dos seguidores de Pinochet teve 49% dos votos.
O governo da Unidade Popular de Allende nunca teve mais de 36% dos votos!
Factos são factos!

Comentar post