Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Acho a coisa divertida. Faz lembrar a belíssima "conspiração da blogosfera" para levar Passos Coelho ao poder. E todos sabemos que foram os blogs e as suas enormes audiências que deram a vitória a Passos Coelho. Mas pronto.

Um blog é um media. Não é um órgão de comunicação social. Um blogger não é um jornalista. Um blogger é um ativista, publicitário, cronista, treinador de bancada. É aquilo que quiser. Como quiser. Mesmo anónimo. Mesmo comercial. Ou nada disso. Essa é a parte engraçada da coisa. Pessoalmente sempre olhei para as redes sociais como um magnífico instrumento de entretenimento. E às vezes de ativismo.

Partilhavam-se argumentos e documentos entre bloggers do mesmo partido? Ainda bem. Miguel Abrantes preferia assinar como Miguel Abrantes? Problema dele. Era remunerado pelo que fazia? Que inveja. A minha. Sócrates tinha de pagar para garantir elogios? Que azar. O dele.

Um advogado não é pago para falar em nome do seu cliente? Não pode um blogger fazer a mesma coisa? Não há dezenas de atletas, manequins e figuras públicas que advogam dezenas de diferentes marcas? Não podem os bloggers fazer a mesma coisa?

Claro que podem. Liberdade também é assinar com um pseudónimo ou escolher ganhar a vida advogando outros. Não julgo. Posso é escolher não ler.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Shiri Biri a 10.03.2017 às 11:56

Concordaria consigo na totalidade não fosse a incompleta comparação com os advogados.
O advogado quando representa um cliente todos sabemos quem é o cliente e sabemos que o advogado recebe honorários por isso.
No caso do dito Miguel Abrantes, aka António Peixoto, não se sabia que representava formalmente o cliente nem que este era o cliente que lhe pagava uma avença.

Havia jornalistas que diziam conhecer o Miguel Abrantes e até tinham almoçado com ele.

O caso do Miguel Abrantes não é uma questão de liberdade de trabalho e/ou de expressão, é um caso de polícia que envolve um gangue que apoiava outro malfeitor que foi 1º-Ministro de Portugal.

Comentar post