Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




de todas as coisas que lhe podiamos apontar...

por Rodrigo Moita de Deus, em 13.03.17

O país descobriu que teve um secretário de estado dos assuntos fiscais que percebia realmente de assuntos fiscais. Compreende-se a surpresa. Esta coisa dos políticos que não são políticos faz confusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De jmj a 13.03.2017 às 15:47

Acho que percebia mais de fuga aos impostos que de fiscalidade, dizem os 10 mil milhões de euros...
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 14.03.2017 às 11:21

Até agora ainda não existe qualquer prova de que um unico centimo dos 10 mil milhões tenha "fugido" ao pagamento dos impostos devidos.
Mas, se porventura se vier a constatar que tal aconteceu, o prazo para se detectar e corrigir qualquer eventual "fuga" corre ainda por muitos anos (por sinal, graças a uma medida do governo a que pertencia Paulo Núncio).
O que se sabe é que com o governo anterior, com Paulo Núncio nos assuntos fiscais, os contrôles foram reforçados e a execução fiscal melhorada.
Sem imagem de perfil

De Carlos Silva a 14.03.2017 às 12:23

Até agora, não existe a mínima prova que os tais milhões tenham regressado a Portugal e pagos os respectivos impostos!
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 14.03.2017 às 12:53

Os tais milhões não tinham que regressar a Portugal. De resto, uma parte significativa até dizia respeito a pagamentos de importações de mercadorias (que entraram em Portugal).
Há milhões que entram e milhões que saem - faz parte da actividade económica em economias abertas e dinâmicas.
Os milhões em questão foram declarados : cabe às autoridades fiscais verificar e identificar eventuais irregularidades.
Se porventura existirem impostos a pagar, as entidades em infracção podem ser processadas e executadas (os milhões não têm de regressar).
De qualquer modo, o historico deste tipo de transferências tem mostrado que os contrôles efectuados detetaram poucas irregularidades e que os eventuais montantes de impostos por regularizar são muito limitados.
De resto, parece até que a maior parte das declarações relativas às transferências em questão deram entrada na administração fiscal apenas em ... 2016 !...
Que se façam então os contrôles necessários e, se existirem irregularidades e forem descobertos impostos por pagar, que se faça o que deve ser feito.
Estar a lançar a confusão e a instrumentalizar politicamente uma questão como esta é desonestidade e mera demagogia !
E é nefasto para a economia portuguesa numa altura em que muitos paises procuram tomar medidas para incentivar e atrair investidores internos e externos (por exemplo, a Itália acaba de estabelecer um plafond anual de 100 mil Euros de impostos para grandes fortunas).
Sem imagem de perfil

De Pois... pois... a 13.03.2017 às 16:18

Então que dizer do Vem aí o Diabo?

Que nem é politico e nem sabe a ponta de....
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 14.03.2017 às 11:25

O "diabo" não "vem" ... já cá está !...
(apesar de um contexto externo mais favorável, há menos crescimento, mais austeridade, mais divida, maiores custos de financiamento, etc)
Sem imagem de perfil

De AMS a 14.03.2017 às 22:14

Oh Nando, ainda estás nessa? Tens que levantar a agulha para o disco continuar a tocar.
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 14.03.2017 às 23:01

Pois é ... os factos não interessam, basta a música !!
Sem imagem de perfil

De AMS a 14.03.2017 às 22:19

Ora aí está, é como o outro que percebia de venda de património nacional e foi parar ao BP, que agora virou consultor externo e tem já lugar garantido no banco que ajudou a vender.

Queres portanto dizer que este também tem futuro? Podes crer que acredito.
Sem imagem de perfil

De Fernando S a 14.03.2017 às 23:18

Tem sobretudo um passado profissional com provas dadas fora do Estado !...

Há demasiados politicos que não sabem sequer o que é e como funciona uma empresa no sector concorrencial !

Mais vale ter na politica gente que vem e volta do/para o mundo das empresas do que funcionários públicos, professores, escritores, etc...

Comentar post