Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




eu que não sou de intrigas

por Rodrigo Moita de Deus, em 13.11.17

Um polícia que não sabe defender-se tem condições para defender os outros?

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.11.2017 às 16:54

Depende. Se o outro usar um canhão e eu tiver apenas uma pistola, não há defesa possível.
Às vezes, na selva, a melhor defesa é a fuga.
Sem imagem de perfil

De RG a 14.11.2017 às 13:00

Com franqueza. Coloca o enfoque na vítima para o retirar do agressor - portanto, desculpabilizando-o - enquanto ignora olimpicamente que caso o visado se defendesse, usando dos meios de que dispõe para tal, seria muito provavelmente linchado na praça pública por "brutalidade policial".
Tal desonestidade, assim tão às claras, revela pouca sofisticação intelectual. Aos seus pares desta página (cada vez mais sumidos, diga-se, quiçá por se acharem em tão fraca companhia) aconselhar-se-ia mais cuidado no recrutamento dos escribas.
Nós sabemos o desiderato da sua agenda: sanear o Estado da sua função de segurança pública (e das outras, pois claro) e colocar um troglodita do Urban em cada esquina.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.11.2017 às 15:27

Tem razão o Rodrigo.

Só falta agora à GNR em patrulha, utilizar o velho dístico: Volto já (fui arrear o calhau!)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 15.11.2017 às 22:57

Não,não. Está enganado e já fora do ar do tempo. Um polícia deve ser hoje um cívico,um gentlemã.Não usa chanfalho e muito menos arma de fogo.O capacete é simbólico.Não agride e não precisa defender-se.De quê? De cívicos cidadãos prevaricadores? A lei lhe basta. Anota o ocorrido e informa o tribunal. Este sim é o
organismo,o único,a quem compete julgar e penalizar o cidadão prevaricador.
O polícia,o cívico, é só um mediador.
Esclarecido? Já está pensando integrar uma força(designação anacrónica)policial,
não negue.
Escusa de agradecer.

Comentar post