Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




IMG-20161206-WA0009.jpg

 Grandes anúncios: foi tudo tão rápido que o Arménio Carlos nem deu conta destes quatro meses sem bilhetes.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Ah pois é!!! a 13.12.2016 às 10:28

É cada vez mais óbvio que o último ano de mandato de Maria Luís Albuquerque à frente das Finanças nada teve que ver com o que se esperava do desempenho do cargo, foi antes uma central de mentiras, dissimulações e golpes eleitorais. Tudo começa com uma saída limpa tão limpa como o limpinho, limpinho do Jorge Jesus, depois foi o famoso pagamento ao FMI graças aos cofres cheios, a seguir o país assistiu ao golpe eleitoral do reembolso da sobretaxa, agora sabe-se que a ministra abafou a situação da CGD com a ajuda do seu secretário de Estado do Tesouro.

O comportamento da ex-ministra e agora deputada e empregada da Arrows é mais do que suficiente para questionar qual a legitimidade desta senhora para continuar como deputada. Foram mentiras a mais para que seja aceitável que esta senhora continue com uma actividade política como se nada tivesse feito.

«Entre março e setembro de 2015, o Ministério das Finanças, na época liderado por Maria Luís Albuquerque, teve pelo menos dois pareceres da Inspeção-Geral das Finanças relativos a relatórios trimestrais da Comissão de Auditoria da Caixa Geral de Depósitos de 2014, que mostravam um agravamento das imparidades do banco público, avança o “Público” esta segunda-feira.

Segundo os documentos a que o matutino teve acesso, estes pareceres só foram despachados pelo secretário de Estado das Finanças Manuel Rodrigues quinze dias antes das eleições legislativas de 2015.

Os documentos em causa não constituem “uma opinião de auditoria”, diz a informação de despacho, e chegaram ao gabinete de Manuel Rodrigues em março de 2015 – o relatório do terceiro trimestre a 12 de março e o do quarto trimestre a 20 de março. Ambos os relatórios da Comissão de Auditoria já mostravam um acréscimo das imparidades registadas pelo banco.

Esta informação vem confirmar, pelo menos em parte, algumas das queixas que o Tribunal de Contas apresentou na semana passada, em que revelou a existência de um insuficiente "controlo [da CGD] pelo Estado” entre 2013 e 2015.» [Expresso]

Comentar post