Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Olha o robot

por Augusto Moita de Deus, em 11.12.17

Escrevi um artigo de opinião no Dinheiro Vivo onde falo de robótica, de veículos sem condutor, de Elon Musk e até do Web Summit. Olhe-se para o robot da Boston Dynamics, o Atlas, no video junto, de menos de 1 minuto. Estaremos nós de facto a assistir a um salto qualitativo na relação da humanidade com a tecnologia? A partir do momento em que há um robot que consegue fazer o que o Atlas faz, é possível que nada fique como dantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De pitorrinco a 13.12.2017 às 13:40

Um robot primevo foi o vibrador. Quando arranjarem algo mais elegante e tão eficaz, vou para Vénus.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.12.2017 às 23:44

Não +e deste tipo de robots que devemos ter medo, mas sim das máquinas que produzem mais rapidamente que o homem e que aprendem com o que fazem mais rapidamente que o homem. Essas vão superar muito rapidamente as capacidades de inteligência do homem médio. Quanto mais velhas mais capazes, passarão a ser imprescindíveis na conceção e fabricação de outras máquinas, numa espiral de excelência muito acima das capacidades humanas. Uma parte disso já está hoje a acontecer.
Imagem de perfil

De Augusto Moita de Deus a 13.12.2017 às 23:50

Chama-se a isso "a singularidade tecnológica".
https://pt.wikipedia.org/wiki/Singularidade_tecnol%C3%B3gica

Mas está tudo ligado (quer em termos dos conceitos -robots vs inteligência artificial quer... literalmente- esses robots obviamente que irão estar conectados com outras máquinas).

Mas a ameaça (por exº bélica) destes robots tipo Atlas é real.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.12.2017 às 21:59

As aplicações bélicas foram a primeira coisa que me veio à mente. Elon Musk comentou que daqui a poucos anos, o movimento algo desajeitado do Atlas será tão rápido que os olhos humanos não conseguirão acompanhar. Um batalhão de coisas dessas armadas até aos dentes, perfeitamente sincronizado e interligado, imune à dor, cansaço, fome, frio, calor, e à maior parte das armas convencionais, biológicas, químicas, dotado de todo o tipo de equipamentos sensoriais, possivelmente com mais membros - será um pesadelo capaz de varrer uma cidade em horas. Os drones militares já são um pesadelo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.12.2017 às 04:25

Quando a inteligencia artificial ultrapassar a inteligência Humana, corremos o risco de sermos tratados pelas maquinas da mesma forma que nos tratamos as formigas. Se incomodarmos muito ... dum dum e não escapa um.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.12.2017 às 22:04

Pode ser que uma inteligência artificial tenha mais respeito pelas formigas e pelo ambiente do que os humanos. Mas concordo com a sua observação - se se sentir ameaçada reagirá, com métodos e estratégias que não nos passam pela cabeça.
Isto chama-se brincar com o fogo.

Comentar post