Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




um (re)post

por Rodrigo Moita de Deus, em 28.11.16
O apanhado é de Agosto. Ainda antes de uma lei à medida para aumentar as remunerações. Ainda antes da polémica do acesso às informações confidenciais. A questão das declarações de rendimentos era, no meio disto tudo, o assunto menos importante.
 
 
 
 

 Vamos lá recapitular esta coisa da Caixa Geral de Depósitos que isto está a ficar uma confusão. No final de março deste ano Mário Centeno convida um vogal do BPI para ser presidente da CGD. De vogal de um pequeno banco para presidente do maior banco. Mérito, certamente.

António Domingues começou logo a trabalhar num plano para o banco público. Curiosamente fez isso mesmo enquanto funcionário do BPI no seu gabinete no BPI. Pelo menos até ao final de Maio. Por adiantamento. Problema do BPI, diria.

Para “aceitar o convite” exige uma recapitalização da CGD. A necessidade de recapitalizar a CGD já tinha sido publicamente discutida. Os números é que são novidade. Primeiro “mais ou menos” 4 mil milhões. Afinal 5,1 mil milhões. Trocos. Dos contribuintes. Dos três mil milhões aos 5 em 4 meses. A antiga administração tinha calculado a recapitalização em 2 mil milhões. Domingues pediu mais do dobro. Cautela, provavelmente.

Primeira medida do governo para a Caixa? Aumento de vencimentos para os gestores. Exigência do próprio, adivinho eu. Mas posso estar a ser ingénuo. Pode ter sido Mário Centeno a lembrar-se disso sozinho.

Nesses dias o que soubemos do plano para “salvar” a Caixa? Cinco pontinhos. Aumento de salários para a nova administração, aumento do número de administradores, inevitável alteração do modelo de governação, despedimento de trabalhadores e injeção de uns quantos milhões. Também sabemos que a “nova” administração não quis/não pode tomar posse e que o governo teve de se humilhar e pedir à “antiga” administração, que foi demitida, para tapar o buraco.  

Pelo meio ficamos a conhecer o novo modelo de governação proposto pelo “novo” Presidente da Caixa. Pelo meio alguém se esqueceu de ver a lei. O BCE lembrou-se. Por incompetência humilham-se aqueles que se ofereceram para ajudar a Caixa sem receber nada em troca. Não há problema. O governo muda a lei. Muda-se a lei as vezes que forem necessárias. O plano não tem de se adaptar à lei. A lei é que tem de se adaptar ao plano.  

Sobre as razões para mudar a lei o secretário de estado explica: "O que o sistema bancário precisa é de um contacto grande com as empresas”. O princípio é bom e nem sequer é novo. tivemos o BES com a PT. Ou Berardo com o BCP.   

Mais importante é a comissão executiva. Dos sete elementos, 6 vieram ou passaram pelo BPI. Seis. Isto apesar de Domingues ter garantido que não trazia ninguém do board do seu banco. Mas pronto. Não é bem o board. O BPI é uma grande escola, um banco muito eficiente que dá imensos lucros aos seus acionistas.

Em Julho o BCE avisou que o plano não tinha condições. Nada muda. A coisa avança. Começam a chegar as respostas formais. Curiosamente alguém anuncia uma vitória. Depois outro alguém percebe que não foi bem assim.

É chumbado o modelo de governação. O BCE tem de lembrar a lei portuguesa e obrigado a excluir nomes. "Isto, porque se verificou que oito dos administradores não-executivos propostos "excediam" o limite estabelecido pelo Regime Geral das Instituições de Crédito e das Sociedades Financeiras para acumulação de funções "em órgãos sociais de outras sociedades". A comissão executiva passa no crivo. Mais ou menos. O BCE manda três administradores para a escola. Dois, dos três, vinham do BPI.  

Durante este período a CGD perdeu 15,5 milhões de euros por dia em depósitos. É fatual. 15,5 milhões por dia. Só Ricardo Salgado e Jorge Tomé se podem gabar de ter feito mais em menos tempo. E António Domingues ainda nem sequer tomou posse.

 

*Estão cá os links todos. Assim dá menos trabalho quando chegar a altura.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De tric.Lebanon a 28.11.2016 às 12:56

aonde para o coveiro da Banca Nacional!!??? Passos está muito caladinho...
Sem imagem de perfil

De Marcos a 28.11.2016 às 14:45

Tão bom ver argumentação de Esquerda... Fica a analogia com o futebol:

Benfiquista: "Neste último sábado o Porto empatou com o Belenenses!"
Portisita: "Ah, mas o Benfica em 1992, no dia 23 de Janeiro, também empatou!"

Argumentação de esquerda é isto: reduzir o presente à insignificância e tomar como argumento o mal do passado para justificar o mal do presente. Pede-se uma espinha dorsal e alguma dose de moral para o Sr. tric.Lebanon

Comentar post