Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Exactamente isso II

por Francisco Mendes da Silva, em 07.12.07

«Este post é um exemplo de como se tenta convencer o pessoal da utilidade política de separar a direita boçal, fascista, racista e reaccionária da direita inteligente, estruturada, coerente, informada e decente até ao último átomo. Ao que parece, esta simplicíssima e desambigua higiéne não só não está a ser tentada pela direita, como, pelo tom das conversas, foi completada há décadas pela esquerda. Já tinha a ideia que a esquerda se acha limpa de canalhas, não sabia era que lhes sobra tanto tempo e ideias para ajudar na faxina da casa ao lado. Não tenho nenhuma oposição ao projecto em geral (como haveria de ter?), e até talvez partilhe de alguns dos alvos em concreto. O que me parece ridículo é que se veja nas fórmulas utilizadas pelo Tiago Mendes um algorítmo válido para essa clarificação. Suponho que existem variadíssimos caminhos por onde a direita se pode definir como uma ideia decente de sociedade, mas duvido que atirar bolas de merda à cara dos nossos representantes na fatia da imbecilidade humana que a Criação nos destinou seja uma delas. Aliás, a avidez com que tanta esquerda bloguista (isto passa-se nos blogues, convém, de vez em quando, lembrar) se agarrarou ao caso Tiago Mendes, alguma jurando até que só tinham a ganhar com uma direita limpinha e inocentizada, só dá para desconfiar (para além de implicar uma lata sem fim: não vamos aqui inumerar os canalhas que, por exemplo, no PCP, sempre foram honrados com os maiores dos respeitos).

 

(...)»

 

(Ele mesmo outra vez)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo Neutro e Irrelevante p/o "issue" a 07.12.2007 às 12:00

E agora numa perspectiva ainda mais panorâmica:

sobre tudo isso que aconteceu, e que anda a "dar tesão" a tanta gente para escrever - e justamente por isso - não sei se hei-de tirar ilações acerca do motivo pelo qual a(s) direita(s) portuguesa(s) não anda(m) para a frente, ou se hei-de tirar ilações acerca do porquê do país inteiro não andar para a frente.

Isto não foi um problema de se ser de direita ou esquerda, acho eu. Foi mesmo um problema de ter muitos portugueses a tentar falar ao mesmo tempo. Ao mínimo sinal de discordância, numa das questões fracturantes, essa tentativa de decalcar - uma mania bem portuguesa - o discurso britânico, que os portugueses blogosféricos até costumam aguentar razoavelmente na maior parte dos casos, acaba invariavelmente por descambar em peixeiradas como essa - o resultado que se conhece dos decalcamentos portugueses, no fundo. Peixeiradas, sim, porque depois surgem também as rémoras, como esse Maradona e outros quejandos que poderia referir, mas dos quais tenho pena e nem sequer dou muita importância - embora me irritem um bocadinho - a tentarem tirar para si da "confusão" dos outros os " "dividendos intelectuais" ", muito ao estilo de um "juiz decide" de bolso que não tem nada a ver com um assunto mas não resiste em mandar o seu bitaitezinho. No fundo, como eu; mas é justamente por isso que não assino. Seja como for, também não sou relevante, nem faço parte integrante - nem perto, sequer! - deste assunto.

Queria apenas dizer, como quem comenta, que não sei para que estamos aqui todos a fingir aspirar a algum nível intelectual, quando na verdade a única coisa que os tugas gostam é de confusão.

Pode até chamar-se-lhe "sangue latino", mas se me perguntarem a opinião nesse aspecto, diria que é realmente uma pena que o 25 de Abril não tenha acabado um banho de sangue; se calhar, enquanto modo de estar de um povo, tinhamos ficado com os nossos "hang-ups" emocionais melhor resolvidos. É que andar à porrada é indubitavelmente importante para definir o carácter de uma pessoa, durante o crescimento. Mas é só durante. Na idade adulta, é só uma coisa de bêbedos de rua.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.12.2007 às 22:07

Não vale a pena estar com grandes elocubrações para distinguir.
Até eu que não sou jornalista nem prof. universitário já consigo.

Aqueles que são "amigos" do Daniel e da Câncio são os civilizados ( os bons ) os outros são os mastodontes ( os maus ).

E pronto. Continua tudo no mesmo e velho esquema!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 07.12.2007 às 22:07

Não vale a pena estar com grandes elocubrações para distinguir.
Até eu que não sou jornalista nem prof. universitário já consigo.

Aqueles que são "amigos" do Daniel e da Câncio são os civilizados ( os bons ) os outros são os mastodontes ( os maus ).

E pronto. Continua tudo no mesmo e velho esquema!
Sem imagem de perfil

De Zé a 08.12.2007 às 13:44

Coisinha mais parva.
Os gajos do 31 desentendem-se.
A culpa é do Daniel ve da Câncio...
Imagem de perfil

De blogdaping a 09.12.2007 às 03:21

Já vi cenas destas , mas na Quinta do Cabrinha !!

Comentar post