Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




regionalização

por Rui Castro, em 23.08.08

Na SIC Notícias, há bocado, um jornalista descreveu os 3 assaltos ocorridos na noite anterior na A22, no Algarve. Num dos episódios, o jornalista referiu que o assaltante era 1 e que tinha sotaque de Lisboa. A sério.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Asulado a 23.08.2008 às 11:05

E...?
Sem imagem de perfil

De al kantara a 23.08.2008 às 15:42

Também eu, há alguns anos, cometia a sobranceria de pensar que de Lisboa não existia sotaque. Mas existe, caro Rui. Existe e não é pequeno. Só que os falantes naturais de Lisboa (como eu) desenvolvem uma espécie de imunidade auditiva que os faz pensar que o que falam é português sem sotaque...
Sem imagem de perfil

De Capitão Leitão a 23.08.2008 às 16:21

siiim...?
Sem imagem de perfil

De Maia a 23.08.2008 às 17:19

Claro que há sotaque. Quando casei a primeira vez com uma beiroa vi-me aflito para pronunciar "fio", "tio", "rio", "frio" e muitas outras palavras como eles queriam que eu pronunciasse e que achavam corecta a pronúncia. Juro por minha alma que não notava diferença nenhuma mas eles notavam e riam-se muito dos meus esforços para fazer duas síladas onde eles diziam que eu faziam só uma. E há também um jargão lisboeta resultante, talvez, da grande misturada étnica e regional que por aqui vai. Mas continuo anti-regionalista (e anti-beirão primário). Pra tachos, já chega o pseudo-centralismo e o municipalismo!... Regiões? Mais desorganização, caciquismo e lugares de ordenados chorudos para os amigos lá do Partido? Não, obrigado!
Sem imagem de perfil

De Maia a 23.08.2008 às 17:19

Claro que há sotaque. Quando casei a primeira vez com uma beiroa vi-me aflito para pronunciar "fio", "tio", "rio", "frio" e muitas outras palavras como eles queriam que eu pronunciasse e que achavam correcta a pronúncia. Juro por minha alma que não notava diferença nenhuma mas eles notavam e riam-se muito dos meus esforços para fazer duas síladas onde eles diziam que eu faziam só uma. E há também um jargão lisboeta resultante, talvez, da grande misturada étnica e regional que por aqui vai. Mas continuo anti-regionalista (e anti-beirão primário). Pra tachos, já chega o pseudo-centralismo e o municipalismo!... Regiões? Mais desorganização, caciquismo e lugares de ordenados chorudos para os amigos lá do Partido? Não, obrigado!
Sem imagem de perfil

De ZARCO a 23.08.2008 às 18:43

Não sei que interesse tinha para a notícia o sotaque. A verdade é que ele existe, como já referido em comentário anterior, e é bem nítido para quem não é lisboeta. Os termos frio, rio e quejandos são mal pronunciados pelos lisboetas, por muito que lhes possa custar.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 23.08.2008 às 21:47

ha sotaque e n e pouco!! parece sempre que têm 1 espinha enfiada na garganta
Sem imagem de perfil

De beirão a 23.08.2008 às 22:17

Maia:

"Quando pela primeira vez casei com uma beiroa"
Só por curiosidade, quantas vezes casou com uma?
Veio das beiras anti-beirão e isso pesa-lhe ou já era antes?
Quanto ao sotaque é evidente que há. O mais ridículo (ouve-se todos os dias na rádio e na TV da capital, é quando dizem chete (sete) shapos (e outros sapos que quem não vive na porcalhota e quejandos tem que engolir à conta de quem se julga cosmopolita)

Comentar post