Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




vómito

por Rui Castro, em 09.10.08

Este post é abjecto. Mais que intolerância, revela a completa ignorância do autor sobre o assunto. A este propósito, e dispensando quaisquer outras considerações sobre a aleivosia do Daniel Oliveira, permito-me remeter os interessados para um texto do Valupi.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De al kantara a 09.10.2008 às 11:41

Caro Rui, inscreva-me por favor na sua listinha de abjectos e aleivosos ignorantes onde inclui o Daniel Oliveira. É que também eu sou um dos que pensam que a posição oficial da Igreja em relação ao uso do preservativo é criminosa e também sou dos que se regozijam com o facto de grande parte da comunidade católica se estar nas tintas para tais considerações papais...
Sem imagem de perfil

De Valupi a 09.10.2008 às 14:31

Exactamente, Rui. É inacreditável como se fazem aquelas afirmações ao nível de projecção pública que se confere ao Daniel Oliveira. Nem de um adolescente embriagado elas se devem aceitar sem reparo, quanto mais.
Sem imagem de perfil

De Daniel Oliveira a 09.10.2008 às 15:09

Rui Castro, também acha, portanto, que os católicos podem estar-se nas tintas para o que diz o Papa e o que diz a Biblia? É isso? É que é isso que diz o Valupi. Gostava que esclarecesse. Fiquei curioso.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.10.2008 às 15:36

Caro Daniel,

o Valupi não lhe disse isso. Vou-lhe tentar explicar, muito devagar, por que razão ele apelida de imbecil o seu raciocínio:

1. A Igreja Católica fala para os seus crentes, aos quais é imposto como mandamento a castidade.
2- Excluem-se do quadro de referência legítima as relações pré-matrimoniais e as relações adulterinas.
3- A Igreja, quando fala de sexualidade, fá-lo no contexto de um matrimónio, estável, dominado pelo cuidado pelo outro e pelo respeito, no seio do qual a probabilidade de transmissão de uma doença sexualmente transmissível é muito pequena.
4- Não faz sentido, a partir daqui, o Papa vir falar no preservativo. Era o mesmo que um pai virar-se para o filho a dizer "estás proibido de sair de casa, mas se o fizeres, sai com guarda-chuva para não te molhares".
5- O pecado não reside no preservativo em si mesmo, que é um objecto, mas no mau uso da liberdade sexual de cada um.
6- Em última análise, o que o Papa recomenda é a abstinência e olhe que esse método é muito mais seguro que o preservativo para acabar com a SIDA.
7 - Quem não seguir a encíclipa papal sobre a matéria não é enxovalhado, escorraçado, etc. Porque, no seio da fé católica, há sempre perdão e sempre redenção.
8- Os casos particulares são tratados com misericórdia por qualquer padre.
9- Mas isso não pode levar a que se abdique do princípio, até porque há matérias sobre as quais a Igreja é apenas fiel depositária dos ensinamentos de Cristo.
10.Posto isto, como é óbvio, o seu texto é inqualificável. Mas já há muito, muito tempo atrás, Alguém disse: "Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que dizem". Fazendo minhas a palavras suplicantes do Meu Deus feito homem, peço-Lhe que o desculpe por tamanha ignorância.

Fique bem e não hesite em reconhecer o erro. É próprio dos homens errar.
Sem imagem de perfil

De Valupi a 09.10.2008 às 15:50

Daniel, foste tu que sugeriste a expressão "estar-se nas tintas para o Papa", a qual aproveitei retoricamente no contexto, e a qual explicitei.

Qualquer cristão (e qualquer budista, por exemplo) não sobrepõe à sua consciência a palavra de outrem, seja ele qual for, e seja lá qual for a palavra. Isso não equivale à anulação dessas mesmas palavras, mas ilumina o primado da consciência. É esse o sentido da passagem evangélica onde Jesus pergunta para quem é o sábdo, posto que se estava perante uma palavra/lei que era causa de morte e perdição. O mesmo para a Parábola dos Talentos, entre tantos outros exemplos.

Continuares nesse nível de discussão, e não teres sido capaz de discutir o assunto comigo, é patético.
Sem imagem de perfil

De Paulo a 09.10.2008 às 18:24

Pois lamento Sr. Rui Castro, mas o post não é abjecto. Talvez algo exagerado é certo, mas não deixa de ter alguma razão...
Em pleno séc. XXI, apregoar a castidade e considerar pecaminoso o uso do preservativo . Será essa a doutrina que vai tentar passar aos seus filhos?... Boa sorte camarada.

Comentar post