Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estou apaixonada por um assassino

por Sofia Bragança Buchholz, em 14.11.08

Colin Farrell no filme "Em Bruges"

 

Todas as sextas-feiras, vou ao cinema. Como podem imaginar, sucedem-se meses de consumo de absoluta porcaria, pois não é assim tão fértil a produção cinéfila de qualidade. Contudo, nas últimas quatro semanas, surpreendentemente, a tendência inverteu-se: saíram-me quatro bons filmes na rifa. O primeiro “Destruir depois de ler”, com uma belíssima interpretação de Brad Pitt, a fazer lembrar um “Fargo” – filme que me agradou bem mais do que o afamado “Este país não é para velhos”. Depois, “Paris” do qual já aqui falei, seguido de “A Turma” também aqui referido pelo Henrique. Por fim, foi a vez de “Em Bruges”, de Martin McDonagh, com um Colin Farrell num papel que o próprio McDonagh caracterizou como sendo “de algum modo, mais sexy e perigoso do que tudo o que Colin fez antes".

Ray (Colin Farrell) e Ken (Brendan Gleeson) são dois assassinos enviados de férias para Bruges pelo seu chefe, Harry (Ralph Fiennes), na sequência de um trabalho que correu mal e em que Ray, por engano, mata um rapazinho. Tendo em vista escaparem à atenção das autoridades, estes dois personagens, habituados à adrenalina e à acção, deambulam por uma Bruges medieval, repleta de história, de cultura, de recantos e pormenores. A nostalgia do cenário mistura-se, então, com os protagonistas do filme. Os contrastes são a ironia e o encanto do filme: a paz da paisagem contrasta com a violência das personagens; a crueldade destas, com a sua sensibilidade; a sua malvadez com a sua ética. O tempo parece desacelerar e conceder-lhes minutos infinitos para a introspecção, fazendo que, de dentro destes “vilões”, vão surgindo características, à primeira vista, inimagináveis para o espectador: a sensibilidade de Ken, a dor de Ray, a honra de Harry…
E depois a soberba interpretação de todos e de Colin Farrell em particular, capaz de fazer qualquer coração feminino apaixonar-se por aquele assassino entediado com a pacatez da cidade Belga, indignado, quando o seu companheiro o tenta entusiasmar com a sua beleza, a fazer lembrar-me a minha própria pessoa quando alguém gaba as qualidades e vantagens do país de Angela Merkel – “vive-se melhor, ganha-se mais, é tão bonito…” – e eu, com a mesma expressão – e voz esganiçada – de horror de Farrell no filme, respondo: “O quê???? Viver na [porra] d`Alemanha? Nem morta, pá!

 

Nota: o filme está integralmente no YouTube dividido em 13 partes. A primeira, pode ser vista aqui.

 

Adenda: Está no Youtube em 12 partes (não 13) e entre a 11ª e 12ª falta o final. Não consegui encontrá-lo integralmente como o original (apenas musicado) e está aqui. E incompleto aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Paulo Alves a 14.11.2008 às 23:15

Melhor ainda que o filme dos irmãos Cohen e talvez seja a grande comédia negra de 2008. Quase demasiadamente perfeito que aflige. Das interpretações de Colin Ferrell , Brendan Gleeson e Ralph Fiennes à música, passando pela realização, tudo funciona neste filme. E tudo nele se cruza com velocidade mas também uma estranha naturalidade...até há anões que tomam tranquilizantes para cavalos. É um filme que apetece rever (o que para mim é mesmo muito). Subscrevo por isso este post da Sofia.
Imagem de perfil

De Sofia Bragança Buchholz a 15.11.2008 às 20:38

Já somos dois, então, a quem rever o filme apetece :-)
Sem imagem de perfil

De Minerva McGonagall a 15.11.2008 às 13:07

Desulpem lá, mas acho o destruir depois de ler muito superior. Não entendo esta pancada com o Bruges. Não achei mesmo nada de especial, em certas partes chega a ser um tédio.
Imagem de perfil

De Sofia Bragança Buchholz a 15.11.2008 às 20:43

São os dois bons filmes.
Quanto às preferências, são muito subjectivas e dependem apenas de cada um...
Sem imagem de perfil

De Paulo Alves a 17.11.2008 às 00:23

Não tem de se preocupar. Por acaso conheço outro caso que acha esta minha (nossa , Sofia!) preferência uma pancada. C ést la vie , acho.
Sem imagem de perfil

De JPG a 15.11.2008 às 17:57

Enquanto esperava o carregamento de uma gravação, entretive-me a sequenciar 12 partes do filme numa playlist.
Não encontro a última parte (13/13), mas parece-me que são 12 no total e não 13.

Ver nos endereços

http://www.youtube.com/watch?v=0ilO75OmtUo&feature=PlayList&p=7384F8BE2965F7AF&index=0&playnext=1

http://www.youtube.com/watch?v=0ilO75OmtUo

http://www.youtube.com/view_play_list?p=7384F8BE2965F7AF
Imagem de perfil

De Sofia Bragança Buchholz a 15.11.2008 às 20:36

Tem razão, JPG . E entre a 11ª e a 12ª parte falta o final. Veja os links na adenda do post .

Comentar post