Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Mão de obra nacional

por Vasco Campilho, em 17.03.09

Reservar o investimento público à mão-de-obra nacional é um absurdo. Já vários bloggers o afirmaram, e com razão. Simplesmente, não acredito que Manuela Ferreira Leite tenha proposto isso. Não por uma questão de fé, mas por uma questão de boa-fé.

 

Olhando para as declarações que a líder do PSD proferiu ontem à saída de São Bento, vemos que ela fala de privilegiar "investimento público de proximidade", cujas vantagens enumera: "não tem componentes importadas (...) não tem encargos para orçamentos futuros e (...) utiliza mão de obra nacional". Neste contexto, a expressão mão de obra nacional só pode compreender-se como mão de obra residente em Portugal, e não estritamente como mão de obra de nacionalidade portuguesa.

 

Aquilo de que Ferreira Leite fala é de escolher um tipo de investimento a priori mais direccionado para a oferta empresarial portuguesa, que recorra pouco a importações - o que está a um universo de distância da discriminação dos imigrantes residentes em Portugal, e mesmo da discriminação de empresas estrangeiras. Por mais que se discorde da sua política económica, é pouco sério acusá-la de xenofobia neste contexto.

 

Até porque o próprio Governo, ao apregoar as vantagens do investimento público, nunca se esquece de colocar a criação de emprego no topo da lista. Ora eu ainda não vi nenhum socialista explicar aos portugueses que o PS nos está a endividar para criar empregos fora de portas. Duvido que se saísse muito bem.

uma última nota só para lembrar um pouco de história

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

o que foi feito em Barcelos é uma experiência verdadeiramente inovadora. Nem no Estado Novo se foi tão longe. 

desculpem lá qualquer coisinha

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

A senhora da DREN disse o que disse às oito e meia da manhã. Já são nove e meia da noite. A senhora continua em funções. É um pouco disparatado acreditar que alguma coisa pode acontecer. A senhora que sancionou e justificou a violação da constituição, da declaração universal dos direitos do homem e das leis gerais da república só é responsável pela educação de uns milhares de jovens portugueses. Quem sou eu para estragar o roteiro para a inclusão de alguém.    

replicar um modelo de sucesso

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

Se esta experiência de “discriminação positiva” em Barcelos é uma grande ideia julgo que é tempo de discutir a sua aplicação ao resto do território nacional. Na Amadora, por exemplo, devíamos por as criancinhas brancas em contentores.

ou vais para o contentor ou não vais para a escola

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

Ainda o acordo dos pais. Vamos à definição de acordo. Quer a senhora directora da DREN começar por explicar que outras opções foram dadas?

calma. eles até gostam.

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

É tempo da DREN insistir que a experiência de “discriminação positiva” foi realizada “com o acordo dos pais” ciganos. A noção de “acordo” lembra-me qualquer coisa do género “eles não se importam” ou mesmo “eles estão habituados”. Sim. O contentor, em relação à tenda onde o cigano vive, até é uma evolução. Para o que é bacalhau basta.

 

E aquele dinheiro para o estudo de João Pedroso? Não dava para pagar uma sala de aulas em condições para os ciganos?

O dicionário ilustrado da DREN

por Carlos Nunes Lopes, em 17.03.09

 

querido líder O Inimigo
A escola O currículo escolar
O Padre (Presidente de Câmara)  Os Professores

 

Investigação: Contratos com João Pedroso motivam buscas ao ministério de Lurdes Rodrigues. Suspeita de abuso de poder na Educação.

Faz sentido.

São 17.30

por Afonso Azevedo Neves, em 17.03.09

A tal Margarida Moreira ainda está em funções?

Maria de Lurdes Rodrigues é independente. Margarida Moreira é dirigente do PS no Porto. E o PS, como sabemos, defende os seus, ainda que deixe cair os independentes.

O aparelho do Estado é uma extensão do Partido.

Sempre assim foi.

E Margarida Moreira sabe-o bem.

perguntar não ofende

por Carlos Nunes Lopes, em 17.03.09

A polícia também costuma visitar os sindicatos que Sócrates diz serem bem comportados ou esses "enganos" só acontecem nos sindicatos mal comportados?

Ninguém a demite...

por Nuno Gouveia, em 17.03.09

Conforme o Rodrigo já disse, é inacreditável que Margarida Moreira continue em funções, depois das suas declarações selvagens. Estes “boys” e “girls” socialistas podem fazer tudo o que lhes apetece, pois têm as costas largas e a protecção do querido líder.


Confesso que não me admiro por Margarida Moreira permanecer em funções. Ela já por diversas vezes comprovou ser uma das maiores incompetentes da nossa Administração Pública, e nem por isso foi afastada. Nos tempos actuais, a lealdade ao chefe é mais valorizada que a honestidade intelectual e a competência profissional. Por isso, enquanto mostrar sinais de obediência e fidelidade, Margarida Moreira continuará directora do DREN. Infelizmente.

Angola compra espaço publicitário na RTP

por Nuno Gouveia, em 17.03.09

Talvez inspirados pelas compras milionárias de publicidade de Obama durante a campanha presidencial, os interesses angolanos em Portugal, certamente coadjuvados pela máquina estatal, compraram mais de duras horas de publicidade no canal público.

 

Ontem o programa “Prós & Contras” foi um horrível espaço publicitário em favor de Angola e da pujança da sua economia. Desavergonhadamente, não convidaram vozes que pudessem colocar em causa o “interesse nacional” e a “democracia” da família de José Eduardo dos Santos. Ninguém questionou os responsáveis angolanos pela fortuna alcançada pelos seus líderes. A corrupção que existe no país é apenas um apêndice e a falta de respeito pelos direitos humanos não interessa para nada. O que importa são os milhões que jorram do poço angolano.

 

Mais uma vez este programa não fomentou a discussão, promovendo apenas um ponto de vista sobre um determinado tema. Já tem sido assim demasiadas vezes. Mas ontem nem se preocuparam em convidar os defensores dos “Contras”. Espero que a RTP comece a pensar em mudar o nome do programa. Eu até já tenho uma sugestão: “As escolhas do Prof. A. S. Silva”.

Léxico familiar

por Bernardo Pires de Lima, em 17.03.09

O novo blog do Pedro Adão e Silva.

outros exemplos de discriminação positiva

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

Quem sou eu para dar ideias ou levantar problemas mas há ciganos que parecem brancos. E por isso o Estado pode, por vezes, não perceber logo quem é que "precisa de discriminação positiva". Todos aqueles que precisam de "discriminação positiva" deviam estar identificados por forma a que os serviços do Estado possam actuar imediatamente. A senhora directora da DREN falou às oito da manhã. São agora uma e meia da tarde e continua em funções.

Se...

por Bernardo Pires de Lima, em 17.03.09

Nesta tormenta, o meu eurocepticismo desapareceu. Os grandes defeitos da construção europeia (mormente a sua constante propensão antidemocrática) permanecem, mas as suas grandes qualidades tornaram-se muito mais evidentes. Se não existisse o mercado interno; se pessoas, bens, serviços e capitais não pudessem movimentar-se entre os países sem fronteiras nem alfândegas; se a moeda única não fosse partilhada por 16 países-membros; se, em suma, a União não tivesse sido inventada e cada país tivesse de confrontar esta crise sozinho estariam todos hoje em muito piores lençóis. Por isso é preciso contrariar qualquer Governo europeu que tente medidas proteccionistas ou pretenda diminuir a independência do Banco Central Europeu. Sob protesto demagógico de alguns políticos - em tempo de vacas magras, curteza de vistas armada em patriotismo dá pontos em sondagens - outros políticos, o Banco Central e sobretudo a Comissão Europeia batem-se para salvar a União. Para que não se comece a desfazer a teia de paz, decência e prosperidade urdida desde o fim da II Guerra Mundial e os europeus não retomem o hábito milenar de se arruinarem e matarem uns aos outros. O populismo grassa e todo o cuidado é pouco.

 

José Cutileiro, O Grande.

não faz mal. são ciganos.

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

Em todo este caso da escola de Barcelos, não sei o que mais me envergonha. A ideia do director de uma escola publica, a cumplicidade de vinte ou trinta professores, o silêncio de centenas de paizinhos, o consentimento do próprio Estado ou a falta de reacção do país. Vamos desistindo aos poucos.

perguntar não ofende

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

e não podiam ir as criancinhas brancas para o contentor?

o "positivo" da coisa é que me baralha

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

Talvez a senhora da DREN consiga explicar uma coisa que eu não percebo muito bem. Estamos a discriminar positivamente as crianças ciganas que estão à parte ou os alunos brancos da escola? 

outros exemplos de discriminação positiva

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

É óbvio que o Estado português tem de atender às "especificidades e necessidades culturais" de cada uma das raças.

outros exemplos de discriminação positiva

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

A Senhora Directora Regional de Educação do Norte, conseguiu explicar que manter crianças ciganas separadas em contentores é uma forma de discriminação positiva. Hoje, como noutros tempos, é preciso previnir o bem estar das minorias evitando que se sintam intimidadas com a presença das maiorias. Isto foi hoje, às oito da manhã. É meio dia e a senhora continua em funções.  

Eles São a Ressurreição (vinte anos depois)

por Francisco Mendes da Silva, em 17.03.09

 

Madchester's finest The Stone Roses are re-forming for a summer tour.

Momentos de nostalgia

por Sofia Bragança Buchholz, em 17.03.09

Lucilectric - Mädchen

 

Em 1993, esta era uma das músicas que mais passavam na VIVA e cujo refrão (Weil ich'n Mädchen bin = Porque eu sou uma rapariga) mais se ouvia cantado em uníssono nas pistas de dança das discotecas aqui, na Alemanha.
Também eu, nessa altura, era ainda uma jovem rapariga. Bons tempos, esses!

 

Tags:

Energia Política

por Bernardo Pires de Lima, em 17.03.09

Entramos na terceira semana de Março com o encerramento da cimeira dos países produtores de petróleo e sairemos dela com o Conselho Europeu que tradicionalmente, por alturas da Primavera, se dedica às questões económicas. O que esta semana nos diz é que entre o mundo dos petroestados (OPEP) e o da dependência energética (UE) está grande parte do tabuleiro onde se joga actualmente a política internacional.

 

No ABC do PPM

contribuintes de todo o mundo, uni-vos

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

Uma empresa chinesa de capitais públicos, o estado português e o estado da Saxônia preparam-se para assumir o controlo da Qimonda.Apesar de todo o dinheiro dos contribuintes a solução não é, tecnicamente, uma nacionalização. É mais uma multinacionalização.

coisinhas boas

por 31, em 17.03.09

a propósito do novo outdoor de Avelino Ferreira torres

O ridículo de Sócrates

por Nuno Gouveia, em 17.03.09

O Primeiro-ministro defendeu ontem a "necessidade de um sindicalismo livre de tutelas partidárias para o melhor desenvolvimento do país". Ora, parece-me que esta frase é acertada e concordo com ela.


Mas… não é que foi proferida no 5º congresso da Tendência Sindical Socialista da UGT, onde felicitou o militante socialista João Proença pela sua reeleição como Secretário-geral da UGT.

 

Se fosse honesto (coisa que ele não é) não deveria ter defendido a necessidade de um sindicalismo livre de tutelas partidárias (menos do PS)?

Quem? Rui Pereira? Jamais (com pronúncia)

por Rodrigo Moita de Deus, em 17.03.09

No Escola de lavores continua a polémica. Falta dizer que Rui Pereira, o ministro, desmentiu a versão da jornalista no próprio Escola de lavores. Fez bem que estas coisas são para esclarecer logo antes que se tornem num caso. O que mais me surpreende em todo este episódio é a imaginação necessária para inventar uma coisa destas. Só alguém muito mal intencionado podia, sequer, pensar que este episódio aconteceu mesmo. 

O exemplo de Rania

por Francisco Proença de Carvalho, em 17.03.09

Rania é de facto uma mulher bonita…E é sempre um prazer apreciar a beleza de uma mulher. No entanto, Rania é mais do que isso. É um exemplo que devemos louvar! É um contraponto à profunda humilhação e desprezo em que vivem milhões de mulheres, ao abrigo de uma evidente visão deturpada de uma religião e cultura. Ninguém se pode conformar com isso...

 
Quantas mais Ranias haverá por detrás de Burkas?

Happy St. Paddy's Day

por DBH, em 17.03.09

 




subscrever feeds