Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A demissão do Primeiro-ministro

por Vasco Campilho, em 04.04.09

Em Outubro de 2008, o Estado belga anunciou que  o BNP Paribas ia retomar o Banco Fortis, que havia sido nacionalizado em conjunto pelas autoridades belgas, luxemburguesas e neerlandesas em Setembro. Na sequência de queixas de accionistas minoritários, os tribunais travaram essa decisão em Dezembro de 2008, no que foi considerado como um duro revés para o governo.

 

Poucos dias depois da decisão judicial, o Primeiro-ministro belga, Yves Leterme, apresentava a demissão do Governo, na sequência de alegações de pressão sobre a justiça no âmbito do caso Fortis. A causa próxima da demissão foi uma carta enviada pelo Presidente da Cour de Cassation (tribunal superior) ao Presidente da Câmara dos Deputados, em que este denunciava pressões governamentais sobre a justiça, admitindo embora que não havia ainda prova jurídica dessas mesmas pressões. Em causa estavam contactos do gabinete do Primeiro-ministro com um membro do Ministério Público e com o marido de uma juíza envolvida no processo.

 

No comunicado da sua demissão, o Primeiro-ministro reafirmou a sua inocência e a sua convicção de ter agido em nome do bem comum. Reconheceu todavia que a divulgação das alegações de pressão tornava impossível a continuação da actividade governamental.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Nuno Santos a 04.04.2009 às 07:30

Sobre as pressões sobre a Justiça, leiam esta contradição de Fernanda Câncio
http://aoutravarinhamagica.blogspot.com/2009/04/ecografia-de-fernanda-cancio.html
Sem imagem de perfil

De Tiu Ken a 04.04.2009 às 08:13

Antes de mais os meus parabens pelo seu blog!

Off-topic:

Gostaria de o convidar a participar no maior concurso de sempre da blogosfera portuguesa!

Ganhe 4.000,00 Euros escrevendo um post no seu blog sobre a novidade do momento, a iuKen!

http://iuken.com/blog
Sem imagem de perfil

De Alexandre Kulcinskaia a 04.04.2009 às 08:40

Moral da história:
Isto aconteceu na Bélgica, em Portugal não acontece porque José Sócrates não é honesto nem consigo mesmo e continua a acreditar que Portugal há-de ser seu, todo seu e de mais ninguém.
____________________________
http://kulcinskaia.blogs.sapo.pt/
Sem imagem de perfil

De AnaUltraMontana a 04.04.2009 às 09:21

Isso aconteceu algures, noutra galáxia.
Sem imagem de perfil

De mfm a 04.04.2009 às 10:34

O ego é possessivo e voraz , há quem aprenda a agarrar até mesmo obsessivamente ,mas o ego impede de saber largar .
Sem imagem de perfil

De mfm a 04.04.2009 às 10:39

(cont.) É o que acontece com quem governa este país . Portanto será muito difícil que sigam o exemplo Belga .
Sem imagem de perfil

De artur mendes a 04.04.2009 às 12:05

Afinal , o caldinho estava a ser cozinhado numa "PANELINHA ...DE... PRESSÃO"...
Sem imagem de perfil

De João a 04.04.2009 às 12:10

Pode não valer de nada... e infelizmente não valerá de nada... Mas pelo menos há que tentar juntar o numero máximo de pessoas através de petições ou seja o que for...para demonstrar o nojo que sentimos pela actual situação!!!!!!

http://www.petitiononline.com/Freeport/petition.html
Sem imagem de perfil

De javali a 04.04.2009 às 12:13

O PM devia ter-se demitido quando apareceram as fotografias dos seus projectos na Guarda e arredores. Quem faz aqueles abortos imundos, não pode governar.
Sem imagem de perfil

De JOrge a 04.04.2009 às 13:19

Mas isso não aconteceu para lá o Estreito de Guadiana?
Sem imagem de perfil

De AP a 04.04.2009 às 14:35

O nosso Socas é agarrado ao poder...nunca se demitiria por alegadas pressões! Esta situação da Bélgica está a acontecer em Portugal, segundo o que se diz, mas demissões, nem vê-las...

Comentar post


Pág. 1/2