Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A demissão do Primeiro-ministro

por Vasco Campilho, em 04.04.09

Em Outubro de 2008, o Estado belga anunciou que  o BNP Paribas ia retomar o Banco Fortis, que havia sido nacionalizado em conjunto pelas autoridades belgas, luxemburguesas e neerlandesas em Setembro. Na sequência de queixas de accionistas minoritários, os tribunais travaram essa decisão em Dezembro de 2008, no que foi considerado como um duro revés para o governo.

 

Poucos dias depois da decisão judicial, o Primeiro-ministro belga, Yves Leterme, apresentava a demissão do Governo, na sequência de alegações de pressão sobre a justiça no âmbito do caso Fortis. A causa próxima da demissão foi uma carta enviada pelo Presidente da Cour de Cassation (tribunal superior) ao Presidente da Câmara dos Deputados, em que este denunciava pressões governamentais sobre a justiça, admitindo embora que não havia ainda prova jurídica dessas mesmas pressões. Em causa estavam contactos do gabinete do Primeiro-ministro com um membro do Ministério Público e com o marido de uma juíza envolvida no processo.

 

No comunicado da sua demissão, o Primeiro-ministro reafirmou a sua inocência e a sua convicção de ter agido em nome do bem comum. Reconheceu todavia que a divulgação das alegações de pressão tornava impossível a continuação da actividade governamental.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 04.04.2009 às 14:52

Sempre é verdade? O processo do freeport não é sobre corrupção. É uma trama para demitir o PM e por isso é que se arrastou estes anos todos.

Assim como todos os outros supostos processos.
Sem imagem de perfil

De Miguel Barroso a 04.04.2009 às 15:29

Obviamente não pode existir ética quando tudo isto se passa.
Recordo que os dois principais partidos andam faz nove(!!!)meses a medir falicamente poderes para ditar uma figura que simboliza o contra-poder, o provedor de justiça. Agora lá parece que se arranjou marcação para uma cesariana.
Temos uma Procuradoria que é posta em causa de forma grave por alguém que não tem confiança em quem desempenha o cargo e que prefere ir directamente ao Presidente da República. Ora isto é gravíssimo.
O nosso PM já há muito se devia ter demitido por inúmeras razões já fastidiosamente enumeradas, mas anda entretido pornograficamente a processar jornalistas e em campanha eleitoral.
O que continua a interessar é deter os escassos cargos de real poder deste pequeno país sem olhar a meios atropelando a verdade, sem pudor, honra ou vergonha.
Estamos entregues a protitutas histéricas novas ricas aspirantes a condessas...
Sem imagem de perfil

De Luis Melo a 04.04.2009 às 17:59

Sócrates prometeu e cumpriu
É verdade, para espanto de muitos... Sócrates tinha ameaçado com processos os jornalistas que escreveram sobre o Freeport, e cumpriu. Depois das pressões ao MP aqui está a pressão à imprensa.

João Miguel Tavares, colunista do Diário de Notícias, foi processado pelo primeiro-ministro por ter escrito: "Ver José Sócrates apelar à moral na política é tão convincente quanto a defesa da monogamia por parte de Cicciolina".

João Miguel Tavares respondeu com nível: "Agradeço a atenção que o senhor primeiro-ministro me dedicou de que não me acho merecedor".
Sem imagem de perfil

De Manolo Heredia a 05.04.2009 às 22:06

Portugal não é a Bélgica. Por cá não há nenhum político capaz para substituir Sócrates, no trabalho que tem vindo a desenvolver a mando do "Investidores Estrangeiros de Referência". Mesmo que ele quisesse não o deixavam sair.
Sócrates é uma versão melhorada de Santana, se houvesse vontade de correr com o primeiro podiam sempre fazer o que fizeram com o segundo. A santa-aliança EUA-UK não deixam! è só fumaça...
Sem imagem de perfil

De Servo da Gleba a 15.04.2009 às 03:28

Há pouco mais de um século, a Bélgica era apontada pelos nossos tribunos como o exemplo a seguir. Não que esses tempos fossem bons, mas seria bom que a pestilenta cáfila governativa, Senhor Primeiro-Ministro à cabeça, seguida do "senhor-pressões-eu-não-pressiono-ninguém-o-senhor-governador-ajudou", seguindo o bom exemplo belga e na esteira das câmaras monárquicas, se demitem-se. Por favor. A bem da Nação (e enquanto ainda a há!).

Comentar post


Pág. 2/2