Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




César das Neves, esse extremista

por Tiago Geraldo, em 04.02.07

Entrei para este referendo como Alvy Singer «Right, I'm a bigot, I know, but for the left». Bom, mais ou menos como Alvy Singer. Porém, digo-vos que neste momento paira sobre o meu voto uma inarredável nuvem de dúvidas - nem por acaso - existenciais. Começo a duvidar de tudo à medida que digo para mim o belo poema de Jorge Sousa Braga. É verdade meus amigos, começo a periclitar perante a solidez dos argumentos do Não e, sobretudo, perante a impressividade das ecografias devidamente ilustradas («o que estamos a ver agora são os olhos da criança») que o CDS no seu tempo de antena e o Blogue do Não (quase) diariamente nos fazem chegar a casa.

Mais, acho louvável a tolerância demonstrada e o distanciamento dos «moderados» do Não do extremismo militante de um escroque radical chamado César das Neves. A lei de 84 é efectivamente uma lei equilibrada e ponderada que devemos aceitar. 

Por isso, e na linha da comovedora defesa da Vida protagonizada pelo Não neste referendo, peço encarecidamente aos caminhantes/passantes/festivaleiros/peregrinos/defensores da Vida que me mostrem uma ecografia de um feto gerado a partir de uma violação ou de um feto com Trissomia 21 e me provem que ali não há Vida nem uma Criança nem um coração-que-bate nem um ser humano único e irrepetível. Afinal, e contra as minhas melhores previsões, parece que é o começo da vida que está em debate neste referendo.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De David Ramos Martins a 05.02.2007 às 06:46

Caro Tiago,

A lei de 84 identifica o aborto como crime. Os casos especiais também o são, o que o legislador entendeu é que nesses (4) casos, o crime, não deveria estar associado a uma pena, por motivos obvios. A vida é vida em qualquer circusnstancia e tem o mesmo valor. Já o motivo do crime não é todo igual.

Comentar post