Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Aviso

por Paulo Pinto Mascarenhas, em 06.02.07

TV Bloco

Não critiquem os Gato Fedorento porque eles estão acima da crítica. De qualquer crítica que não seja escrita por eles, é claro. Não podem ser criticados porque esganiçam logo aqui d' el rei que estou a ser censurado. É engraçado como um grupo de humoristas tão geniais que criticam tão mordazmente tanta gente - e tão bem, reconheça-se - expondo muita gente ao ridículo mais atroz - estão no seu papel, acrescente-se - se dão a este triste papel de falarem em censura ou tentativa de censura apenas porque alguém se lembra de os criticar.

Aquele choramingar de que um deles enviou um sms a Herman José a dizer que só agora compreendiam o que ele tinha passado, essa então, é para guardar na gaveta das piadas desperdiçadas. Lembre-se que o programa de Herman José foi retirado do ar na RTP por um motivo completamente estapafúrdio (e, para mim, não há nenhum motivo aceitável para se censurar seja o que for). Porque estava a fazer uma série de retratos cómicos de figuras históricas, entre as quais se contava a rainha "Santa" Isabel. Os Gato Fedorento foram criticados por mim e por algumas outras poucas minorias de telespectadores que ajudaram a que a audiência deles atingisse o milhão de espectadores no último domingo. E foram criticados porquê? Porque em plena campanha eleitoral quiseram ridicularizar os argumentos de um dos lados em confronto no referendo ao aborto.

Não foi só o Prof. Marcelo que foi brindado com a caricatura dos Gato, foram todos aqueles que entendem que o "Não" é a verdadeira despenalização e que o Sim representa o aborto livre até às 10 semanas, condenando todas as mulheres que o façam nem que seja um dia depois. Claro que esta é a minha opinião, falível, como outra qualquer. Mas é apenas uma crítica, nunca apelando ou sugerindo qualquer tipo de censura. Bem pelo contrário. 

Recentremos a questão, como diriam os senhores do Prós&Contras de ontem. Não sei o que outros disseram sobre a caricatura de Salazar - alguma desonestidade intelectual de Ricardo Araújo Pereira na confusão entre o que é inconfundível - ou mesmo sobre o episódio da TV Bloco. Eu limitei-me a escrever que achava genial a caricatura que tinham feito de Marcelo e que esperava agora pela caricatura do vídeo de resposta de Louçã, o que teria certamente também imensa graça e demonstraria pluralismo democrático - ou seja, que os Gato não estavam a tomar partido por nenhum dos lados neste próximo referendo. Fui desde logo mimoseado com os mais diversos ataques, certamente de fãs maioritários de RAP.

A verdade é que os Gato estão ainda hoje e todos os dias a fazer campanha por uma das partes. Essa campanha serve aliás de orgulhosa bandeira no principal blogue do Sim e está entre outros vídeos de campanha do sítio do Bloco de Esquerda. Os outros vídeos são partidários, mas não têm obviamente um décimo da graça ou do efeito pretendido. Os Gato podem fazer-se de vítimas de uma censura que ninguém lhes quer fazer - talvez seja mais um modo esperto de subirem nas audiências ou de promoverem o Sim no próximo referendo. Mas a esperteza é saloia e até ligeiramente salazarenta.


PS. Claro que Ricardo Araújo Pereira pode dizer que não me conhece de lado nenhum, como disse ao 24Horas. Pode, mas estará a faltar à verdade se o repetir em relação ao Rodrigo Moita de Deus, bastando ler os comentários de Zé Diogo Quintela a este poste para o saber.

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Imagem de perfil

De Tiago Geraldo a 06.02.2007 às 18:05

No programa de Domingo acusaram excessivamente o toque, mas não me parece que sobre eles tenham recaído apenas «críticas».
O problema é esse mimo chamado «desafio aos Gato Fedorento» de parodiarem o Louçã. Nunca percebi nem percebo a lógica desse «desafio» (e se a perceber acho que não vou gostar).
Segundos o barómetro da Organização Mundial de Saúde, o Rodrigo, por exemplo, é um símbolo da blogosfera. Há muita gente que se ri com o que escreve o Rodrigo e que não concorda politicamente com ele. Mas não me lembro de alguém sugerir ao Rodrigo,. depoiz de gozar com o Louçã, que fizesse humor com o Marcelo.
Imagem de perfil

De Paulo Pinto Mascarenhas a 06.02.2007 às 19:34

Ai, ai, Tiago, onde é que tu leste esse tal de "desafio"? Conta-me que eu acredito em ti. E qual é o drama de se pedir para gozarem com o Louçã. O pedido até pode não ser aceite mas terá alguma conotação de censura pedir-lhe que o façam? Por razões óbvias eles não podem gozar com ele, mas também há quem possa perguntar porque razão ficam tão abespinhados por se fazer um simples pedido - no caso, nem era pedido, mas apenas que ficava à espera para ver essa piada. Não estou a ver a que desafio te referes nem os pensamentos secretos que possas ter sobre o assunto.
Sem imagem de perfil

De MarianaLourenço a 20.02.2007 às 02:28

"porque razão ficam tão abespinhados por se fazer um simples pedido" o quê ??

É preciso não se conhecer nada do Gato Fedorento para se dizer este tipo de coisas...

Só alguém que não faz a mínima ideia do que é o trabalho do grande humorista que é o Ricardo é que o acusa de fazer humor conforme as suas ideias, gostos, aquilo que defende (de não ser imparcial) como o PPM está aqui a fazer...
E mesmo que o Ricardo fosse parcial, não haveria nenhum problema nisso visto que ele não tem nenhum dever de imparcialidade, o Ricardo é um humorista e não um jornalista !
O Ricardo inclusivamente fez um livro (‘O Futebol é isto mesmo ou então é outra coisa completamente diferente‘ ) em que ridiculariza vários aspectos sobre o benfica, e sim ! o Ricardo é benfiquista, e muito !

É o seguinte, respeito a sua opinião, mas penso que não é, de todo, correcto estar a falar daquilo ao qual não se tem conhecimento.
O Gato Fedorento não ridicularizou os argumentos de um dos lados em confronto no referendo ao aborto ! Apenas caracterizou a forma engraçada do professor Marcelo de falar e fez humor com um tema que achou que seria bom para tal ! É o que eu acho... Como o próprio Ricardo diz: " Os limites da comédia não devem ser diferentes dos limites da liberdade de expressão. O olhar humorístico deve poder debruçar-se sobre todos os assuntos sem censura " e que “ O objectivo é que o programa do Gato Fedorento que passa agora na RTP1 seja um comentário acerca dos assuntos mais importantes que se passaram nessa semana”

Há pessoas que pensam que existem assuntos com que não se deve fazer humor, as chamadas 'coisas sérias' mas lá está, se assim fosse não existiria humor, porque cada pessoa tem os seus assuntos sérios, cada pessoa não gosta de ver ser feito humor com determinado assunto : ''É giro ver o telhado cair em cima de uma pessoa, se esse telhado não for o nosso "
E também qual seria a piada de se fazer humor com coisas 'não-sérias' ? Qual seria a piada de se fazer humor com coisas que já são a brincar ?

Penso que deveria reflectir um pouco melhor antes de lançar certo tipo de acusações.
Como o Ricardo, é (e vai ser sempre ) difícil encontrar alguém que faça tão bem humor neste país, na minha opinião neste planeta.

Mariana, 14 anos !

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.






subscrever feeds