Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

 
O menino que há 35 anos, com apenas três anos de idade, foi fotografado por Sérgio Guimarães, descalço, esfarrapado, a colocar um cravo numa G3, chama-se Diogo Bandeira Freire e, como o nome indica, é filho de Pedro Bandeira Freire que, naquela altura, era tudo menos um proletário. Na verdade, era o proprietário dos cinemas Quarteto e o seu estilo de vida estava longe do de um operário da SeteNave residente na Margem Sul.
Em 2006, aquando das comemorações do dia 10 de Junho, o Presidente da República, Aníbal Cavaco e Silva, encontrou-se com Diogo Bandeira Freire - nessa altura com 35 anos - em Serralves, no Porto, para o homenagear.
O “menino” tinha ido há 18 anos estudar para Inglaterra onde ainda vivia e onde era director financeiro de uma empresa de distribuição. Entretanto, apaixonara-se por uma inglesa de quem tem um filho. Em 2001, quando acabou o curso, quis regressar a Portugal, mas não tinha emprego e por lá continuou.
Até à data em que foi contactado pela Presidência da República para estar presente nas referidas comemorações do Dia de Portugal, o "revolucionário" Diogo nunca tinha votado, nem em Portugal, nem em Inglaterra, porém afirmava envergonhar-se desse facto.
 
© Foto: Estela Silva / Lusa - Fonte: Público

Tags:


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Alexandre Kulcinskaia a 25.04.2009 às 10:15

É a beleza da democracia.
São só jogadas de marketing mentiroso.
____________________________
http://kulcinskaia.blogs.sapo.pt/
Sem imagem de perfil

De blogdaping a 25.04.2009 às 15:13

OOOOOOOOOOOOOOOOOOO Dª Sofia !!!!
Não me diga que não sabe ...!
Então , o menino está inscrito no CDS, é do PPM e é banqueiro mas, está com um processo às costas !!
Não me diga que não sabia !
Imagem de perfil

De Nuno Castelo-Branco a 25.04.2009 às 22:28

A esquerda moderna e patriótica tem destas coisas. É a geringonça a funcionar em pleno.
Sem imagem de perfil

De Tiago Rebelo a 25.04.2012 às 21:35

Não malhem no menino, que ele não tem culpa se lhe tiraram a foto (nem tem nada que se envergonhar por isso). O menino seguiu a vida que quis e fez ele muito bem. E, pelos vistos, nunca foi revolucionário.

Comentar post