Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Defina óptima, s. f. f.

por Rui Crull Tabosa, em 27.04.09

Mário Soares (MS) voltou a tentar reescrever o seu passado, quando há dias disse que “A descolonização foi óptima
Pois…
Depende do que entendermos por óptima.
Segundo os dicionários, óptima é sinónimo de admirável, formidável ou magnífica …
Mas, para a História, dificilmente se pode considerar óptima uma descolonização que, só entre 1974 e 1976, provocou a morte de mais de 600 mil civis.
Para mais quando foram (ir)responsáveis portugueses a possibilitar, quando não a promover activamente, inúmeros massacres de inocentes, perpetrados durante o sombrio período do PREC, principalmente em Angola, Moçambique, Timor e na Guiné.
Aliás, o número de vítimas poderia ainda ser multiplicado por várias vezes se incluísse as guerras civis que, como consequência da forma apressada (para não dizer pior) como foi conduzido o processo descolonizador português, devastaram os novos países independentes (só em Angola, a guerra fratricida provocou mais de um milhão de mortos…).
Talvez por tudo isto, António Barreto (AB), um prestigiado sociólogo da área socialista, escreveu, a propósito da descolonização, que “A impotência ou a passividade cúmplice são uma coisa. A acção deliberada, outra. O que fizeram as autoridades portuguesas durante a transição (em Angola) foi crime de traição e crime contra a humanidade…” (in “Público” de 13-4-2008).
Também Melo Antunes (MA), militar de Abril e colega de MS nos II e III Governos Provisórios (os tais liderados pela sinistra criatura conhecida por camarada Vasco), reconheceu à RTP, em 1999, que “Muitos responsáveis políticos portugueses têm dito que a descolonização foi a que era possível. Acho que não é assim. Considero que a descolonização foi uma tragédia. Foi uma tragédia a maneira como a descolonização acabou por se realizar…”
Ora, se somarmos as declarações de MS, MA e AB, o resultado poderia ser o seguinte:
Descolonização = óptima (MS) tragédia (MA) contra a Humanidade (AB)...
O problema é que a frase não faz sentido, mesmo numa mona lisa
Haja por isso memória e, ao menos, um pouco de respeito pelos milhões de mortos, estropiados e refugiados que a desgraçada descolonização exemplar provocou.
Em suma, pede-se mais vergonha e menos descaramento. E, já agora, a compra de um Dicionário decente…

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 28.04.2009 às 20:19

Meu caro amigo, permita-me trata-lo assim, pois quem desassombradamente escreve sobre este tema, tem desde logo a minha amizade e respeito.
A tragédia que foi esse período negro da nossa história, ainda não foi contada. Penso até que somente após a morte de Soares, Coutinho, Santos e outros é que conheceremos a verdadeira dimensão da mesma.
Quanto aos intervenientes nesta negra traição, depois de conhecido o número, de mortos, estropiados, desalojados e traídos, seguramente que a história os julgará como realmente merecem.
Sem imagem de perfil

De Australopithecus a 28.04.2009 às 23:32

Só é pena não serem julgados em vida. Mas mais vale tarde do que nunca. Quanto ao Soares, bem poderia-lhe dizer que a colonização foi tão óptima, quanto a figura que ele faz na fotografia deste post.

www.sensitivo-psiquiatrices-politicas.blogspot.com

Comentar post