Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O tropeção de Obama

por Nuno Gouveia, em 21.06.09

Enquanto desfilam milhões de pessoas pelas ruas do Irão, Barack Obama acena com o seu calculismo cada vez mais embaraçoso. Enquanto os líderes europeus condenam abertamente a repressão do regime iraniano, Obama reserva-se ao quase silêncio sobre o assunto. Enquanto o Senado e a Câmara dos Representantes já aprovaram resoluções que condenam o regime iraniano pela violência utilizada sem subterfúgios, Obama continua enrolado em palavras mansas. Este é um teste da credibilidade que Obama está a enfrentar, e que até ao momento está a reprovar.

 

Pela primeira vez desde a revolução islâmica de 1979, há um inquilino na Casa Branca que teme em dizer o que pensa sobre o Irão. Curiosamente é na altura em que o regime sofre a sua mais séria ameaça por manifestações de pessoas que o contestam. Começam a ser poucos a defender a posição da Administração Obama, incluindo no seu próprio partido. Ontem sentiu-se obrigado a prestar uma declaração de aviso ao Irão, alertando que o mundo está a assistir. Mas não seria de prever que, tal como muitos outros governos, condenasse veementemente a repressão sobre os manifestantes?

 

A tradição da política externa americana sempre foi apoiar os movimentos pró-democracia. Será que a política da administração Obama já não é apoiar os movimentos de liberdade? A retórica de Obama tem reiterado que “não há uma falsa escolha entre segurança e os nossos ideais”. Mas não seria esta uma questão onde ele poderia reafirmar os ideais defendidos pelos Estados Unidos? Há matérias onde a neutralidade deveria ser ela  própria  uma falsa questão, pois apoiar, sem reservas, as forças que se manifestam pela liberdade é uma prioridade dos Estados Unidos. Nada melhor que uma mudança de regime no Irão para facilitar a pacificação no Médio Oriente.

 

Neste momento corre sangue pelas ruas de Teerão. Não será altura de Obama condenar sem reservas o regime? Se houver um novo Tianamen, qual será a sua reacção? Será que as pessoas não esperavam que o Presidente dos Estados Unidos desse uma palavra de esperança aos milhões de iranianos que desesperam por liberdade? Como li num artigo, isto é a real politik no seu pior. Além de totalmente hipócrita!

 


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.06.2009 às 09:56

É tão hipocrita , tão hipocrita... que se Mousabi ganhasse ou não, daqui a um tempo estarieis a pedir que bombardeassem os verdes que agora defendeis.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.06.2009 às 09:58

Tão hipocrita, tão hipocrita que defendem o martirio dos iranianos nas ruas para poder twittar a coisa pelo mundo fora.
Sem imagem de perfil

De JDC a 21.06.2009 às 10:51

"Nada melhor que uma mudança de regime no Irão para facilitar a pacificação no Médio Oriente. "

Isso parte do pressuposto que o regime no Irão mudaria mais depressa com o apoio de Obama. Se há coisa que os Iranianos não gostam é dos americanos e uma associação de Obama a um dos lados da luta no Irão poderia ser usada como arma de arremesso, tentando incutir a desestabilização do regime à acção americana, tal como já se está a tentar fazer. A unificação em torno de um inimigo comum, o Grande Satã, como os iranianos chamam aos EUA, poderia levar ao sucesso de quem já está no poder (vide Cuba).
Sem imagem de perfil

De tiago a 21.06.2009 às 12:06

obviamente. Até porque as maiores preocupações no discurso dos "verdes" são afastar as especulações de apoio externo.
Recordem a ultima mudança de regime na Pérsia, e o bonito resultado que deu a interferência ocidental.
bonito post. totalmente ao lado.
Sem imagem de perfil

De Octávio dos Santos a 21.06.2009 às 12:27

Sobre os «tropeções» de Obama em geral podem visitar...

http://obamatorio.blogspot.com

... E sobre os «tropeções» de Obama em relação ao islamismo em particular podem consultar...

http://obamatorio.blogspot.com/2009/06/o-principe-no-egipto.html



Sem imagem de perfil

De Pi-Erre a 21.06.2009 às 13:19


Washington, 17 Jun (Lusa) - o presidente norte-americano Barack Obama considerou terça-feira que a diferença política entre o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad e o candidato derrotado nas presidenciais Mir Hossein Moussavi não é tão grande como parece.
Comentar Artigo Aumentar a fonte do texto do Artigo Diminuir a fonte do texto do Artigo Ouvir o texto do Artigo em formato �udio
"Penso que é importante compreender que a diferença em termos de política real entre Ahmadinejad e Moussavi não é assim tão grande como se diz", declarou Obama, durante uma entrevista concedida à cadeia de televisão CNBC.

Independentemente do resultado da recontagem dos votos pedida por Moussavi, "vamos ter de tratar no Irão com um regime que é hostil aos Estados Unidos", acrescentou o presidente norte-americano.

Sem imagem de perfil

De blogdaping a 21.06.2009 às 13:38

Monárquicos a debitar ... Baaaaahhh !!
Imagem de perfil

De Daniel João Santos a 21.06.2009 às 14:31

Estou aqui com umas duvidas:

Se Obama apoia-se a oposição não seria dar armas ao regime?

Permitir-lhes argumentar que o americanos estão a interferir e dizer ao povo que a revolta é instigada por factores externos?

É que para a maioria da população iraniana, os amricanos são piors que o regime que manda no país.

Sem imagem de perfil

De francisco feijó delgado a 22.06.2009 às 01:55

À conversa com um iraniano, a resposta que obtive foi mesmo essa: têm a certeza que caso Obama disse-se qualquer coisa acerca da sublevação, que isso seria imediatamente utilizado pelo regime, mas não maioritariamente pelo motivo que refere: "É que para a maioria da população iraniana, os americanos são piores que o regime que manda no país.". Muitos dos corações iranianos não podem ser já ganhos, mas era uma oportunidade de ter legitimação ideológica.
Sem imagem de perfil

De Carla a 21.06.2009 às 19:48

O facto de Mousavi ser um "reformador", ou assim dizem, não significa que uma intervenção americana no conflito seja bem vista. O Irão é contra o seu actual regime e contra o Ocidente. Tendo em conta isto, a postura mais prudente (por muito que choque e custe) é, como disse o próprio Obama e o seu vice, Joe Biden, esperar para ver. Por muito que aos olhos do Ocidente uma intervenção mais activa fosse justificável, tendo em conta o clima actual em Teerão, seria "atirar mais achas para a fogueira". Nas duas facções.
Sem imagem de perfil

De maria a 22.06.2009 às 01:07

Na minha opinião pessoal. : o Obama está a dar tempo às moscas de poisar..a pressa é inimiga da perfeição , responder a quente também. Vê-se que vós não estais habituados à sensatez.

Comentar post