Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




ao fim da rua, ao fim do mundo

por Rodrigo Moita de Deus, em 13.07.09

1. Sou viciado na TSF. Oiço a TSF de manhã à noite. Conheço os blocos publicitários, os noticiários de meia hora de fim-de-semana. Conheço as crónicas do Bruno Nogueira, o mais cedo ou mais tarde e o pessoal e transmissível. Conheço a grelha melhor que muita gente que lá trabalha. A TSF é um óptimo produto. Desde o princípio. Um produto que se soube actualizar. Melhorando ainda mais quando mudou o registo musical. Mérito de quem fundou a TSF, mérito de quem lá está e mérito, também, e inevitavelmente, deste director.

2. Ter sido assessor deste ou de outro partido não tem mal nenhum. Eu também trabalhei no grupo parlamentar do PSD e nunca me inibi de escrever fosse o que fosse. Há mesmo quem diga que, noutros tempos e noutras casas, fui excessivamente agressivo com o Primeiro-Ministro Santana Lopes. Azar. Não vou a vereador.

3. Sempre que algum jornalista me fala de “isenção” ou “rigor” fico desconfiado. Nunca acreditei que uma pessoa pudesse deixar de lado as suas convicções. Problema meu, estou certo. Nos meus tempos de jornalista não o consegui fazer. E a verdade é que  a história recente da comunicação social em Portugal está cheia de grandes jornalistas que ficaram conhecidos pelo seu estilo afirmativo, opinativo e ideologicamente marcado. José Saramago, Marcelo Rebelo de Sousa, Francisco Pinto Balsemão, Emídio Rangel ou Paulo Portas. Todos eles desempenharam cargos de direcção. Todos eles marcaram a agenda. Nenhum deles era isento.

4. Pressões há muitas. Sempre. Que a TSF seja pressionada pelo gabinete do Primeiro-Ministro é normal. O assessor que liga para o director da TSF está a fazer o seu trabalho. O director da TSF que atende o assessor também. Uma vezes o director terá razão outras o assessor. Eu pressiono gente todos os dias. E todos dias me pressionam a mim. Não me queixo. Não me posso queixar. É a vida. A questão não é a pressão mas as armas com que a exercemos. Falta fair-play e respeito.

5. Também não acredito que alguém possa ser director e depois não dirigir. Um director dirige. Marca a linha, o registo e o produto. E para isso tem que escolhe uns, abdica de outros e joga com o protagonismo de todos.

6. Dito isto, Paulo Baldaia está a fazer o seu trabalho. Está a ser chefe. A dirigir. A marcar a linha editorial que quer para o seu produto. Que dispense a sua editora de política a poucos meses das eleições é uma decisão polémica. Se é verdade que a jornalista se incompatibilizou com o primeiro-ministro então a decisão faz sentido. Como quer a Teresa Dias Mendes fazer o seu trabalho depois do Primeiro-Ministro (e o partido socialista) se recusarem a falar com ela?

7. Assim sendo, repito, Paulo Baldaia está a fazer o seu trabalho. Digo eu. Tomou uma decisão. Para o bem e para o mal. A única coisa que não faz sentido são as suas justificações.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De tric a 13.07.2009 às 17:26

ou bem que são politicos ou jornalistas! isto de passar pela politica para depois assumirem as lideranças dos orgãos de comunicaçao social e depois nos impigirem a ideia de isenção e independencia é pura aldrabice! e depois falam em ética jornalistica!!?? é que se tivessem ética nem aceitavam tais lugares! uma vergonha !!( Direita e Esquerda ) uma completa vergonha... e alias, estas situações explicam muito bem o papel vergonhoso dos jornalista no periodo Guterrista, Portugal a caminhar para o abismo e os jornalistas a pintarem a realidade com tons rosa...

José Saramago, Marcelo Rebelo de Sousa, Francisco Pinto Balsemão, Emídio Rangel ou Paulo Portas. Todos eles desempenharam cargos de direcção. Todos eles marcaram a agenda. Nenhum deles era isento.


Grandes Exemplos !!e não amira que Portugal esteja no estado em que está!!! alias, estes exemplos so deveriam servir para não se cometer os mesmos erros
Sem imagem de perfil

De tricAnti_OMO a 13.07.2009 às 19:01

"Se é verdade que a jornalista se incompatibilizou com o primeiro-ministro então a decisão faz sentido. Como quer a Teresa Dias Mendes fazer o seu trabalho depois do Primeiro-Ministro (e o partido socialista) se recusarem a falar com ela?"

eu so espero que o Primeiro-Ministro não se incompatibilize com mais nenhum editor de politica( é facil meter as culpas nos outros...), senão segundo a sua teoria, ele deve ser afastado do cargo imediatamente...

democracias ...


Sem imagem de perfil

De jorge paulo a 13.07.2009 às 17:48

A gente lê e ouve  determinadas coisas, e nem acredita. Que tempos são estes em que se aceita alegremente que alguem que dirige um jornal, ou neste caso uma radio, esteja alinhado com o governo, e defenda quase cegamente as suas politicas. Daí não vem mal ao mundo; pois não, mas o Paulo Baldaia se gosta muito daquilo que este governo tem feito ao País, tem editorialmente que afirmá-lo, e dizer preto no branco: a TSF apoia o governo do Partido Socialista. E daí de certeza não virá mal ao mundo, porque sabemos à partida com o que contamos. Eu sou do tempo em que os orgãos de comunicação social eram politicamente alinhados. E assim é que deve ser; para não ir muito longe, veja-se o que se passa em Espanha, e em França por exemplo: a imprensa é politicamente alinhada, e cada um come do que quer. Agora comprar um jornal, e ter que gramar com o Rui Tavares, o Daniel Oliveira, ou o Miguel Portas, se for da direita, ou gramar com o Paulo Portas, o Santana Lopes , o Vasco Graça Moura, ou o Pacheco Pereira, se for da esquerda, por exemplo, não interessa a ninguém. A imprensa  em Portugal, jornais, radio e televisão, tem uma grande falta de qualidade, porque estão politicamente engajadas, e normalmente para um lado. Portugal está adornado para a esquerda, e isso a meu ver é um dos factores do nosso subdesenvolvimento.
Sem imagem de perfil

De Isa a 13.07.2009 às 20:44

Não faço ideia do que se está a passar na TSF e sinceramente estou-me um bocado borrifando. Mas adorei o post, adorei.
Bjs
Sem imagem de perfil

De P Amorim a 14.07.2009 às 08:48

O mal está em que todos querem fingir que são "isentos". São os jornalistas, os "politólogos", os comentadores, até os articulistas de opinião.
Há um programa sobre futebol, creio que na SIC notícias ou na RTPN, em que o respectivo anúncio se faz pondo os protagonistas a lançar bolas vestindo a camisola do clube da sua preferência. Assim fica tudo claro. Uma pessoa não fica burra ou incapaz se declarar as suas inclinações, pelo contrário, quando as esconde e são descobertas, puxa-se o fio e descobrem-se objectivos camuflados.
Sem imagem de perfil

De Paulo Lopes a 05.09.2009 às 09:22

Esclareçam-me só uma coisa. É ou não verdade que Paulo Baldaia foi assessor do governo socialista de António Guterres?
As pesquisas na net revelam que foi e que foi também assessor de Mário Soares... é jeitoso o rapaz. Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és, lá diz o povo e com razão. Para mim, ele é um dos coveiros da credibilidade da TSF, que está muito longe do que já foi.

Comentar post