Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Daqui movimento do 31 da Armada: Vai buscar Afonso Costa!

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Confucio a 10.08.2009 às 20:10

O que eu sei é que com esta corajosa acção o 31 da Armada deve ter triplicado o numero de visitantes aqui do blogue. Parabéns!!! Não sei é se os monarquicos desta casa conseguiram arregimentar muitos adeptos para a causa. Mas prontos, se a memória não for bastarda, pode ser que daqui a cem anos isto seja recordado como uma cena picaresca da democracia do século XXI.
Sem imagem de perfil

De Tiago Mouta a 10.08.2009 às 20:14

Na perspectiva de sabotagem dos poderes vigentes, de desafio à (des)ordem pré estabelecida, de ter tomates para desferir um golpe na já podre Republica Democrática, Parabéns, aprovo a coragem e louvo a iniciativa de arrojo que se devia estender ao resto de Portugal...
Quanto à Monarquia "Vá de Retro(escavadora) e enterre-se!!!"
Sem imagem de perfil

De David a 10.08.2009 às 20:15

Já sou vosso fã!!!! Muito bom! Parabéns!!!
Sem imagem de perfil

De uir a 10.08.2009 às 20:17

Parabens
Sem imagem de perfil

De PBH a 10.08.2009 às 20:20

Parabéns rapazes!

Começam a inspirar-nos...

Onde se pode o resto da rapaziada inscrever para começar a comemorar o Centenário da República com acções destas?

Alguma agenda ou vamos cada um por si?
Sem imagem de perfil

De Confucio a 10.08.2009 às 20:26

Eu acho que sim.
Pode ser que tenham alguns republicanos à espera.
Sem imagem de perfil

De Gi a 10.08.2009 às 20:23

Pode ser-se anarquista e monárquica? Nem vos conto o que isto me lembra. Acho uma delícia, haja muitas destas no próximo ano.
Claro que já contei o vosso feito no meu blog (http://garden-of-philodemus.blogspot.com/2009/08/viva-o-rei.html).
Sem imagem de perfil

De João Afonso Machado a 12.08.2009 às 17:43

Pode. A seguir ao 25 Abril existiu até a Juventude Monárquica Revolucuonária. Inspiração: anarco-comunalismo.
Livremente aceitamos o Rei. Dispensamos livremente outras formas de organização do Estado. Muito em suma, a ideia é esta
Sem imagem de perfil

De Gi a 13.08.2009 às 08:32

Obrigada, João Afonso, não sabia.
Sem imagem de perfil

De KLATUU O EMBUÇADO a 10.08.2009 às 20:24

Acho que erraram foi a data: deveriam ter escolhido o carnaval... Sem dúvida, os amigos são hábeis na auto-promoção, porém, ser monárquico, é algo bem diverso de uns quantos fãs trepadores da Star Wars...
Sem imagem de perfil

De eu a 10.08.2009 às 20:24

Era fuzilar-vos monárquicos da merda. .!. Viva a republica! Dementes capitalistas .!.
Sem imagem de perfil

De Confucio a 10.08.2009 às 20:28

Calma, também não é preciso tanto. E depois de quem é que a malta se ia rir?
Umas bengaladas no lombo é capaz de chegar.
Sem imagem de perfil

De João Afonso Machado a 12.08.2009 às 17:47

Não lhe respondo à letra mas posso deixar morada onde fará o favor de me procurar para me fuzilar.

Previno-o que o seu excelente e bem educado cérebro republicano correrá o risco de verter o que lá possa guardar-se com uns tantos furos de zagalote.

Mesmo nós os monárquicos temos direito à auto-defesa, não?
Sem imagem de perfil

De Rita a 10.08.2009 às 20:26

Depois da patrícia a fazer caipirões sabe-se lá onde , este hastear da bandeira foi um bom momento silly season , deu para rir. Mas só conseguiram tempo de antena depois da Gripe A ..... foram uns 15 segundos de fama :)
Sem imagem de perfil

De Joao a 10.08.2009 às 20:29

Momento épico.
Quanto à esquerdalha que se revolta com isto... Bem, é a mesma que se revê na bandalheira da Primeira República portanto, deixem-nos gritar à vontade e distribuam inscrições para o Júlio de Matos. Não se ofendam, não vamos ter uma Monarquia per se. Queriamos nós (aqueles com dois dedos de testa) ter uma casa Real forte como outras nações, onde o parlamentarismo e estas se complementam para o que, de facto, se podem chamar de países com patine. Existisse mais gente com a coragem de chamar as coisas pelos nomes e não viveriamos num estado de semi-bandalheira, repleto de meias palavras e medidas insipientes.


Digo e repito, momento épico. Creio num Portugal grande, num que reconhece o seu passado, os seus erros e o seu sucesso, não num país que esconde a história com dogmas de falsos moralistas.

Comentar post