Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




União de facto republicana

por Luís Filipe Coimbra, em 25.08.09

Como diria o comentador Rui Santos, - Ai!, Ai!, Ai!

Então queriam que um Chefe de Estado eleito pelos votos da direita, traísse o seu eleitorado e virasse o bico ao prego e não vetasse a lei das uniões de facto aprovadas pela esquerda?

Conviria recordar à esquerda republicana, que em República o Chefe de Estado nunca foi nem será imparcial.

Que tal os meus queridos amigos republicanos irem até aos reinos da Holanda ou da Suécia para reverem os seus tabus ideológicos?


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Imagem de perfil

De caodeguarda a 25.08.2009 às 22:21

"Chefe de Estado eleito pelos votos da direita..." - francamente não conheço ninguém de direita que tenha votado no sr. silva... mas a verdade é que só um comentador teve tomates para se conratular com a vitória do centro-esquerda nas presidencias... convençam-se de uma coisa, não é por o repetirem até à exaustão que vão transformar um pr esquerdalho e sem espinha num homem nem de direita nem às direitas... ou como salientou o Bernardino Soares ontem na SIC (só falta chamarem-lhe também de direita) o pr alinhou com todos os disparates xuxiaistas nas áreas económicas e sociais...  e ainda há labregos a chamarem de direita ao gajo... sinto-me insinsultado...
Sem imagem de perfil

De Respública a 25.08.2009 às 22:42

Claro que é de Direita, é Liberal, Conservador e desciplo de Hayeck e da Escola Austriaca, se ele for de esquerda vou alí e já venho.
Ah eu sou de Direita e votei nele.
Sem imagem de perfil

De LEGITIMISTA PORTUGUÊS a 26.08.2009 às 00:47

Hayek de Direita? Vou ali e já volto. Se falassem de Edmund Burke na defesa das liberdades...
Os Liberais são os primogénitos da Esquerda!

"OS DEUSES DO LIBERALISMO"
 
"Lastly, those are not at all to be tolerated who deny the being of a God. Promises, covenants, and oaths, which are the bonds of human society, can have no hold upon an atheist. The taking away of God, though but even in thought, dissolves all; besides also, those that by their atheism undermine and destroy all religion, can have no pretence of religion whereupon to challenge the privilege of a toleration. As for other practical opinions, though not absolutely free from all error, if they do not tend to establish domination over others, or civil impunity to the Church in which they are taught, there can be no reason why they should not be tolerated."

John Locke “A Letter Concerning Toleration”

Um liberal não pode ter o mundo que quer. Um neo-liberal, figura típica da pós-modernidade, porém, já pode ter o que quiser. O que, porém, não pode fazer esta segunda figura é apresentar os liberais (que considera antecederem-no) como meros portadores do seu tipo de mundo. Os liberais, todos eles, postularam um mundo com um deus incognoscível, que seria um reflexo ou compatível com o do Deus das Escrituras, mas que adulteraram apresentando-o à luz de uma racionalidade e objectividade. À medida que o tempo passou, esse deus foi vítima de adulterações sucessivas, até se encaixar nas diversas manias do mundo moderno (autonomia individual, propriedade, bem-estar, comunidade), sempre apresentado como mero fruto dessa razão única e inapelável. Tudo isto é, claro, uma palhaçada a que vamos chamando modernidade, mas que não se compara com o circo que é a pós-modernidade, que se socorre das categorias da pseudo-racionalidade, o racionalismo, para afirmar a verdade do novo deus, o Desejo. No meio de todo este império do desejo, o neo-liberalismo apresenta o argumento liberal, mas amputado da sua Verdade. O liberalismo não foi criado por economistas ansiosos por prosperidade, como o neo-liberalismo, mas por filósofos, tendo claras implicações metafísicas. Retire-se a Locke a dissenção religiosa que desemboca na teoria da propriedade, a Kant os preconceitos protestantes que desaguam na religião racional da autonomia, excluam-se dos Founding Fathers as teorias que consagram um jusnaturalismo que constitui os direitos universais como conclusões de uma ordem natural, e o que fica? Nada. Dessa racionalidade, apenas uma forma e muito “curta” da verdadeira, o que sobra?
O liberalismo atacou a Igreja e os ateus. Uns porque viam para além da comunidade política, outros porque viam toda a racionalidade como mera expressão do desejo individual. Não é portanto por acaso que o liberalismo despreza a Igreja, tentando transformá-la em ideia igual a todas as outras e submetê-la à sanção estatal. Não é também por acaso que os liberais clássicos, se cá estivessem, fariam um grande “pogrom” com os liberais que temos. Tratar as ideias como se elas se adaptassem aos nossos desejos é um erro que os liberais não incorreram. Preferiram modificar a realidade. Já os neo-liberais acham que podem ter tudo.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.






subscrever feeds