Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




JMT em carta

por Vítor Cunha, em 10.11.09

Carta aberta ao primeiro-ministro José Sócrates

Autor: João Miguel Tavares

 

Excelentíssimo senhor primeiro-ministro: Sensibilizado com o que tudo indica ser mais uma triste confusão envolvendo o senhor e o seu grande amigo Armando Vara, venho desde já solidarizar-me com a sua pessoa, vítima de uma nova e terrível injustiça. Quererem agora pô-lo numa telenovela - perdoe-me o neologismo - digna do horário nobre da TVI é mais um sintoma do atraso a que chegámos e da falta de atenção das pessoas para as palavras que tão sabiamente proferiu aquando do último congresso do PS:”Em democracia, quem governa é quem o povo escolhe, e não um qualquer director de jornal ou uma qualquer estação de televisão.” O senhor acabou de ser reeleito, o tal director de jornal já se foi embora, a referida estação de televisão mudou de gerência, e mesmo assim continuam a importuná-lo. Que vergonha.
Embora no momento em que escrevo estas linhas não sejam ainda claros todos os contornos das suas amigáveis conversas, parece-me desde já evidente que este caso só pode estar baseado num enorme mal-entendido, provocado pelo facto de o senhor ter a infelicidade de estar para as trapalhadas como o pólen para as abelhas - há aí uma química azarada que não se explica. Os meses passam, as legislaturas sucedem-se, os primos revezam-se e o senhor engenheiro continua a ser alvo de campanhas negras, cabalas, urdiduras e toda a espécie de maldades que podem ser orquestradas contra um primeiro-ministro. Nem um mineiro de carvão tem tanto negrume à sua volta. Depois da licenciatura na Independente, depois dos projectos de engenharia da Guarda, depois do apartamento da Rua Braamcamp, depois do processo Cova da Beira, depois do caso Freeport, eis que a “Face Oculta”, essa investigação com nome de bar de alterne, tinha de vir incomodar uma pessoa tão ocupada. Jesus Cristo nas mãos dos romanos foi mais poupado do que o senhor engenheiro tem sido pela joint venture investigação criminal/comunicação social. Uma infâmia.
Mas eu não tenho a menor dúvida, senhor engenheiro, de que vossa excelência é uma pessoa tão impoluta como as águas do Tejo, tirando aquela parte onde desagua o Trancão. E não duvido por um momento que aquilo que mais deseja é o bem do Pais. É isso que Portugal teima em não perceber: quando uma pessoa quer o melhor para o País e está simultaneamente convencida de que ela própria é a melhor coisa que o País tem, é natural que haja um certo entusiasmo na resolução de problemas, incluindo um ou outro que possa sair fora da sua alçada. Desde quando o excesso de voluntarismo é pecado? Mas eu estou consigo, caro senhor engenheiro. E, com alguma sorte, o procurador-geral da República também. Atentamente, JMT.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.11.2009 às 19:40

É realmente impressionante como o homem vai passando entre as pingas da chuva.

Jogará ele no Euromilhões?...pois devia.
Sem imagem de perfil

De Ega a 10.11.2009 às 21:00

Carta bem escrita. Documento literário. Excelente discurso politico.
Sem imagem de perfil

De Caty Waves a 10.11.2009 às 23:00

Tudo isto sería muito engraçado e enternecedor não fora um simples "pequeno" problema, ao qual, estou convicta, o excelentíssimo autor da carta saberá explicar-me, visto que em nenhum momento da sua missiva o encontrei referido: A Violação do Segredo de Justiça (para que servirá isto?! certamente para proteger eventuais inocent..culpados..culpados, claro) e o ILÍCITO (que palavra tão forte) das Escutas ao 1º Ministro (parece que carecía de autorização do Supremo Tribunal de Justiça..por sinal prerrogativa extensível ao Presidente da Assembleia da República e..veja-se bem..até ao Presidente da República).
Realmente as Leis e pedir à Justiça que cumpra, ela própria, as Leis..é uma chatice! Em Regimes fascistas é tudo mais fácil, não concorda?
Sem imagem de perfil

De Maria da Fonte a 10.11.2009 às 23:24

Acontece que as Leis, estas Leis, foram feitas por políticos, exactamente para que nunca, mas nunca mesmo, eles próprios pudessem ser condenados por Corrupção.
Claro e transparente!

Não adianta agitar a bandeira da Mítica Figura da Presunção de Inocência.
É inútil!
Já todos percebemos, que não passa de uma Longa Capa para proteger os Criminosos!

E chamam a isto Estado de Direito!!!
Só se for o Direito Absoluto do Poder!

Maria da Fonte
Sem imagem de perfil

De Nuno a 11.11.2009 às 05:41

Não é "na minha opinião pessoal", é, apenas, "na minha opinião". 
Assim, na minha qpinião, não temos quem se saiba dirigir ao peimeiro-ministro nem primeiro-ministro que saiba responder.
Cumprimentos,
Nuno
Sem imagem de perfil

De Nuno a 11.11.2009 às 10:05

Caro Nuno.

Ao que parece já somos dois a utilizar o nome que os nossos pais nos deram !

Eu ao contrário de si, até achei piada à carta; é a vida !
Sem imagem de perfil

De Nuno a 12.11.2009 às 00:47

Mas que belaS gargalhadas!!! ;)
Eu não achei a carta mal. Comentei Foi "a minha opinião pessoal", em que o pessoal está a mais. É uma redundãncia com que eu (pessolmente - hahaha) embirro.
Um abraço,
Nuno
Sem imagem de perfil

De Nuno a 15.11.2009 às 17:59

O grande problema é que ou eu não gosto do Sapo ou o Sapo não gosta de mim - isto podia ser mais fácil.
A ver se é desta que re-re-respondo.
A carta para ser BOA precisava de conter mais umas valentes chapadas...

Nuno
Sem imagem de perfil

De Nuno a 15.11.2009 às 18:14

Suponho que este texto me é dirigido:

«Por partes (http://31daarmada.blogs.sapo.pt/3428880.html)

Nuno (http://31daarmada.blogs.sapo.pt/3427516.html), a questão não é Sócrates mas o princípio. Se as escutas não foram validadas por um tribunal superior é bom que as escutas tenham sido declaradas nulas. Repito: a questão não é Sócrates, se a moda pega começa a valer tudo e um dia, espero que próximo, pode estar alguém no cargo de PM que não Sócrates. Alguém no mínimo que seja mesmo engenheiro.»

Nem sequer abordei este tema embora concorde consigo. Mas, já  que o levanta, sempre lhe digo que está em causa o Princípio - desde logo Sócrates nunca estaria lá - e, por isso mesmo, Sócrates (o socretino convenhamos)) está em causa.

Quanto à carta, para um imbecil daquela craveira, é um desperdício.
Abraço,
Nuno
Sem imagem de perfil

De Spartakus a 11.11.2009 às 10:49

Aplauso. No ponto.


Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De transmontana a 11.11.2009 às 13:13

Ich bin auch ein Vader, deswegen bin bereit zu kämpfen gegen diese Leute, aber ich weiss nicht wie.

Eles têm os tentáculos espalhados por todo o lado.Os negócios são deles, os empregos são deles  dos parentes e dos compadres, a justiça não existe.....
Und ich habe keine Geduld mehr.
Sem imagem de perfil

De Mariana Figueiredo a 11.11.2009 às 17:05


Adorei, deveria mesmo de ser enviada!
Parabéns pela carta, e pelo brilhante blog que aqui apresenta.

Cumprimentos.
Sem imagem de perfil

De roberto a 12.11.2009 às 02:02


envie-lha! ele precisa de todo o nosso apoio.

Comentar post