Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




(Gen)ética republicana

por DBH, em 13.01.10

 

 

Mário Soares escreveu ontem, no DN, um interessante artigo sobre o centenário da república. Não é especialmente interessante a sua teoria de que entre 1926 e 1974 não houve, em Portugal, uma república. Já conhecíamos esta ideia.

 

Não, o mais interessante é que o artigo começa por elogiar o presidente da comissão comemorativa do centenário e fá-lo da forma mais inesperada:

 

 

"O Governo decidiu - e bem - constituir uma Comissão Nacional para as Comemorações, presidida pelo Dr. Artur Santos Silva, bisneto de um dos heróis do 31 de Janeiro de 1891, revolta militar e civil frustrada que ocorreu no Porto, com a intenção de derrubar a Monarquia; neto de um ilustre médico, várias vezes ministro da I República, Dr. Eduardo Santos Silva, que deu o nome a um dos principais hospitais da cidade invicta; e filho do ilustre advogado e resistente antifascista Santos Silva, de quem tive a honra de ser amigo.

 

Seu pai foi de resto, ainda, deputado à Assembleia Constituinte, que elaborou a nossa Constituição e estruturou, no plano legal, a actual II República.

O presidente da Comissão Nacional para as Comemorações não podia, portanto, ser mais bem escolhido para as suas funções, para além do seu alto mérito profissional e cívico."

 

Ou seja, "para além do seu alto mérito profissional e cívico" - que é referido quase como uma nota de roda-pé e sem especificar -, "para além", repito, a razão da escolha foi, "portanto", por ser filho, neto e bisneto de quem é.

 

A genealogia republicana é, pelos vistos, o elemento qualificador do presidente desta comissão. O seu pai, avô e bisavô chegam, como uma prova de limpeza de sangue ou habilitação de genere. 

 

Ética ou genética republicana? Pobre Artur Santos Silva. Triste república.

 


comentários

Sem imagem de perfil

De ALVITREIRO a 13.01.2010 às 10:19

Sua Majestade República...e Infidelíissima. :)

Real, Real, Real...:)
Sem imagem de perfil

De ATD a 13.01.2010 às 10:42

DBH, Muito bem visto.
Imagem de perfil

De Francisco Mota Ferreira a 13.01.2010 às 10:46

Diogo,

Mto bom!!! Na mouche!

Abraço,

FMF
Sem imagem de perfil

De carlos mata a 13.01.2010 às 12:15

p´las alminhas....avisem que o hospital santos silva nao fica na invicta
Sem imagem de perfil

De Australopithecus Republicanus a 13.01.2010 às 13:17

Viva El-Rey D. Mário I ! Viva à regra da "sucessão etico-republicana" !!! 
Sem imagem de perfil

De Joaquim Amado Lopes a 13.01.2010 às 13:38

Tendo a comemoração do centenário da República um valor meramente simbólico, não me choca o simbolismo da geneologia do presidente da comissão.

Chocar-me-ia dar muito maior destaque à geneologia do que ao seu alegado "alto mérito profissional e cívico" se viesse de alguém na plena posse das suas faculdades mentais e com um historial mínimo de isenção e de respeito pelas instituições e pela História.
Vindo de Mário Soares, só se choca quem não o conhece ou quer (a)parecer chocado.


 
Sem imagem de perfil

De kapao3 a 13.01.2010 às 13:55

Com isto tudo e a excelente argumentação do signor mario Soares, não me admiraria muito que um seu qualquer descendente chegasse a Cardeal.

Na família já houve no início do séc. XX um ilustre padre, que por razões que agora não interessam se despadrou ou foi despadrado, para o caso tamb´´em não interesse.

O importante é a ética repúblicana.

Ainda não há muito corria na Internet uma fotografia de Savimbi -- Congresso da Unita, a 12 de Março de 1991--, com João Soares, Teresa Ricoh, António Maria Pereira e Armando Vara
Imagem de perfil

De tron a 13.01.2010 às 15:18

Vara o dos robalos e da sucata de facto este senhor vara saiu um belo sucateiro e agora ve-se o que se passa em cabinda
Sem imagem de perfil

De Comandante Couceiro a 13.01.2010 às 14:18

AO EX.MO SR. CORONEL NA RESERVA:

MEU CORONEL:

O CIVIL MÁRIO SOARES INSISTE EM ATENTAR CONTRA A SEGURANÇA PÚBLICA, LANÇANDO O BOATO DE QUE NÃO HOUVE REPÚBLICA ENTRE 1926-1974.

MEU CORONEL: QUE REGIME SERVIU O MEU CORONEL AFINAL?

E EU? PORQUE ME EXILOU O ESTADO NOVO?

QUEM TINHA RAZÃO ERA O NOSSO MAJOR MOUZINHO DE ALBUQUERQUE, MEU CORONEL. AFORA O REI E O PRINCÍPE, DE QUEM FOI AIO, EM QUEM MAIS CONFIAR NESTE PORTUGAL DE BURLÕES?

O MEU CORONEL DESCULPE O PALAVRIADO. MAS JÁ HOJE O OUVI DO OFICIAL DO DIA. E ESTE DOS SARGENTOS E DOS PRAÇAS.

O MEU CORONEL ADERE À REVOLUÇÃO DA BANDEIRA AZUL-BRANCA? TEM À SUA PORTA O ALFERES CALAÍNHO, QUE O AGUARDA COM A BANDEIRA PRONTA A HASTEAR.

SE ME DÁ LICENÇA, MEU CORONEL, RETIRO-ME.
Sem imagem de perfil

De CORONEL NA RESERVA a 13.01.2010 às 20:11

Comandante Couceiro, Meu Camarada:


Nunca fujo ao repto dum companheiro de armas. Companheiro de armas na plena acepção da palavra, pois também o Comandante cursou Artilharia na Escola do Exército –  carreira que foi a minha, longe embora do brilhantismo com que adornou a sua.


Caro Comandante, creia que me custa estar a esgrimir argumentos com a sua veneranda (mas elidida) figura. Tenho um profundo respeito pelos mortos, em especial por mortos que falam, os únicos que preenchem os requisitos mínimos para inquietar os vivos. No entanto, Comandante, sou obrigado a explicar-me. De 1926 a 1974 vigorou em Portugal um regime erguido segundo o espírito do modelo católico-integralista, com manifestações de autoritarismo profundamente enraizadas na tradição constitucional da Carta oitocentista. Esse regime só formalmente se apresentava como republicano ou, melhor dizendo, republicano-conservador. Nenhum respeito existiu em relação aos valores da República que, como sabe, se abrigam na tríade de palavras Liberdade, Igualdade, Fraternidade. A “república” de 1933 substituiu essas excelsas palavras por Deus, Pátria, Família.


O Comandante foi exilado? Pois foi. Lamento, mas sabe que o Botas não tolerava heresias dentro do seu  regime –  nem as de cariz integralista-nacional-sindicalista (Rolão Preto), nem as de feição republicanista (Humberto Delgado), nem aquelas em que o Comandante se inscrevia e que melhor do que eu saberá quais eram.


Tudo isto é História, e o Comandante, honra lhe seja feita, já faz parte dela.


Esta rapaziada aqui do blogue fazia bem em se dedicar ao estudo da sua personalidade e dos tempos conturbados em que viveu – mas estão mais interessados em aparecer nos jornais e nas televisões, nas redes sociais da Internet, pensando que esse é o melhor caminho para subirem lá nos partidos e rapidamente se sentarem à mesa do orçamento.


Portanto, já vê, não estou aqui para hastear nenhuma bandeira. Já a hasteei em cinco comissões nos territórios ultramarinos –  com todo o respeito pelos povos heróicos contra quem me bati! –  e essa bandeira podia  ser de qualquer cor, desde que fosse a bandeira do meu País. Porque nós, militares, nascemos para servir a Pátria.


 


Saúdo-o, Meu Caro Comandante.


 


 


 

Sem imagem de perfil

De Comandante Couceiro a 13.01.2010 às 21:32

Meu Coronel:
Entendi-o perfeitamente.
Ninguém se sirva do J. Franco, ou de outro qualquer ditador para atacar a Monarquia. Deverá falar-se, quanto à época respectiva, em «monarquia». Só para facilitar, meu Coronel.

Permita o meu Coronel, apenas um reparo: os Ideais não morrem, assim como não passam à reserva. São de sempre e há sempre um militar a substituir uma «baixa».

Meu Coronel: conte as suas tropas. Depois o meu Coronel verá se está em vantagem ante os contigentes das minhas.

Com todo o respeito, meu Coronel!
Imagem de perfil

De tron a 13.01.2010 às 15:16

anti fascista entenda-se por maçom porque o verdadeiro anti fascista foi aquele que deu o coiro pela liberdade e não aquele que ninguém conhece e anda a conspirar contra o estado para lá por os amigos
Sem imagem de perfil

De manuel palma a 13.01.2010 às 19:43

Na mouche...

Comentar post


Pág. 1/2