Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Amor

por Henrique Burnay, em 18.01.10

Os meus primeiros 15 minutos de qualquer ida ao IKEA são uma conversão ao romantismo. Assim que vejo casais a escolher sofás e a experimentar colchões, sou tomado por um sentimento absurdo de paixão pela humanidade e pelo amor (pode-se amar o amor). Há mais bonito numa vida a dois do que quando a cama ainda é importante, quando se escolhe um sofá de dois lugares? O amor é ao Sábado, no IKEA.

Certo, ao 16º minuto era capaz de fazer explodir a multidão que me aparece pela frente, em particular as criancinhas que se metem entre mim e a cadeira de que preciso, mas antes, antes acreditei na felicidade.  


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.01.2010 às 17:25


Franamente tiaaaaaaaaa, é claro que a mãe sabe, que  a tia não tem cudado, é só vendido. Por isso, o tiooooo pEga pisga-se para a serra e procura as ovelhas e de vez em quando lá se entretém com a Irmã Clarissa.
A marquesa de calharás só arrota gases, e o tio tá desesperado.

Comentar post