Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Bom, o Mau e o Vilão

por Luís Filipe Coimbra, em 25.01.10

 

O que é que o Bom, o Mau e o Vilão têm em comum?

Todos são administradores de SAD - Sociedades Anti-Despotivas (triste, do inglês).

Porque razão o da SAD do SLB (Só Letras Bancárias) é o Bom?

Nunca falou ao telefone ou convidou para jantar qualquer árbitro, responsável da Liga ou Conselho de Arbitragem. No tempo do Inocencio Calabote nem sequer era do SLB; comove-se quando inocentes trabalhadores de biscate ao fim de semana são selvaticamente agredidos nos túneis. Disse um dia que  todos deviam respeitar o passado glorioso  - e a verdade é que as suas instruções verbais estão agora a ser levadas à risca por quem de direito.

E porquê ser o presidente da SAD do SCP (Só Clientes Parabancários) o Mau da fita?

Percebe pouco de futebolítica: vive obcecado com a redução dos activos da SAD - colocando até muito recentemente os bons no banco para se desvalorizarem - tudo para no fundo reduzir a capacidade de endividamento (coisa que, por acaso, nem sequer passa pela cabeça de fazedores e negociadores do OGE 2010); desiste da Europa comprando potenciais activos mas que infelizmente não podem ser jogados nas bolsas televisivas europeias até ao final da época e não sabe (ou não quis) infiltrar agentes seus no Governo e noutras altas instancias - como  fizeram os Bons. Mau, muito mau.

Sobre o Vilão, palavras para quê? O presidente da SAD do FCP (Frente Contra Poderosos) manda pela calada bater em pacíficos trabalhadores de segurança que andam pelos túneis, longe das vistas do povo; arranja lugares na central para deusas e até impôs nas suas camisolas o símbolo das Quinas - supremas ofensas ao nosso laicismo oficial; arranja estorilistas para apedrejar o seu carro mais a camioneta para depois insinuar que foram os Bons. 

Uma vergonha! 


comentários

Sem imagem de perfil

De PT a 26.01.2010 às 12:11

Para resolver todos estes pseudo-problemas que em nada ajudam à redução do défice, do desemprego e à evolução da economia nacional, aqui fica uma proposta: acabar de vez com o futebol e lançar mas é o Rugby, que sempre é um desporto mais civilizado. Ao menos, a porrada dá-se toda em campo, e após os jogos vão mas é todos beber umas bejolas...

Comentar post