Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Vitorino

por Lucius, em 08.02.10

Bla, bla, bla, liberdade de imprensa, claro, bla, bla, bla na conversa de hoje na RTP outra vez. A pergunta a fazer a António Vitorino deve ser esta:

 

- Alguma vez falou, ou telefonou, a gestores de um grupo de comunicação social privado português mostrando desagrado por notícias que um dos orgãos desse grupo publicou?

 

Se a resposta for não, está a mentir tanto como o seu protegido JS perante o Parlamento no caso TVI.

 

Pode mostrar desagrado? Pode.

 

Isso é uma forma de pressão? É.

 

Foi eficaz? Não. Graças a Deus ainda há empresários independentes do poder politico.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2010 às 22:39

O Trampilho, aí em cima, ainda mexe e eu a pensar que a EDUCADINHA já tinha disperso e disseminado as suas cinzas no rio Tejo/Douro, paz à sua quadrúpede carcaça.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.02.2010 às 22:43

O Virgolino do Fungágá do ali blá blá e os 40 ladrões. hoje até teve a sua graça, deu uma pancadinha no seu Chefe com um Pom-Pom, teve mesmo muita graça.
Sem imagem de perfil

De ALVITREIRO a 08.02.2010 às 23:04

Há formas simbólicas de alijar do poder quem dele não quer sair.
Com o secretário de estado, miguel de vasconcelos: foi a defenestração.
Sai pela janela quem não quis (enquanto pode) sair pela porta.

Ah, as lições do Portugal Restaurado...:))))
Sem imagem de perfil

De Preocupado a 09.02.2010 às 03:27

 E teremos janelas que cheguem?

É que de lá para cá, os miguéis de vasconcelos multiplicaram-se como os fungos!
Sem imagem de perfil

De João Lisboa a 08.02.2010 às 23:28

http://lishbuna.blogspot.com/2010/02/nao-assino-nao-vou-aquilo-que-o-chefe.html
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.02.2010 às 01:52

O que eu mais gosto desta gente da política é a altivez a roçar a sobranceria com uma dose de frieza à mistura em especial quando dirimem sobre tudo e sobre nada, eles são o que há de melhor dos experts da política, eles são: o Lisbon Treaty; O Terramoto do Haiti; A Presidência dos Estados Unidos; A Crise Ambiental; A Crise Financeira e dos Mercados; a Crise dos Mísseis à Chuva; O Défice Democrático na Madeira; A Justiça Portuguesa e à Portuguesa com todos; O "dislate psicótico" presidencial da espionagem das Redes Informáticas da Casa Civil e assessorias e ainda, as estratégias para a saída da Crise muito nossa (mas quando sempre se viveu em crise, o que quererão eles dizer com as saídas para a crise? Porra nenhuma, fica tudo como está e não mexe mais, sempre que mexem na crise fica tudo muito pior, deixem a crise em paz, porra). Eles têm sempre uma mão cheia de nada, para a resolução dos problemas nacionais a cada dia que passa, é extraordinário, merecem ser adorados de preferência de velinha acesa e de lamparina ateada para que tudo o resto vá de retro.
Sem imagem de perfil

De Sejeiro Velho a 09.02.2010 às 11:43

Deve vir de "calhandro", que é:
Um vaso grande de forma cilíndrica ,  onde se juntam as águas sujas para serem jogadas em lugar próprio./ Vaso sanitário.
Fonte: Pequeno Dicionário Enciclopédico KOOGAN LAROUSSE de 1971
Em linguagem mais popular, pode dizer-se que é Merda.

 

Comentar post