Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Lido no Aparelho de Estado, no Expresso:

 

Portugal é como uma criancinha de 12 anos que já gastou as semanadas do ano todo, que não gosta de estudar, não ajuda em casa, não quer ler e foge a sete pés das responsabilidades. Uma criança que  aprendeu a passar pelo meio da chuva. E é feliz assim. Sem cuidado, sem futuro e com sorte. Chega-lhe o futebol, as novelas e a convicção de que o dinheiro nasce nas paredes onde estão presas as máquinas de multibanco.

 

Agora pedem a esta criancinha, mal educada e mimada, que se levante cedo, que tenha boas notas, que aprenda a poupar e que prometa que se vai portar bem. Ou acabam-se as semanadas, a playstation e, no limite, o computador. Ela diz que sim, que se vai esforçar. Promete. E até faz um power point muita giro, com pinta, mesmo.  "E agora, já posso ir ver televisão?".

 

Um pai diria que sim. Não resistiria. 

 

Só que os mercados não são pais, são padrastos.


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De Filipe Teixeira a 28.04.2010 às 19:16

Eu acho que Portugal é como um senhor da província alto e bem parecido, que começou muito cedo na política, arranjou uma licenciatura de domingo, assinava uns projectos (?) a troco dumas massas, depois meteu-se em casos mais vistosos, rodeou-se de um batalhão de boys e passou a dar-se com a alta finança com ligações a off-shores. Tudo em grande: dinheiro, poder, reconhecimento, show-off. Uma festa.
De repente, querem que o licenciado reconheça os seus pecados e que vá de joelhos a Fátima pedir perdão? Tá bem, abelha!  

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.






subscrever feeds