Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Entretanto na bancada Sapo...

por Rodrigo Moita de Deus, em 18.03.07
Sessenta mil almas viram o mesmo que eu. Moreira entrou em campo quase a chorar. Se não lhe prometeram, pelo menos deixaram que durante uma semana ele acreditasse que voltaria a ser titular do Benfica. E o desalento que trazia dos balneários explica que foi ali mesmo, um pouco antes do jogo, que lhe explicaram que ia para o banco.
 
Um miúdo das escolas perde a titularidade por causa de uma lesão. Contratam outro jogador para o lugar. Não o deixam voltar. Um ano e meio depois, tem finalmente uma oportunidade. Deixam-no acreditar que a oportunidade é para ele e explicam-lhe no túnel que afinal vai outra vez ficar de fora? Isso é destruir, em definitivo, um jogador
 
Naquela noite, Moreira podia ter enfiado três cucus e cinco piu-pius que mesmo assim o estádio gritaria o seu nome. Tudo lhe seria permitido. Garantem-me que foi por uma lógica comercial que preferiram o Moretto. Por uma lógica nunca o deviam ter comprado. 


lavagem de mãos e outras medidas profiláticas

Sem imagem de perfil

De MigueL Primaz a 18.03.2007 às 22:23

Rodrigo,

Um miúdo das escolas?

O Moreira veio para o Benfica aos 17 anos. Foi formado no Sport Comércio e Salgueiros.

E querer condicionar o Santos com pseudo-crendices consubstanciados em privilégios de titularidade em razão das emoções é caso para perguntar o futebol já não é cruel?

Mesmo quando objectivamente não o assume?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds